Como criar bons hábitos financeiros

Dia 164/365:

“O que você pode mudar nos seus hábitos financeiros?” Esta pergunta me deixou pensando no quanto o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ não só mudou meus hábitos financeiros, mas minha vida como um todo.

Todos temos bons e maus hábitos. E, assim como agimos com nossas virtudes e defeitos, temos que exaltar o que é bom, enquanto abafamos e neutralizamos o que é ruim. Antes de começarmos este debate, sobre bons e maus, vamos analisar… Hábitos são repetições de comportamentos que o nosso cérebro assimila, criando um processo de aprendizado interno.

Isso significa dizer que, com o tempo, paramos de pensar em fazer as coisas, para realizá-las inconscientemente, como beber água, comer, trabalhar… A ciência explica que isso acontece para que o cérebro poupe esforços tornando estas ações em ações automáticas.

Será que era isso que acontecia comigo? Já estava enraizado que as idas ao shopping, tinham que incluir sair de lá com uma sacola… Independente da loja…

Como criar bons hábitos…

Se você está endividado, o seu objetivo é acabar com as dívidas. Então, direcione seus esforços para isso. Lembra como tudo isso começou? Meu problema não era por conta de dívidas, mas pela falta de uma reserva financeira. E foquei nisso! Como conseguiria poupar? Parando de gastar e foi aí que surgiu o desafio deste #UmAnoSemCompras.

Não comprar foi a minha melhor decisão nestes últimos 5 meses… Tive que fazer escolhas e consegui substituir aquele padrão repetitivo de passeios no shopping e compras por poupar.

Guardar dinheiro foi o objetivo. No começo foi difícil, não sobrava, até que me toquei que não tinha que esperar sobrar, tinha que definir um valor e pronto. Hoje, o percentual que vai para a reserva financeira é de quase 30% da minha renda, pois, guardar dinheiro se transformou no meu foco. Virou desafio mesmo, ponto de honra. Aquela coisa que tenho que fazer! E comemoro a cada mês… E vem dando certo. Importante comemorarmos nossas pequenas vitórias.

Fiz algumas mudanças também como trocar  a operadora do celular, reduzindo pela metade o valor mensal. Defini um valor limite para as compras no supermercado e passei a comprar à vista, no débito. E, quando compro em dinheiro, peço desconto, sempre! Apesar do limite do cartão de crédito, defini um próprio e a ideia é nunca atingir este limite.

Acredito que hoje meu cérebro já trabalha nesta direção: eu posso, eu quero, eu consigo! Temos que eliminar as crenças que nos limitam, algo do tipo: ‘você não vai conseguir’, ‘ganho pouco’, ‘não mereço’ e por aí vai…

Em resumo… 

  • Comece devagar e escolha um novo comportamento por vez.
  • Defina metas de curto, médio e longo prazo.
  • Crie estímulos que motivem seu processo de mudança.
  • Adote um novo estilo de vida.
  • Tenha menos dinheiro na carteira.
  • Pare de comprar por impulso.
  • Defina prioridades para seu dinheiro.
  • Pague à vista e peça desconto.

Espero que o meu aprendizado sirva de alguma forma para você. Que você encontre nestas histórias diárias um impulso para fazer a sua própria história. Que você prospere e seja feliz! Encontre o seu caminho e faça dele o desafio da sua vida, mas mantenha Deus no centro de tudo: deixe Ele te guiar, te inspirar e te orientar em quais oportunidades aproveitar. Que Ele NOS abençoe e NOS proteja sempre em todos os momentos. 😉

Em qual nível você se encaixa?

Dia 163/365:

A organização financeira passa por estágios. E hoje o ‘Obrigada, estou apenas olhando vai te ajudar a se identificar neste emaranhado que é a nossa situação financeira. A minha graças a Deus está entrando nos eixos. Mas falta muito ainda para atingir minha meta.

Estágio 1- Estou no sufoco: a pessoa ou família que está neste nível está sempre andando para trás. “Vendendo o almoço para comer a janta”, como diriam os mais velhos. Fecha todos os meses no vermelho, não controla suas finanças, nem seus ganhos, muito menos seus gastos. Usa todo mês o cheque especial e estoura o limite do cartão de crédito. Ah, esse tá no sufoco mesmo.

Estágio 2 – Estou em dia: manter as contas em dia tem suas recompensas. Permite que você e sua família durmam tranquilos à noite. Você consegue  poupar, investir e, o melhor, realizar sonhos. As pessoas neste nível sabem comprar: só gasta aquilo que ganha e está conseguindo começar a poupar para passar para o outro nível: o Investidor.

Estágio 3 – Investidor iniciante: é aquela pessoa que consegue guardar dinheiro sempre, mas em investimentos muito conservadores, como a poupança, por exemplo. Eu me encaixo neste nível. Ainda estou montando minha reserva financeira na poupança. Acredito que no próximo mês vou conseguir ousar um pouco mais. Mas cuidado, este tipo de investidor ainda acredita em Titulo de Capitalização. Pode esquecer, desta fase, nós já passamos, não é mesmo? Se você não se lembra, leia o post sobre os títulos.

Estágio 4 – Investidor intermediário: este é aquele que investe sempre, tem conhecimento sobre mercado financeiro, imóveis e negócios. Sabe exatamente onde investir pois acompanha os índices e sabe onde rende mais.  Este é meu próximo passo. Será que o Tesouro Direto é uma boa ainda?

Estágio 5 – Investidor avançado: este é o cara ou a mina! heheh Este é o sonho que todos almejam alcançar um dia. Mas é preciso, pelo que já percebi, disciplina e estudo. Até para a poupança precisa disciplina. Estes são especialistas: aqueles profissionais que escolhem uma área e se tornam peritos. Ele enxerga oportunidades onde os olhos comuns não veem.

Espero que você tenha passado tenha saído do nível 1. O nível 2 é um pouco mais confortável e o 3 é o início de uma vida financeira mais equilibrada. Bora lá alçar novos voos. Viver novos desafios e dormir tranquilo com as contas em dia, boletos e faturas pagas e dinheiro rendendo, nem que seja na poupança. Vamos conseguir, amigos. Eu acredito e estou trabalhando para isso e você? Com a graça de Deus, tudo é possível para o bem. Que Ele continue NOS abençoando e NOS protegendo sempre, de todo o mal. 😉

Até o repórter está ‘apenas olhando’

Dia 162/365:

Hoje é dia de comemorar. A reportagem da TV TEM (Rede Globo) foi ao ar nesta sexta-feira (16), na segunda edição do Tem Notícias, às 19h. Horário nobre, gente! E até o repórter está ‘apenas olhando’ heheh

A reportagem conta a história de um casal que procurou ajuda especializada, do nosso educador financeiro preferido, Pedro Braggio, para colocar as finanças em dia.

E esta que vos escreve foi a personagem apontada como exemplo de mudança de hábito que veio com a palavra planejamento e a famosa frase: ‘obrigada, estou apenas olhando’ hehehe

A frase foi o repórter quem disse, eu disse também, mas eles cortaram heheh Assistam a reportagem clicando no link

Especial divertimento com as minhas caras e bocas… Conversa tava boa, Rafael é super simpático e deu tudo certo! Graças a Deus. Obrigada, TV TEM e todos os amigos que trabalham lá e se lembraram de mim para esta reportagem. Que Deus abençoe todos nós. 😉

Seja firme e diga não!

Dia 161/365:

Gente, lembra que ontem comentei que iríamos falar sobre aprender a dizer não? Na hora de dizer não precisamos de toda a ajuda possível e, por isso, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ foi buscar orientações com um profissional especialista na área de persuasão e em como falar em público.

Jornalista, radialista e palestrante (além de meu amigo hehehe), Carlos Cunha, lida o tempo todo com pessoas que frequentam os seus cursos e palestras com dificuldade de se expressar. E essa é um problema que pode impactar todas as áreas da sua vida.

Uma pessoa que tem dificuldade para se expressar, pode, por exemplo, alegar medo ou vergonha de pedir desconto, de reclamar seus direitos ou simplesmente de dizer não para uma vendedora simpática e compra, o que muitas vezes não queria, para conseguir sair de uma situação constrangedora. Quem nunca?

Mas, fique tranquilo, nem tudo está perdido para você, meu amigo (a) que já passou por isso. Você pode aprender a posicionar-se, de acordo com Carlos Cunha. “É possível deixar claro o seu posicionamento diante das mais diferentes situações: você só precisar utilizar-se dos próprios argumentos para esclarecer, informar e eliminar dúvidas e mal-entendidos. Sempre se utilizando das palavras certas e do momento certo”, explicou o especialista.

Ah, gente, mas uma coisa que ele fez questão de deixar muito claro é que o ato de posicionar-se nada tem a ver com omitir informação ou até mesmo mentir. “Muita gente acredita nisso, confunde e se utiliza deste artifício para sair de alguma situação, infelizmente”, alerta.

Carlos explicou que a maioria das pessoas que o procuram, em palestras, cursos ou treinamentos (gente, ele ajuda todo mundo que precisa aprender, não só a falar em público, como se expressar melhor, #FicaADica) está em busca de clareza na hora de se comunicar, na hora de tomar uma posição. “As pessoas se sentem inseguras, se preocupam em não ofender e, com isso travam até quando estão em ambientes pequenos, como uma reunião, por exemplo”, reforça. Tá vendo, gente, isso é mais comum do que a gente imagina.

A timidez deve piorar toda essa dificuldade de se comunicar. Mas, amigos, tenho a dizer que NÃO é resposta sim! Pode não ser a resposta que a pessoa queria ouvir, mas é uma resposta. E que muitas vezes precisa ser dita! Carlos explica que para muita gente dizer NÃO é uma tarefa das mais complicadas. “É necessário ter tato e saber para quem iremos negar alguma coisa. Caso contrário, ao invés de passarmos uma imagem de pessoa objetiva e bem resolvida, acabamos sendo vistos como omissos”, explica.

Isso é verdade, as pessoas podem enxergar isso  como grosseria ou má vontade, mas, na verdade, você está apenas se defendendo e se posicionando. Depois de um NÃO deve vir uma explicação bem argumentada sobre o por quê da negativa. “Numa loja, seja polido e explique ao vendedor a razão de não levar, de não comprar naquele momento. Até o ‘obrigado, estou apenas olhando’ é um NÃO, de maneira educada (risos!)”, argumenta Carlos. Uia, gente, ele usou nosso mantra heheh Estamos ganhando o mundo!

Uma das mais importantes perguntas que fiz pra ele foi sobre como se posicionar diante da família. Por exemplo, quando o pai ou a mãe não tem condições de comprar algo ou de bancar uma viagem de férias. Carlão, como é conhecido pelos amigos, explicou que saber dizer não é super importante para ter uma vida financeira saudável.

“Dizer não em casa dói na alma. A sensação de impotência que isso dá, principalmente em questão de finanças, é insuportável e tira o sono. Nesta hora, cabe o bom senso e a aplicação das palavras certas”, aconselha. “Escolha um momento que não vá causar tanta turbulência e um ambiente tranquilo pra falar sobre o assunto. Pense, avalie e discuta com o seu cônjuge se não é possível criarem juntos um plano B”, alertou.

Carlão explica também (e isso já falamos muito aqui) que é melhor adiar algum projeto para não se apertar financeiramente depois. “Essa disposição em ter um plano B para a situação deve ficar muito clara na hora de falar e expor o assunto e as implicações do NÃO para o seu cônjuge. Lembre-se, a apresentação de argumentos claros, ajuda na compreensão da mensagem”, completa.

Viu só gente, não é um bicho de sete cabeças. Aprenda a falar NÃO e se proteja! É isso mesmo: se posicionar vai te ajudar a viver melhor, sem preocupação de ter que honrar uma dívida que sabe que vai atrapalhar o seu planejamento. !

Espero que estas dicas ajudem você a se posicionar melhor no seu dia a dia, em casa, no trabalho, na rua, no shopping hehehe Se você precisa falar não, tome coragem e diga exatamente o que está sentindo. Não confunda com grosseria. Não tem nada a ver ser sincero com ser sem educação. E como diz o Carlão, é isso!

Que Deus continue NOS abençoando e colocando em nosso caminho pessoas que só fazem acrescentar. 😉

 

 

Se você se interessou pelo trabalho do Carlos Cunha e quer saber mais sobre Falar em Público, acesse o site e conheça um pouco mais do trabalho dele: lá também tem artigos e dicas. Aprenda a dizer não, você vai ser uma nova pessoa! Eu garanto!

5 hábitos para prosperar financeiramente

Dia 160/365:

Ah, a prosperidade. Você já deve ter desejado prosperidade para a sua vida. Mas hoje o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai te ajudar a conquistá-la.

Este é um desejo constante de homens e mulheres desde que o mundo é mundo! Mas, prosperidade financeira é resultado de bons hábitos, tanto com relação às finanças, quanto com relação às nossas próprias emoções.

Assim, a prosperidade financeira é resultado de um conjunto de habilidades, leis espirituais, hábitos e inteligência financeira. Tudo junto e misturado compactuando para que você atinja seus objetivos.

Você sabia que todos têm um potencial de abundância prestes a ser explorado? Esse potencial está intimamente ligado às nossas emoções, ou melhor, à educação de nossas emoções, ou seja, ao domínio de nossos sentimentos, vontades ou impulsos.

Gerir nossas emoções, aliando a pequenas mudanças de hábitos, com certeza, vão te aproximar mais da prosperidade, não só financeira, mas da vida como um todo. Para ter bons resultados:

1- Tenha um propósito: ter um objetivo torna as coisas muito mais fáceis. Se ainda não sabe, descubra o mais rápido possível o que quer, o que deseja para a sua vida e o seu futuro. Viajar, adquirir bens como carros, casas, estudar… Vale tudo, desde que seja pro bem, claro!

2- Defina prioridades: quando você deixa de ir à balada com os amigos e escolhe não gastar para poder realizar o seu sonho de viajar à Europa, por exemplo, você está dando prioridade para os seus objetivos. Não que você não gosta dos amigos ou de estar na presença deles. Mas precisamos focar em  nossos objetivos.

3- Saiba exatamente quanto gasta por mês: mais importante do que ganhar um ótimo salário (isso é muito bom, diga-se de passagem) é saber quanto e como está gastando. Anote tudo e avalie semanalmente, mensalmente. Uma forma de incluir alguns gastos no seu dia a dia como cafés, almoços fora de casa é definir um valor para estes pequenos prazeres.

4- Aprenda a dizer não: vamos falar mais sobre isso quem sabe amanhã. Vai ser um post especial sobre isso. Vamos conversar com um mestre no assunto e trago para logo, logo. Mas para despertar a curiosidade, temos que aprender a dizer não para as coisas que não temos condições de bancar. Pense nisso.

5- Pesquise antes de comprar: aqui acrescentaria também parar e pensar. Quando for comprar, pare, pense e avalie se precisa mesmo daquele produto ou só está comprando por impulso. Pergunte-se com o que vai usar (no caso de roupa, bolsa ou sapatos) e em que ocasiões, isso ajuda a rever a compra. Mas não tome a decisão sem antes pesquisar o menor preço e as melhores condições: lembre-se também de pagar à vista e pedir desconto. Sempre desconto.

É tão engraçado como os textos ganham vida própria. Comecei falando sobre prosperidade, passei pelo domínio da vontade e terminamos falando em comprar à vista. Sempre vou defender a compra à vista e o uso racional do cartão de crédito. Lembre-se o dinheiro do cartão de crédito não é seu, por mais que você acredite que é… Você está apenas ‘tomando’ emprestado e o banco cobra muuuuuito por isso!

Que Deus continue NOS oferecendo sempre as melhores oportunidades de aprender, de crescer e de NOS desenvolver. Peça sempre a orientação dEle, que sabe o melhor para todos nós! Que Ele continue NOS abençoando e NOS livrando de todo o mal. 😉

 

 

Como organizar documentos e contas

Dia 159/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ já leu muita coisa sobre pagar juros e multas de contas de água, luz, telefone, entre outras, por pagar com atraso. Sai dessa agora. Podem ser poucos reais cada conta, mas soma tudo isso por um ano e você vai ver quanto dinheiro foi jogado no lixo.

Para resolver este problema fui pesquisar sobre organização de documentos e contas. Quanta papelada a gente guarda sem necessidade: só tomam espaço e juntam poeira.

Diante disso, vamos levar a sustentabilidade para nossas vidas neste quesito também. Reúna toda a papelada que deseja organizar: procure em gavetas, armários, pastas, caixas e junte tudo. Separe o papéis em três pilhas: o que é pra reciclar, o que é pra guardar e o que é pra resolver.

Na pilha de reciclar, coloque tudo que pode ser descartado: não esqueça de rasgar os documentos antes de separar para o lixo. Na pilha de guardar, vão todos os documentos que precisam ser arquivados: contas pagas, contratos, escrituras, notas fiscais… E na pilha do que for pra resolver, como as contas a pagar, por exemplo, utilize uma caixa ou pasta organizadora e separe por data de vencimento. Deixe este material em um local visível para não perder a hora de pagar estes boletos. Débito automático também pode resolver esta situação fácil, fácil.

Tudo que for arquivado precisa ser separado por categoria. Se você organizar por ordem alfabética, vai ficar mais fácil de encontrá-las caso precise encontrá-las por algum motivo. Assim, separe como água, banco, carro, casa e assim por diante.

Você sabe por quanto tempo precisa guardar os documentos ou contas pagas? Esta eu também não sabia e fui pesquisar.

Guarde por 1 ano: apólices de seguro de vida, saúde, veículo, residência, entre outros. Exames de saúde geralmente tem validade de 6 meses a 1 ano.

Guarde por  5 anos: tributos: IPTU, IPVA, Imposto de Renda; contas de água, luz, telefone e gás; aluguel; condomínio; comprovante de mensalidade escolar; comprovante de pagamento de cartão de crédito; comprovantes eleitorais, recibos de assistência médica, recibos de pagamentos a profissionais liberais;

Guarde para sempre:  documentos pessoais, certidões, passaportes, escrituras, carnês do INSS, holerites ou contracheques, testamento;

Comecei hoje e vou terminar a minha organização amanhã. Espero que estas dicas facilitem a vida de vocês. Sabe quando você fica com a sensação de que descobriu a América heheh Eu estou assim. Vai ficar tudo arrumadinho e organizado.

Já utilizo uma caixa para as contas a pagar. Elas vão chegando e vou colocando tudo lá. E, como todas vencem no mesmo dia (15), vou até a caixa, separo as que vieram pelo correio, baixo as que vem por e-mail e pago tudinho antes do vencimento: é a melhor coisa! Sem juros! Há muito tempo que não pago juros das contas. Depois que adaptei o vencimento delas à data do meu pagamento, o mundo fez mais sentido heheh

E, se você paga suas contas pela internet, imprima ou salve uma cópia do comprovante de quitação da  conta. Lembre-se, a ordem é facilitar a vida, não juntar papéis desnecessários e não pagar juros e multas de contas. Mais um aprendizado! Vamos em frente, estamos no caminho certo. Que Deus continue nos abençoando e nos protegendo de todo o mal (inclusive dos juros e multas heheh) 😉

 

CPF negativado: saiba como resolver

Dia 158/365:

Em pleno Carnaval e o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ está falando sobre dívidas. É que uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgada na sexta-feira de Carnaval (9) revelou que  metade da população entre 30 e 39 anos está com o CPF negativado.

Triste notícia para um início de ano, né gente? Isso significa dizer que esse pessoal, um total de 17,3 milhões de consumidores, começou o ano de 2018 com o nome inscrito em alguma lista de devedores. CPF negativado inviabiliza crediário e empréstimos.

Mas os números não assustam somente na faixa entre 30 e 39 anos, não! 13,4 milhões de pessoas entre 40 e 49 anos também estão na mesma situação. Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, “é nessa fase da vida em que a corrida ao crédito acaba sendo inevitável, pois muitos já constituíram família, possuem filhos e assumem mais compromissos financeiros. Em um momento de crise, pode ser difícil equilibrar o orçamento se não houver controle e disciplina”, explica a economista.

O SPC Brasil orienta como você deve proceder para ‘limpar’ o seu nome:

– Se você recebeu uma notificação, verifique qual foi a empresa que te mandou o comunicado;

– Se você não sabe qual a empresa te negativou, você pode obter essas informações entrando em contato diretamente com um posto de atendimento do serviço de proteção ao crédito, na sua cidade. Leve sua carteira de identidade e CPF;

– Peça um demonstrativo de todas as pendências registradas e procure a empresa para fazer as devidas negociações.  Um primeiro contato que sinaliza a sua intenção de pagar sua dívida é muito importante no processo de negociação;

– Seja sincera (o) e deixe clara a sua real situação financeira e o quanto de fato pode pagar. Lembre-se que o credor tem tanto interesse em receber a dívida quanto você tem em quitá-la;

– Se tiver uma poupança ou outro investimento, esta é a hora de utilizar o dinheiro guardado para ajudá-lo a sair das dívidas! Quanto mais tiver para mostrar, mais facilmente conseguirá uma boa negociação;

– Se o problema for um cheque sem fundo, procure a agência bancária na qual você tem conta. “Cubra” o cheque com o valor devido. Caso não saiba onde ou para quem deu o cheque, o banco poderá te disponibilizar uma cópia microfilmada dele;

– Após acertar suas contas com a empresa, ela mesma irá retirar seu nome da lista de devedores dos serviços de proteção ao crédito.

E enquanto isso, fico aqui na torcida para que você não seja um dos 17,3 milhões de pessoas! Mas, se for, fique em paz, que a sua decisão de resolver as coisas vai contar pontos a seu favor. E que Deus continue NOS ajudando e NOS protegendo das dívidas, dos serviços de proteção ao crédito e de todo o mal. 😉