Confissões de um guarda-roupa

Oi, pessoal, tudo bem? Hoje compartilho aqui o texto leve e divertido da Denise Maria Dalle Laste Da Ré, uma escritora de Bento Gonçalves/RS,  que, pesquisando sobre guarda-roupas abarrotados, encontrou o nosso ‘Obrigada, estou apenas olhando’.

Que Deus continue NOS abençoando para encontrarmos boas oportunidades de leitura e aprendizado. Que continuemos compartilhando os textos uns dos outros para que possa atingir o maior número de pessoas, inspirá-las, orientá-las e transformá-las. Que Deus nos ajude! 😉

Nestes tempos bicudos em que as palavras podem servir de Cavalo de Troia e deflagrar uma guerra, pisa-se em ovos. As pessoas estão com os nervos à flor da pele. Uma frase mal dita torna-se definitivamente maldita, e seu autor é execrado. Por isso é difícil achar, nas redes sociais, algo light que seja ao mesmo tempo engraçado e verdadeiro; singelo sem ser carola; que extraia o humor de situações cotidianas e não se preste a duplas interpretações. 

É raro, mas achei. Passando os olhos pelo face, com o cuidado de não curtir nem minha própria sombra, vi um gráfico que revela de um jeito bem espirituoso o interior do guarda-roupa feminino que, mesmo abarrotado, oferece poucas opções. Pesquisei e descobri que havia um texto atrás disso, cuja autora é a jornalista e blogueira Cíntia Souza, com quem tive o prazer de conversar. Virtualmente, é claro!

A minha identificação com o tema foi imediata. Acredito que grande parte da ala feminina se enquadra nisso pelos motivos que… Melhor ele mesmo contar. Ele que é meu cúmplice e que está sempre de portas abertas para receber mais e mais peças. Ele, que sabe ser imparcial e sincero.

Fala, amigo de todas as horas! Conta as peripécias e (in)consequências desta que (não) te ouve! Solta o grito preso na madeira! A palavra é tua, meu guarda-roupa!

“Bom, confesso que estou de saco cheio. Sem perspectiva, sem objetivo. Dizem que a felicidade está dentro da gente, mas aqui mal posso respirar. Além disso, a escuridão e restos de inverno não me fazem bem. Se você me abre, para que a luz invada e ilumine meu interior, adivinha quem corre para cá! Aquele au-au peludo e fedido, que se deita sobre esta overdose de inutilidades”.

“Pronto. Falei. Estou mesmo atulhado de peças sem noção. Quarenta por cento do meu espaço foram invadidos pelas modelagens baratas, que não combinam, e, por isso, não são usáveis. Então me pergunto: que compulsão é essa diante de OFF SALE?”

“Vinte por cento do meu diâmetro preservam roupas com o manequim de dez anos atrás. Sei que você espera que as dietas iniciadas na segunda e terminadas na terça façam milagres, mas não exagera, tá?!”

“Outros vinte por cento foram tomados por vestuários que precisam de um remake, de uma customização, de uma releitura…”

“Em quinze por cento do meu espaço, jazem roupas cansadas de guerra ou que apostam nos ciclos da moda para retornar à cena.”

“E apenas cinco por cento dos meus cabides – CINCO POR CENTO – realmente cumprem com sua função.”

“E então, me diga, é este o armário que você quer para o futuro?!”

Ops! Qualquer semelhança é mera coincidência…

A liberdade de dizer não!

As compras estão liberadas desde o dia 8 de setembro, mas os aprendizados com o “Obrigada, estou apenas olhando” pulsam no meu dia a dia e espero que no seu também!

Muita gente imaginava que eu fosse começar a comprar e gastar como louca a partir do dia seguinte, ledo engano…

Deles e meu também! Confesso que fiquei com medo num primeiro momento, mas depois me lembrei do Deus que está comigo, me amparando, protegendo e cuidando de mim… Ele não iria me deixar cair novamente depois de tudo que passei e aprendi.

O medo passou e com ele veio a satisfação e o sentimento de liberdade! Sim, liberdade! A melhor das sensações!

Durante um ano deixei de comprar obrigada, por mim mesma, a não fazer isso! Agora, eu posso escolher NÃO comprar! Tenho a liberdade de olhar para roupas, bolsas, sapatos, bijus, que tanto agradam os meus olhos, e dizer NÃO PRECISO!

Poder comprar e escolher não comprar porque não preciso é uma sensação fantástica!

Fiz uma lista de coisas que, depois de um ano, estou precisando, entre elas, uma calça jeans, uma camisa branca, uma saia verde… Mas estou pesquisando o melhor preço, não comprei ainda porque não encontrei o modelo e o preço que quero pagar! Sim, agora sou eu que dito o quanto vou gastar com as compras!

Até agora comprei lingerie (as minhas estavam num estado deplorável) e uma sapatilha (da Moleca, que estava em promoção de 59,90 por 39,90).

Espero, do fundo do coração que você tenha aprendido como eu aprendi! Espero que continue firme, poupando, economizando e gastando somente o necessário! Lembre-se de manter seus sonhos e objetivos na ordem do seu dia, com a certeza de que temos um Deus que cuida de NÓS! 😉

Fomos citados em Portugal

Meu amigo e jornalista Eduardo Gregori mudou-se para Portugal o ano passado, de mala e cuia. E, como fiel seguidor do nosso “Obrigada, estou apenas olhando”, ele até já foi tema de um de nossos posts sobre as suas descobertas além mar…

No post “Aprendizado que vem do outro lado do Atlântico“, Eduardo me contou de como o blog o ajudou a desapegar de suas coisas antes da mudança e o quanto ele aprendeu com isso, valorizando o que realmente importa…

E agora ele retribui (não que precisasse retribuir) falando do nosso blog em seu programa “Eu Por aí” para seus seguidores portugueses e brasileiros também, porquê não? No programa, ele lembra das nossas dicas sobre comprar ou não um carro e sobre tudo que vem aprendendo nesta experiência em terras lusitanas.

Eduardo Gregori é meu amigo desde a época de faculdade. Estudamos jornalismo juntos. De lá para cá, um vem seguindo o outro e acompanhando seus progressos e sucessos, suas alegrias e vitórias e, mesmo à distância, chorando junto nos momentos tristes…

Fica aqui a gratidão pela nossa amizade e respeito mútuos. Se quiser ouvir o programa e passar a acompanhá-lo pelas redes, fiquem à vontade. Seus programas são divertidos e falam sobre Viagem e Turismo de Portugal e do Brasil. Aproveitem.

Que Deus nos permita viver e experimentar novas experiências, trocar gentilezas e fazer novos amigos. Beijos, Edu! 😉

 

Foi Deus que me fez puxar conversa com você!

A coisa mais difícil de nosso relacionamento com bancos é desabilitar algum serviço que eles tenham “gentilmente” nos oferecido. Com o “Obrigada, estou apenas olhando”, foi uma novela cancelar o título de capitalização, tá lembrado?

Ah, aproveitando se você tem um, melhor cancelar também: você está perdendo dinheiro. Mas, para entender melhor, clica aqui e descobre o motivo!

Voltando ao título deste post, essa semana fui ao banco e enquanto aguardava ser atendida por um dos gerentes, uma moça, senta-se ao meu lado e logo puxa conversa, reclamando justamente da relação com o banco.

“Aumentaram o limite do meu cheque especial e preciso cancelar”. Fiquei feliz por ela naquele momento, mostrava maturidade na atitude, mas depois fiquei preocupada com a próxima revelação: “Já estou usando esse novo limite, parcelei a fatura do cartão de crédito e estou com o nome ‘sujo’ por ficar devendo para outro banco”.

Aí pensei sobre a irresponsabilidade do banco em dar um cartão de crédito para uma pessoa que já estava negativada.

Tentei explicar – com todo o cuidado do mundo – que ela tinha que se controlar e gastar dentro do seu orçamento. Mas quando perguntei se ela sabia quanto gastava, a resposta foi negativa. “Mas meu marido sempre diz que compro muito”, revelou, envergonhada.

Se as pessoas estão percebendo, então deve ser verdade. Expliquei da importância de fazer um planejamento, de monitorar e controlar os gastos e, de repente, ela vira pra mim e diz: “você deveria dar aulas sobre isso!”

Foi o melhor elogio que poderia ter recebido. Contei pra ela sobre o meu desafio, sobre o “Obrigada, estou apenas olhando” e ela comentou: “Foi Deus que me fez puxar conversa com você”, sim, querida, foi mesmo!

Quando saí do banco, ela ainda conversava com o gerente e espero, do fundo do coração, que ela tenha conseguido resolver a sua situação. Orientei como ela deveria conversar com o gerente e tomara que tenha dado certo.

Pessoal, cuidado com o banco e os produtos que eles oferecem. E, lembre-se, o gerente é do banco e não seu! Ele sempre vai trabalhar para o que for melhor para o banco, fique atento e faça valer seus direitos.

Que Deus continue NOS orientando e inspirando a falar com as pessoas certas nos momentos cruciais da nossa vida e que possamos estar atentos para orientar, ouvir sem julgar e ajudar todos que precisarem! Seja feliz! 😉

Primeira compra (para pagar em novembro)

Não, gente, não parcelei no cartão de crédito, não! Fiquem tranquilas, mas fiz minha primeira compra! Aconselhada, elaborei uma lista das peças que preciso comprar por conta do desgaste de tempo e uso. E só vou comprar isso! Lingerie estava no topo! Comprei 6 novas calcinhas: dois pacotinhos de 3 calcinhas cada heheh

Como comprei da minha amiga (que pega em consignação na loja de lingerie), posso pagar até novembro. Ou seja, dá pra guardar R$ 35,00 este mês e R$ 35,00 em outubro e pagar os R$ 70,00 em novembro…  Estava precisando de calcinhas. Ela não tinha sutiã, quer dizer, tinha, mas fazia conjunto com um modelo de calcinha que não gosto muito, então… Não comprei!

Agora, preciso de pelo menos dois sutiãs bege (chocolate, avelã ou similares). Porquê 2? Porque enquanto lava um, veste o outro hehehe Estou pesquisando os preços. Por enquanto, a Riachuelo está ganhando nos valores! Marisa e Renner: muito caro! Tô fora!

Bege não é sexy?

Nós, mulheres, sabemos que a lingerie bege não é nada sexy. Mas é preciso que os homens entendam que a calcinha bege é um item indispensável no guarda-roupa feminino, assim como um par de meias pretas no guarda-roupa masculino.

Vale lembrar também que a gente não quer estar sexy 100% do tempo e quando o assunto é lingerie, conforto vem sempre em primeiro lugar! E, vocês homens, têm que entender que o conforto, muitas vezes, só vem na cor bege heheheh

Mas para convencê-los de uma vez por todas, o principal motivo das calcinhas beges serem dessa cor e de nós as incluirmos na gaveta de lingerie é porque o bege (ou chocolate, ou avelã, como as marcas chamam o tom que pode ser um pouco mais escuro) são os tons que não aparecem e nem marcam sob a roupa clara ou até mesmo escura. Então são usadas sob vestidos e blusas de tecidos finos ou claros.

Que Deus me ajude a não perder o controle nas compras! Que Ele continue NOS abençoando, protegendo, guardando TODOS os dias em TODOS os momentos. Seja feliz! 😉

 

A foto é de uma loja de lingerie… Quem dera ter um armário de lingerie desse jeito (arrumadinho) hehehe

Compartilhe comida, roupas, orações…

Dia 364/365:

As lições que aprendemos com nossos pais e avós são para a vida, mesmo! Nossos queridos sabiam mesmo das coisas… E de vez em quando precisamos nos lembrar destes ensinamentos… E o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai ajudar nisso hoje…

Lembra quando íamos almoçar na casa dos avós no domingo e sempre levávamos uma marmitinha de comida? Pois é… isso é fantástico, faz a gente economizar e compartilhar. Compartilhar é o segredo desta lembrança. O ato de compartilhar demonstra carinho, atenção e preocupação de um lado, e de outro, o reconhecimento por aquilo que aquela pessoa fez… No meu caso, lembro que minha avó sempre fazia bolo e pães e no fim de tarde, quando saímos da escola, eu e minhas amigas passávamos lá pra tomar café, comer bolo… Ela ficava encantada…

Hoje fui almoçar na casa de uma senhora muito especial (ela surgiu na minha vida pouco depois de minha mãe partir e posso dizer que essa amizade e carinho mútuos me faz muito bem)… Levei os limões do meu quintal. Ela adora e sempre pede, dizendo: ‘na feira e no mercado tá muito caro. Tem limão na sua casa?’ hehehe

Voltei pra casa com uma marmitinha de carne com batata. Ela fez porque sabe que eu gosto. E a carne com batata que ela faz fica igualzinha da minha mãe… Aliás, carne com batata é uma receita de mãe mesmo não é?

Compartilhe! O que você tem no quintal? Frutas? Colha e divida com os vizinhos, amigos ou familiares. Vai fazer um bolo? Faça uma receita maior e leve um pedaço para a sua sogra, para os amigos do trabalho… Compartilhe roupas e calçados que estão parados no armário, mas que  estejam em bom estado para que outras pessoas possam usar. Compartilhe orações! Ore pelo seu irmão, pelos seus amigos, pelos seus familiares, pela conversão dos seus vizinhos e amigos… Ore pela prosperidade de todos! Ore por este país…

E que Deus continue abençoando as pessoas que entram em nossas vidas com muita saúde, paz, amor e disposição. Que Ele NOS proteja e NOS abençoe sempre! 😉

 

 

Comemore suas vitórias

Dia 350/365:

Uia, só faltam 15 dias heheheh Quando respondo às pessoas sobre quantos dias faltam para o fim do desafio que me impus com o “Obrigada, estou apenas olhando” elas sempre comentam: “nossa, você está contando”… hehehe

Sim, estamos contando pra mostrar que o tempo está passando e que as coisas acontecem como devem acontecer, com a graça de Deus… Estamos contando pra mostrar que o desafio está sendo superado, dia a dia. Estamos contando para mostrar o caminho que estamos percorrendo para atingir o objetivo.

Estou escrevendo agora e ouvindo o pastor Paulo Oliveira, via internet. E ele diz: “o desespero abre uma nova porta na nossa vida. Mas, tenha a certeza de que com o desafio vem a recompensa”. Perfeito para este texto. Perfeito para este momento que estou vivendo. Perfeito para esta contagem regressiva…

Então, amigos, temos que contar, sim, para mostrar o tamanho da nossa vitória diante das dificuldades, diante dos problemas, diante de doenças, diante das dívidas, diante de empréstimos que não conseguimos honrar os pagamentos, diante do desemprego, diante de uma situação financeira desequilibrada…

Que Deus, NOSSO Pai possa te abençoar sempre em todos os momentos, sejam estes momentos alegres e felizes, ou tristes e preocupantes… Mas com Deus, a NOSSA certeza tem que ser de vitória. E é por isso que a cada vitória, comemore! Você está comemorando com Deus, celebrando com ele a sua confiança. Seja feliz! 😉