Fim do mês: tem dinheiro aí?

Dia 235/365:

Hoje é o último dia do mê e como está a sua conta bancária? Com o ‘Obrigada, estou apenas olhando’, a situação da minha melhorou bastante, espero que NOSSO blog esteja te ajudando também.

É possível esticar o salário e conseguir terminar o mês sem entrar no vermelho ou apelar para o cartão de crédito. Para isso é necessário fazer um bom planejamento financeiro e reeducar sua mente para as compras com o objetivo de não se endividar.

1. Analise detalhadamente todos os seus gastos. Anote tudo aquilo que comprar durante uma semana e depois observe o que foi comprado impulsiva ou desnecessariamente.

2. Registre todos os seus gastos gastos diários, incluindo o cafezinho e a gorjeta.

3. Avalie o que pode ser cortado desses gastos e passe a fazer isso de olho numa poupança para emergências.

4. Defina o seu padrão de vida com realismo, viva dentro do seu padrão, com a sua receita, seja ela individual ou familiar.

5. Separe uma quantia para poupar todos os meses e coloque em uma conta poupança assim que seu salário chegar.

6. Planeje suas compras e evite as por impulso.

7. Deixe o cartão de crédito em casa. Você sabia que a maioria das pessoas não volta para comprar quando tem a oportunidade de pensar melhor?

8. Tenha foco e metas e convoque todos em casa para colaborar.

Depois de parar de reclamar, está na hora de trabalhar para fazer o seu salário esticar e durar mais do que os fatídicos três dias. Se você tem dinheiro na carteira, agradeça. Se não sobrou, agradeça por esta oportunidade de ler este post e perceber o que pode fazer para que dia 31 de maio, você tenha. E com Deus no controle de tudo, chegamos ao fim de mais um mês, com este desafio cada vez mais perto do fim. Obrigada, Senhor, por mais um dia. 😉

Cartão de crédito? Faça como eu, quebre-o!

Dia 214/365:Mais uma pesquisa divulgada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) que deixou o ‘Obrigada, estou apenas olhando” de cabelos em pé. Você não vai acreditar, mas um em cada quatro usuários de cartão de crédito entraram no rotativo em fevereiro.

Gente, não faça isso! Cartão de crédito tem os juros mais altos e pagar apenas o valor mínimo vai fazer com que você perca de vez o controle das coisas. Além dos 24% de consumidores que entraram no rotativo do cartão, 41% estão no vermelho, ou seja, sem conseguir pagar todas as contas. Mas, graças a Deus, a maioria (72%) garantiu que conseguiu pagar o valor integral da fatura.

Quando o assunto é cartão de crédito não tem outra alternativa, senão pagar! Um bom termômetro para saber se você vem gastando demais é sentir como foi este mês: se você se apertou para pagar a fatura, não faça mais compras. Não use o cartão durante todo o mês para que a fatura não aumente e complica ainda mais a sua vida. E, deixando de usar o cartão, a fatura vai diminuindo seu valor mês a mês.

Alerta: ao pagar o valor mínimo do cartão, você fica sujeito a altas taxas de juros que podem chegar a 170% ao ano, mesmo com as novas regras. Pagar valor mínimo é, portanto, suicídio financeiro!

Como sair dessa?

Se você está se vivendo esta situação e sente-se encurralado, não fique pensando que você precisa de mais dinheiro para honrar todas as suas dívidas. O melhor a fazer é parar e analisar suas finanças e pare de usar o cartão de crédito até conseguir se planejar para isso.

Organize-se financeiramente. Pegue todos os boletos e abra-os sobre a mesa. Some todas as receitas da família e olhando para os boletos, some os gastos. Se a conta der negativa, esse é um indicativo que algo precisa ser feito. Salde a dívida do cartão o quanto antes: fazer um empréstimo pessoal  é uma alternativa melhor do que dever para o cartão de crédito, por conta de sua taxa de juros ser beeeem menor.  Se tiver oportunidade, verifique o empréstimo consignado, as taxas são menores ainda.

Mas independente de qualquer coisa, procure se planejar para as próximas compras e faça alguns cortes no orçamento. No início deste desafio, falei sobre despesas e dívidas, clica aí pra ver.

Coloque sua situação financeira em ordem para poder dormir bem à noite, curtir a família, os amigos e trabalhar em paz, sem preocupação. E que Deus continue NOS abençoando e NOS orientando em todos os momentos. Que Ele encontre uma maneira de NOS alertar sobre os erros que cometemos. Abra-se pra ouvir a voz de Deus e  você vai sentir os milagres acontecendo. 😉

 

Filmes ensinam, mas a gente só aprende quando está preparado

Dia 180/365:

Já perdi a contas de quantas vezes assisti ao filme “Os delírios de consumo de Becky Bloom”. Mas encarava como uma comédia romântica e agora, depois do ‘Obrigada, estou apenas olhando’, pude assistir o filme com outros olhos…

Foi como se uma venda fosse tirada da minha frente… Sempre vi o filme fascinada pela forma como a personagem principal, Rebecca Bloomwood, se veste. E nem me ligava no consumismo… Você já assistiu? Senão, aproveite: faça um balde de pipoca, aprenda e divirta-se.

É uma comédia, mas traz um profundo ensinamento sobre consumismo e sobre os apelos das campanhas de marketing e vitrine atraentes e sedutoras. Becky é vítima deste consumismo e, por não conseguir se conter, ela vê sua vida pessoal, profissional, financeira e psicológica de cabeça para baixo.

Desvio psicológico: ela mente. A personagem é uma graça, divertida, atrapalhada, mas mente  para os credores, descaradamente, inventando a cada cobrança uma desculpa mais absurda e esfarrapada. Mente para os amigos para conseguir dinheiro, ter dívidas perdoadas (a amiga de quem é inquilina). Mente para conseguir comprar algo e até “mata” pessoas da família em suas estórias.

Ela nos mostra a diferença entre querer e precisar. Ela tem um guarda-roupas entulhado de coisas, mas passa o filme comprando roupas e acessórios em todas as oportunidades que aparecem.  E o fato de não saber diferenciar necessidade de desejo é que ela se enrola e provoca todo o descontrole em suas finanças. Se ela conhecesse o Pedro Braggio, ela saberia a diferença entre precisar, querer ou estar surtando.

Ela prioriza os gastos, ao invés de quitar as dívidas. Becky gasta mais do que ganha e prefere gastar (sempre que tem dinheiro na mão ou um cartão de crédito aceito) do que pagar suas dívidas. Não controla suas faturas e vai, ao longo do filme, acumulando dívidas. Ela tem vários cartões de crédito: uma carteira cheia deles e vai usando desenfreadamente. Se você nos acompanha, já sabe que o cartão de crédito é um dinheiro que não é seu! Faça suas compras à vista!

Ela consegue se livrar das dívidas. A dívida de Becky é gigante: 16 mil dólares. Depois de perder o emprego, ela fica num mato sem cachorro e, com a ajuda da amiga, ela assiste vídeo-aulas sobre educação financeira, entra num grupo de compradores compulsivos anônimos, mas nada dá certo. E, depois de perder o amor e a amiga, por conta de suas mentiras para sustentar o vício de comprar, Becky tem a ideia de fazer um leilão com suas roupas para conseguir quitar suas dívidas. E o que ela nos ensina com isso? Que mesmo que a sua situação for a pior possível, você consegue sair dela, com determinação e foco. Ela aprende que o importante é ser e não ter. Consegue se reconciliar com a família e o namorado, mas, o melhor de tudo, é que ela passa a investir nela mesma, volta a estudar e vai aprender um novo idioma…

Ela deu a volta por cima. E se teve seu final feliz, nós também podemos. Acredito em mim, assim como acredito em você que está lendo este texto agora. Vamos conseguir, aliás, estamos conseguindo. A cada dia, mais próximo do fim deste desafio, as dificuldades vão se amenizando, não é?

É a certeza de que Deus cuida de NÓS, abençoando, olhando, protegendo, livrando e, acima de tudo, NOS inspirando para aproveitar todas as oportunidades com saúde e sabedoria. 😉

Foto: reprodução/divulgação

Cartão de crédito: não cometa este erro!

Dia 153/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ teve acesso a nova pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) que revelou que três em cada dez usuários de cartão de crédito não pagaram o valor integral da fatura em dezembro.

Ah… A gente sabe que este é um dos piores equívocos que as pessoas podem cometer, não é? Quando você não paga o valor integral da fatura, a sua dívida vira uma bola de neve e cada vez será mais difícil sair dela.

O cartão de crédito pode ser um aliado poderoso. Mas, se não for bem utilizado, esse poder pode se virar contra nós! Atualmente, ele está no topo da lista dos desequilíbrios financeiros. A pesquisa do SPC apurou também que 15% entrou no crédito rotativo. Por outro lado, (não sei porque o SPC insiste em olhar a notícia pelo ângulo negativo) é que 68% dos entrevistados pagaram a fatura cheia. Isso sim é uma boa notícia!

A partir do momento em que você paga a fatura mínima do cartão, você fica sujeito aos juros cobrados pelo banco que podem chegar a 335% ao ano, em média, de acordo com informações do Banco Central. Preciso lembrar também que, pelas novas regras do cartão, o consumidor pode ficar, no máximo, um mês no rotativo. Depois disso, o saldo é parcelado a uma taxa de juros menor, mas que, mesmo assim, continua alta.

A gente sabe que dezembro é um mês complicado: festas de fim de ano, presentes, viagens, comemorações… Se por um lado, todo esse movimento aquece as vendas, por outro lado, envolve aqueles que não sabem usar o cartão de crédito ao seu favor, em dívidas  e mais dívidas.

Quem sabe agora, com todos esses aprendizados, nunca mais façamos parte de uma estatística dessas. Nunca paguei o mínimo de fatura alguma (seja cartão de banco ou de loja), graças a Deus, sempre consegui honrar minhas despesas. A gente faz a compra, tem que honrar, não é mesmo! Tem que assumir! hehehe

E que possamos continuar aprendendo a cada dia, a cada nova informação, a cada nova descoberta. Que todos os ensinamentos sejam incorporados ao NOSSO novo estilo de vida, com a graça de Deus! Que Ele NOS abençoe  NOS proteja sempre, em todos os momentos… 😉

Fuja dos cartões das lojas

Dia 74/365:

Lembra quando fui entrevistada pela TV Educativa de Jundiaí e o repórter quebrou o meu cartão? Melhor coisa que ele poderia ter feito para a minha saúde financeira! Doeu, fiquei com dó do bichinho, mas foi melhor assim… heheh

Na semana passada, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgou um estudo realizado em todas as capitais que mostrar que os cartões de loja e os empréstimos são os principais causadores da inadimplência dos brasileiros. A gente já falou de empréstimos e do perigo de endividar os seus avós né (não faça isso!), mas a história dos cartões de loja me chamou a atenção…

Eu tinha dois cartões de loja e um de crédito. Até o repórter brincou comigo achando que eu tinha uns 15 cartões e estava perdida na vida. Perdida eu estava, mas agora me encontrei heheh Graças a Deus! Agora, só tenho um cartão de loja, cuja última fatura pago em janeiro e depois disso, vou quebrar também. É que não dá pra pagar a fatura sem o bendito cartão. A loja do cartão quebrado me permite pagar no banco a fatura, ainda bem né? E bem melhor assim, pois, evito a tentação… hehe

Mas os números do SPC assustam: em cada dez inadimplentes que possuem cartões de loja, oito (80%) se encontram em atraso com as faturas. 😮 Do ano passado pra cá, esse percentual era menor: em 2016 esses números estavam em 73%. Atrasar a gente sempre atrasa os pagamentos, mas nunca deixei uma fatura sem pagar. E apesar disso, sei bem porque a gente se enrola com os cartões das lojas:

1º) A gente pensa que não é cartão de crédito. Fala a verdade. No curso de Reeducação Financeira, quando o Pedro Braggio perguntou quantos cartões de crédito os alunos tinham, eu respondi toda orgulhosa “apenas 1”. Ledo engano. Eu tinha três, pois, dois eram de lojas. E eu nem considerava esses cartões como de crédito.

2º) Quando a gente entra na loja e vê uma blusa por R$ 89,90 pode achar até caro. Mas se na arara estiver escrito 5 x R$ 17,98, a gente já acha que é possível pagar e até esquece o valor total e lá vai passar no cartão da loja. Não é assim?

Ah, gente, entendo tanto esta situação, pois eu padecia deste mal. Outro vilão divulgado pelo SPC Brasil é o Cartão de Crédito, 65% dos entrevistados ou deixam de pagar a fatura ou entram no rotativo. Não faça isso também. Não pague o mínimo da fatura, pois você rola a dívida como uma bola de neve que nunca terá fim… Cuidado.

Depois que quitar as faturas que tenho a vencer dos cartões das lojas, vou até lá para cancelá-los. Já fui verificar e as duas lojas que tenho cartão aceitam o cartão de crédito do banco, apenas autorizam um parcelamento menor. Ao invés de 5 (sem juros) ou 8 (com juros), no cartão de crédito do banco, podemos parcelar em até três. O que vai aumentar o valor de cada parcela e ajudar a rever a compra hehehe

Tá vendo, gente, o universo conspira para que a gente não gaste, ou no mínimo, compre com mais consciência. Tá doendo, tá! Mas vai valer a pena. Está valendo, na verdade, só ver o meu colchão financeiro sendo recheado, já fico feliz!  E que Deus continue NOS inspirando e NOS orientando sobre os nossos direitos, mas, principalmente, NOS lembrando dos nossos deveres. 😉