Você ganha bem?

Dia 285/365:

Se você é daqueles que tem um bom salário, mas mesmo assim vive reclamando que não tem dinheiro? Então, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ quer falar com você!

Pois é, mas depois de tudo que passei antes de começar esse desafio e de tudo que aprendi nestes quase 10 meses, posso afirmar, sem sombra de dúvidas, que não ter dinheiro não tem nada a ver com o quanto você ganha. Outro dia, na igreja, ouvi a história do senhor Serafim, que ganhava 2 salários mínimos, mas devolvia, religiosamente, o seu dízimo, emprestava dinheiro para os amigos e vez ou outra trocava os móveis da casa. Milagre? Não! Administração!

Por conta de tudo que passei, entendo porque você, mesmo ganhando bem não consegue colocar sua vida financeira nos eixos, tem dívidas, atrasa o pagamento das contas, tem empréstimos ou financiamentos e chega sem dinheiro no fim do mês.

Sei bem porque eu era assim também. Não tinha dívidas, graças a Deus. Sempre pagava as contas em dia, mas não sobrava. O salário durava no máximo 5 dias. E você sabe o que vem fazendo de errado?

1) Avalie seus gastos. Se você nunca fez isso está na hora de fazer. Coloque tudo no papel: quanto ganha e como está gastando o seu dinheiro. Este será um choque de realidade, mas necessário para você começar a colocar sua vida nos eixos. Vai doer, porque você vai perceber que a conta não vai bater.

2) Viva o seu padrão de vida! Você tem que viver de acordo com as suas posses. Não queira ostentar para os amigos, colegas de trabalho ou vizinhos uma situação que não condiz com a sua realidade.

3) Acompanhe os seus gastos. Não faça nada ‘mais ou menos’. Anote tudo, até o cafezinho após o almoço. E você vai conseguir identificar os gargalos das suas finanças.

4) Faça uma reserva financeira. Experimente definir um valor mensal como se fosse uma conta a pagar, inclua no seu orçamento e guarde fielmente.

Depois que conseguir fazer tudo isso, a gente volta a conversar. O seu problema tem solução. E assim como aconteceu comigo, também quero que você viva feliz, tranquilo, sem dívidas, sem gastos supérfluos e atento ao vai e vem do seu dinheiro. Que Deus NOS abençoe e NOS acompanhe neste desafio de olhar de frente para o seu problema e enxergar. Se precisa de ajuda, conte comigo! 😉

Para limpar o nome: 16% recorreram ao empréstimo

Dia 284/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ anunciou há dois dias que 63,29 milhões de brasileiros deixaram de pagar suas dívidas a ponto de ter o nome negativado. Destes, 16% que estão tentando ‘limpar o nome’ recorreram ao empréstimo.

TV, jornal e internet bombardeiam todos os dias propagandas que oferecem sempre as melhores taxas de juros e os prazos mais estendidos para pagar…  Alguns até sinalizam com ‘crédito para negativados’…

Agora, por outro lado, imagine a situação de uma pessoa neste mar de 60 milhões: contas em atraso, ameaças de credores por falta de pagamento, sem dinheiro para comprar o básico para o cônjuge e filhos. Não deve ser fácil. Estas pessoas são presas fáceis destas propagandas. Uma pesquisa rápida no Google, com a expressão “empréstimo pessoal”, é possível encontrar mais de 9 milhões de resultados.

Imagina isso martelando na cabeça de uma pessoa que está inadimplente. A internet ainda facilita a contratação de empréstimos sem a chateação de olhar para a cara do analista (e ter que explicar o motivo de tal empréstimo. É humilhante, já passei por isso a long time ago).

Mas não pense que é somente a classe C e D que recorrem ao empréstimo. De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) o  percentual de inadimplentes sobe para 21% entre os consumidores das classes A e B.

As pessoas inadimplentes, no desespero de resolver a situação, não avaliam que os empréstimos para negativados, apesar de serem concedidos de forma ágil e com o mínimo de burocracia, cobram juros altíssimos. Cuidado, pois você está contraindo uma nova dívida para quitar outra. Avalie o valor das parcelas (se cabem no seu orçamento) e os prazos de pagamento, se vai conseguir honrar este novo compromisso, ou vai contrair uma dívida que pode se tornar praticamente impagável.

Independente da forma que contrair o empréstimo, pesquise sobre a idoneidade da empresa a fim de evitar fraudes ou golpes: busque informações sobre a empresa, busque informações em bancos a respeito da financeira, cheque o CNPJ e busque informações no Reclame Aqui.

Depois do empréstimo, busque negociar suas dívidas com seus credores. Mas, se durante as negociações você ficar com alguma dúvida, não decida na hora. Peça uma cópia da proposta e um tempo para avaliar. Leve pra casa e converse com a família. Avalie se a quitação desta dívida não vai impactar o dia a dia da sua família. Faça uma contraproposta e boa sorte!

Vai dar tudo certo. E pense bem antes de fazer uma nova compra que pode te complicar lá na frente. As próximas compras? Não faça! heheheh Vou ficar aqui torcendo para que você consiga quitar suas dívidas para poder dormir tranquilo (a) como a moça da foto que até esquece o relógio tocando heheh Tenha fé e confie, pois, o Deus que servimos não NOS desampara. Nunca… 😉

 

Fuja das mentiras financeiras

Dia 283/365:

Mentiras financeiras: você sabe quais são? Mesmo sem associar a expressão à sua vida, pelo menos uma vez na vida você já usou expressões como “eu mereço” ou “não consegui resistir”. Hoje, o “Obrigada, estou apenas olhando vai falar das mentiras que contamos para justificar uma compra.

E sempre que estas desculpas aparecem, estamos diante de uma compra que não precisamos ou que não temos dinheiro para pagar.

A minha preferida era “estava na promoção”. Mas pense bem, quando você compra uma blusa com 50% de desconto, você não está pagando 50% a menos e sim 50% a mais por uma coisa que não estava programada ou que você não precisa.

Meu amigo diz que se você não comprar, terá 100% de desconto heheheh

O maior problema destas desculpas é que você as conta para si mesmo (a). A pior mentira! Tentando se convencer de que está fazendo algo bom, quando na verdade você sabe que não!

Mas não fique preocupada, eu fiz muito isso. E se eu consegui parar, você também consegue. E sabe como consegui? Tendo um propósito, uma meta, um sonho. Até o compromisso firmado com o “Obrigada, estou apenas olhando” é um bom motivo para não ceder à tentação, usando destes subterfúgios.

A meta de ter uma reserva financeira é que está me ajudando a me manter firme neste propósito. É ela que está proporcionando a motivação necessária para chegar lá!

E estou chegando. As pessoas ainda me perguntam: “tá conseguindo?” ou “como você consegue?”. O segredo? Sonho, meta, planejamento com estratégias para chegar lá, determinação e foco!

Ah, importante lembrar que meu compromisso não é somente comigo, mas com vocês também: seguidores do blog e da página do Facebook. Estamos há poucos meses do fim deste desafio. E a dúvida que não quer calar: se eu vou voltar a comprar? Sim, mas não como antes. Aprendi muito neste tempo. Foram muitas transformações, muito aprendizado e hoje sou uma nova pessoa!

E essa nova pessoa, com a graça de Deus, não voltará a ser como era antes! Como diria Albert Einstein: “a mente que se abre a uma nova ideia, jamais voltará ao seu tamanho original”. E a minha se expandiu, para melhor! Um bom motivo para agradecer, comemorar e aproveitar!

Que Deus continue NOS iluminando e NOS orientando e inspirando todos os dias, em todos os momentos. Que você também encontre seu propósito, motivação e seja feliz! 😉

Torça pelo Brasil sem se endividar

Dia 282/365:

O “Obrigada, estou apenas olhando” entrou no clima da Copa para alertar sobre os gastos que você deve controlar neste período. A Copa do Mundo já começou, mas, para nós, brasileiros, começa amanhã! Cuidado! Com os jogos? Não, com os gastos!

É legal se reunir com os amigos, torcer pela seleção brasileira, comprar camisetas, cornetas e afins, participar de bolões, comprar aparelhos de TV maiores… Até sofás, novos as pessoas estão comprando!

O período também é importante para a economia brasileira, mas é preciso alerta-lo (a), principalmente, se você estiver endividado (a).

Uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) projetou que cerca de 60 milhões de consumidores devem realizar gastos com produtos ou serviços relacionados à Copa do Mundo.

Não estou dizendo pra você não torcer pelo Brasil, estou alertando para controlar os gastos: compre à vista, de preferência em dinheiro ou no cartão de débito. Cartão de crédito apenas para compras que cabem no seu orçamento.

Está precisando de uma TV nova ou quer uma TV maior? Não se deixe levar pelo ânimo do evento. Sempre se pergunte se realmente precisa comprar, principalmente, se a compra for de um valor mais alto como um sofá ou uma televisão.

Cuidado também com as promoções que te presenteiam com brindes, o preço do brinde, com certeza, estará embutido no valor do que você está comprando.

A Copa vai durar aproximadamente um mês! Avalie se vale a pena se endividar para além do evento. Espero que Deus NOS ajude: olhando pela seleção brasileira e por nós! Que consigamos NOS conter com os gastos! Vai, Brasil! 😉 🇧🇷

Mais de 60 milhões de inadimplentes

Dia 281/365:

Mais uma pesquisa do SPC Brasil que deixou o “Obrigada, estou apenas olhando” de boca aberta: o Brasil encerrou o mês de maio com 63,29 milhões de inadimplentes.

É muita gente com dívidas em atraso. E adivinhem quem lidera a lista de credores: os bancos, claro!As pessoas estão se endividando, cada vez mais, por conta de empréstimos e cartões de crédito.

O volume de consumidores brasileiros com contas em atraso e registrados em lista de devedores voltou a crescer em maio. De acordo com dados apurados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a quantidade de inadimplentes cresceu 2,78% no mês de maio na comparação com igual mês do ano passado.

Em números absolutos, estima-se que aproximadamente 63,29 milhões de brasileiros estejam com o CPF restrito. Dessa forma, não conseguem fazer compras a prazo ou contratar crédito.

Tanto o SPC Brasil, quanto o CNDL creditam a inadimplência à crise e à lenta recuperação da economia. Mas a gente sabe que não é só isso! A gente precisa parar de culpar a política ou a economia.

Temos que assumir as responsabilidades pelas nossas ações. Quando me encontrei uma situação delicada na minha vida, fui buscar ajuda. Graças a Deus não tinha dívidas e nem estava inadimplente. Mas cheguei no meu limite e precisei fazer alguma coisa.

E fiz! Busquei orientação, aprendi muita coisa e agora consigo compartilhar com você! Mais e esqueça das dicas de como sair desta situação. A primeira delas é admitir que precisa de ajuda!

Só assim você estará pronto para ser ajudado. Que Deus ilumine as NOSSAS vidas para que SEMPRE consigamos escolher os melhores caminhos e tomar as melhores decisões. 😉

Desapegar é preciso

Dia 280/365:

Inspirada na história do Eduardo Gregori, meu amigo da faculdade e que hoje mora em Barreiro, em Portugal, o post de hoje do ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai falar sobre desapego.

Você costuma fazer isso? Quando comecei este desafio, fiz uma triagem no meu guarda-roupas para saber, exatamente, o que teria para dispor nos próximos 365 dias. Foi logo no início deste desafio: faziam nove longos (hehehe) dias que ele havia começado.

Naquela época, eu tinha muita coisa no guarda-roupas. Entre vestidos, sapatos, bolsas, camisas, saias, camisetas, blusinhas, blazer, casacos, jaquetas, shorts, blusas e calças eram mais de 150 peças.  Sem contar os conjuntos de lingerie e as roupas de academia. E hoje, mais de 270 dias depois, tenho muito mais roupas no armário. Sapato não ganhei nenhum: pouca gente calça o meu número (33) hehehe

Não precisa se desesperar, não cedi à tentação (que nem é mais tão tentação assim). Não, não estou ficando louca! E não, não comprei nenhuma peça. GANHEI muita coisa neste tempo: tenho os melhores amigos do mundo! Entre presentes e doações  – roupas das amigas que não lhes servem mais – (sorte a minha!) já são mais de 70 peças. Mas não ficou tudo pra mim não! Dividi muita coisa a Luciana, uma amiga/irmã.  O que não servia para mim, separava pra ela!

As últimas doações (gosto muito!) resultaram em 9 peças de roupas pra mim (7 calças, 1 camisa e um vestido) e outras 12 peças pra Lu. E o mais legal é que antes de avisá-la sobre as roupas, ela vem e comenta: “estou precisando comprar umas blusinhas para frio”. E voilá, Deus providencia. Pra ela, foram umas quinze peças e mais dois sapatos: entre as peças três tricôs e duas jaquetas (perfeitas para o inverno). Providência divina para o inverno que chega na próxima semana.

Até comentei hoje com o Pedro Braggio, amigo, educador financeiro e mentor deste desafio. E ele ficou feliz por mim e pela pessoa que fez a doação das roupas. “É bom porque você ganhou, é bom porque você não está comprando e é melhor ainda porque você pode incentivar os seguidores do blog a fazer a mesma coisa. Precisamos estimular o uso das roupas até o final: faz bem pro nosso bolso, pois, não gastamos, e para o meio ambiente”, analisou.

Pedro lembrou de uma coisa que acontecia quando eu era pequena. As roupas dos primos iam de um pro outro. “Essa prática é muito comum com roupas infantis: de um irmão ou primo que passam suas roupas uns pros outros”, disse. Ebaaaa, estamos no caminho certo, resgatando antigas práticas em prol da sustentabilidade e do consumo consciente e para ajudar o próximo.

Deus é maravilhoso mesmo. Ele sabe o que precisamos e providencia. Ele vem acompanhando este desafio e sabia que eu estava com vontade de ter uma coisinha “nova”, que apesar de vir de outra pessoa, está bem cuidada e é nova, sim, no meu armário.

Gostaria muito que você pudesse fazer isso hoje. Aproveita, é cedo ainda. Entra no quarto, separa umas roupas que você não use mais ou que não lhe sirva e separe para doar: igrejas,  prefeituras e associações de bairro, podem estar precisando de doações de agasalhos. Ou quem sabe uma amiga sua, pode estar precisando! O segredo de saber o que desapegar é olhar para a roupa e lembrar sobre a última vez que você usou. Se não usou este ano ainda, está na hora desta peça fazer a alegria de outra pessoa!

Experimente! Você vai se sentir ótima (o) depois que fizer isso. E se puder me contar a sensação depois, vou ficar muito feliz! 😉

Aprendizado que vem do outro lado do Atlântico

Dia 279/365:

Minha mãe sempre dizia que as pessoas aprendem pela dor ou por amor. “Feliz daquele que aprende por amor”, alertava ela com sabedoria. E é verdade né, gente? Quanto aprendi nestes últimos meses e foi tudo por amor. Amor à minha paz e tranquilidade…

E o que venho aprendendo tem ajudado as pessoas aqui no Brasil e no exterior. Uia, que legal né? Minha prima Marilza, que mora na Itália, é uma das acompanhantes assíduas do blog. A amiga Djanira Rosseto que mora na Alemanha, também acompanha, diariamente os meus aprendizados. E no domingo, descobri que um querido, da época da faculdade de jornalismo, na PucCampinas, o Eduardo Gregori, também vem acompanhando.

E olha só a declaração dele: “Aprendo muito” e emendou, me deixando mais feliz ainda: “Pensei tanto em você, querida! Nunca seu blog fez tanto sentido pra mim!”, deixou como resposta num post. Ah, gente, é pra explodir de felicidade né?

Greg, como é carinhosamente conhecido pelos amigos, mudou-se, recentemente, para Portugal. E, por amor também (graças a Deus, né, Greg?) descobriu que não precisa de tanto para viver e, o melhor, está feliz da vida! “Não tenho carro aqui em Portugal, mas vou para todos os lados de barco, trem ou metrô: são muitas opções”, enumera. “Precisei sair da minha cidade (Campinas), e do meu país para descobrir que a gente pode ter uma vida mais simples, viver com menos e ser ainda mais feliz”, analisa.

Em Portugal, Greg está mantendo seu blog Eu por aí e discotecando na noite. Ele é DJ, gente! Só festa, que maravilha hehehe. “Ando muito a pé, conhecendo a cidade, os lugares e reconhecendo a cidade como minha”, conta, orgulhoso.

Ele e o marido moram em Barreiro, na margem Sul do Rio Tejo e, de barco, em 15 minutos estão no centro de Lisboa. “Escolhemos viver em Barreiro para economizar. Mas, aqui, desfrutamos da tranquilidade de morar fora de um grande centro, mas com as facilidades de transportes é como se estivéssemos lá”, garante.

Consumo consciente – Além da economia para morar, ele contou que vem economizando nas compras no supermercado também.  “Fazemos compras com nossas próprias sacolas e aqui, fica muito claro o desperdício de alimentos, por exemplo, que temos no Brasil. Hoje, vivemos num país com uma economia estável e que não precisa estocar alimentos em casa por medo dos preços, da inflação…”, compara.

Para a viagem Greg teve que desapegar de parte do seu guarda-roupas. Escolheu o que levar e doou o restante, os eletroeletrônicos, principalmente. E, para o Velho Mundo levou, basicamente, roupas, calçados e documentos. “Saiu com a roupa do corpo”, como diria minha avó heheh

Esta é a segunda vez que ele se desapega de suas roupas. A primeira foi quando emagreceu 60 kg. Sim, minha gente, ele é um case de sucesso e superação. E agora para a viagem. “A gente consegue viver com menos: a gente só precisa decidir! Aqui, a casa funciona, a vida funciona e estou muito feliz em descobrir isso: parei de sofrer pelo que não tinha e comecei a aproveitar tudo o que tenho”.

Ah que orgulho, gente! Fico feliz em ver que o “Obrigada, estou apenas olhando” está ajudando de alguma forma. Também foi uma oportunidade para conversarmos, a entrevista foi via WhatsApp. Santo, WhatsApp hehehe

Hoje, Greg está ocupando seu espaço e se sente a cada dia mais confiante e certo de sua escolha. E, andando como morador pelas ruas de Barreiro ou Lisboa, ele se sente parte da cidade que escolheu viver por amor.

Este é o segredo, gente! Quando a gente aprende a viver com menos, descobre que a vida pode ser menos estressante, mais simples e melhor aproveitada. Você passa a valorizar as pequenas coisas como andar pelas ruas, e até deixa de se importar porque não tem um lustre bacana na sala. Coisas de quem atinge um outro patamar de vida… Espero que a história do Eduardo Gregori possa te inspirar de alguma forma. Espero também que possa sorrir ao ler este post, tendo a certeza de que ele venceu!

Obrigada, Greg por compartilhar conosco sua história e este novo momento. Desejamos que Deus continue abençoando esta nova fase com amor e muito trabalho e que vocês possam aproveitar tudo com sabedoria e saúde. 😉