Consumo consciente: 55% dos entrevistados vão esperar as coisas piorarem

E no Dia do Consumo Consciente, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ teve acesso a uma nova pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) que revelou (pasmem!) que APENAS 31% dos brasileiros são consumidores conscientes.

O Dia do Consumo Consciente foi instituído pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em 2009, para despertar a consciência do público para os problemas sociais, econômicos, ambientais e políticos causados pelos padrões de produção e consumo excessivos.

Embora 98% dos cidadãos considerarem importante adotar melhores hábitos de consumo, pouca gente está a fim de fazer algo de relevante no seu dia a dia. A pesquisa foi realizada em todas as capitais do país. E, para amenizar a própria situação, a maioria dos brasileiros (55%) se considera um ‘consumidor em transição’.

Oi? Como é que é? Consumidor em transição? É aquela pessoa que sabe o que precisa fazer mas não faz? heheh De acordo com o estudo, as pessoas enxergam o consumo consciente como um fator que pode fazer diferença na qualidade de vida, essa preocupação nem sempre se traduz em ações concretas.

De acordo com a economista chefe do SPC Brasil, Marcela Kawaut, o consumo consciente deve ser uma prática contínua. “Muita gente entende a importância de transformar boas intenções em bons hábitos, mas só toma alguma atitude quando a conta fica cara. E não basta ter um esforço de conscientização apenas em situações críticas. Essa prática deve ser contínua, além de estar claro que a escassez de recursos é uma realidade bem próxima”, reforça.

Não espere as coisas ficarem piores para agir. Não faça como mais da metade dos entrevistados (55%) que pensa em praticar o consumo consciente somente daqui a alguns anos, quando os problemas mais graves atingirem o meio ambiente. É assustador ler uma coisa dessas num resultado de pesquisa, não é pessoal?

O que posso fazer?

  • Pesquise preços e produtos similares e compre à vista: comprando à vista, você vai se controlar com a quantidade, por exemplo;
  • Planeje as compras em feiras e supermercados de acordo com o cardápio da semana: assim você evita o desperdício com alimentos que acabam se estragando;
  • Evite recorrer ao cheque especial ou ao limite do cartão de crédito para conseguir fechar as contas do mês: o ideal é planejar as suas despesas de acordo com a sua receita;
  • Ao invés de comprar, busque a reutilização, a troca, o aluguel, o conserto ou meios que não envolvam, exclusivamente, a decisão de jogar fora e comprar um novo bem;

Dentro de casa:

  • Consumo racional da água: banhos mais rápidos, utilizar a água da máquina para lavar o quintal, torneiras fechadas para lavar a louça ou escovar os dentes, por exemplo;
  • Não lave quintal ou calçada com a mangueira;
  • Apague as luzes dos cômodos vazios, junte uma quantidade de roupas para passar tudo de uma vez;

Se quiser saber como está a sua percepção sobre o assunto, clique aqui e acesse um teste do SPC Brasil.

Precisamos ter a consciência de que estamos por aqui de passagem. E, por conta disso, devemos fazer o nosso melhor, para garantir condições de vida para as próximas gerações. Que Deus NOS oriente, inspire e coloque oportunidades no nosso dia a dia para fazermos o que é certo! Seja consciente! Seja feliz! 😉

 

 

Não se endivide para presentear seu pai

Dia 330/365:

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) acaba de divulgar que aproximadamente 93 milhões de brasileiros devem ir às compras para o Dia dos Pais. E os líderes na preferência dos entrevistados para a compra do presente são shopping centers e lojas online. E o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ precisa te alertar sobre a possibilidade de se endividar com o presente.

Você sabia que 20% das pessoas que tiveram o CPF negativado no ano passado se enrolou com o pagamento das compras do Dia dos Pais? Pois é! Depois disso, não precisa falar mais nada né? Mas, mesmo assim, aí vão algumas dicas para você não entrar nesta estatística este ano:

– Se você precisar emprestar dinheiro da sua mãe para comprar presente pro seu pai: NÃO compre;

– Se você vai parcelar no cartão de crédito (sem planejamento e em mais de 3 vezes): NÃO compre;

– Se for comprar pela internet, aproveite os aplicativos que devolvem uma porcentagem do valor do produto, diretamente na sua conta (a gente já falou deles em janeiro);

– Se for comprar num shopping, aproveite os programas de fidelidade, registre suas compras e concorra a prêmios;

As tradicionais datas comemorativas (Dia dos Pais, Dia das Mães, Natal, Dia das Crianças, Dia dos Namorados) carregam um forte apelo emocional e muitas vezes até se descolam do ambiente de crise, que segue, impactando o orçamento das famílias. Tanto é que, apesar de tudo que já vemos, diariamente nos noticiários sobre a situação econômica do país e das famílias, as últimas três datas comemorativas deste ano, o varejo apresentou crescimento nas vendas.

Isso é preocupante, pois as pessoas não estão levando em consideração a possibilidade de se endividar pelos presentes. E acredito que não é isso que o seu pai quer. De todos os entrevistados, apenas 28% dos consumidores não devem presentear no domingo, dia 12 e, a principal justificativa é o falecimento do pai (70%). Vocês conhecem minha história e sabem do abandono do meu pai, quando eu ainda era criança. De lá para cá, quem recebeu todas as minhas homenagens e gratidão neste dia foi a minha mãezinha, que foi uma ‘pãe’ pra mim (pãe= pai + mãe).

Se você for comprar o presente do seu pai ou da sua pãe, fique atento. Compre à vista e, preferencialmente, em dinheiro, o que lhe dá a oportunidade de pedir desconto. De acordo com o SPC Brasil, 25% dos entrevistados anunciou que vai parcelar o pagamento do presente e pior, a compra será dividida em até 4 vezes, ou seja, a pessoa vai agradar o pai e vai ficar endividada até o Natal, quando chega nova época de compras.

E nessa fazer uma reserva para os presentes de Natal acaba ficando comprometida por conta das contas do cartão de crédito. Vale a pena repensar a compra de um presente e ter uma ideia criativa e divertida para homenageá-lo no Dia dos Pais. Ao longo da semana, vamos falar mais sobre isso e vou pesquisar algumas formas de presenteá-lo sem gastar muito! Combinado?

Um ótimo presente é uma oração. Ore por ele! Peça a Deus proteção, sabedoria e prosperidade para o seu pai, para a sua família! A oração dos filhos para os pais tem muito poder! Que Deus NOS abençoe e proteja todos os pais e pães pelo mundo afora. 😉

 

Na hora de trocar o seu carro, fuja do financiamento

Dia 253/365:

Juros zero, IPVA pago, valorização do usado… São tantas as promessas que fica difícil decidir não? Hoje vi uma propaganda sobre um carro que estou paquerando hehehe e fiquei tentada a conhecer de perto tudo que a concessionária estava oferecendo. Mas, com o ‘Obrigada, estou apenas olhando’, aprendi a olhar uma segunda, terceira e até quarta vez, se for necessário.

Se você está pensando em comprar um carro ou trocar o seu, precisa levar em consideração alguns itens que, depois da conversa na concessionária, fiquei matutando e gostaria de dividir com vocês.

Vale a pena financiar? 

Cheguei a esta conclusão que não! Depois de fazer as contas com a simulação que o vendedor me fez: o valor do carro é R$ 36 mil (completo e com mais 4 revisões incluídas). Fizemos uma simulação com R$ 15 mil de entrada e o restante financiado em 36 meses. A promessa de juros zero, esquece, é balela! Com juros de 1,39% ao mês, os R$ 21 mil que seriam financiados, ao final dos três anos, se transformariam em R$ 27 mil.

No final das contas, os R$ 27 mil financiados + os R$ 15 mil de entrada, o carro que custava R$ 36 mil, subiu para R$ 42 mil. Assim, concluímos que financiar não é um bom negócio. O ideal é guardar o dinheiro (como fiz entre os anos de 2013 e 2015) e comprar à vista.  Se os juros fossem zero, as parcelas de R$ 750,00 cairiam para R$ 583,00. Uma diferença considerável.

Economizando, poupando e investindo, você conseguirá um bom desconto ainda na hora de comprar à vista. Mas se não puder esperar para comprar o carro, procure com o seu banco e entre as concessionárias aquela que oferece as menores taxas de juros. Fique atento também ao valor final do financiamento, com esta conta que fiz agora (de R$ 36 para 42 mil) e não na parcela que cabe no seu bolso.

Novo ou usado?

Usado, sem dúvida! A satisfação do carro zero dura pouco. Confesso que fiquei encantada em entrar no carro, arrumar a altura do banco, dos espelhos, sentir o volante (o carro vem com rádio! O meu não tem heheh). Mas você sabia que ao sair dirigindo seu carro da concessionária, ele já se desvalorizou cerca de 20%?

Eu preciso mesmo?

Reflita sobre os motivos que te levam a querer um carro novo e se você precisa mesmo se endividar para tê-lo. Carro, gente, não é investimento! É um bem que se desvaloriza rapidamente e que ainda vai lhe trazer gastos como combustível, revisões, manutenção, seguro e até estacionamento.

Escolha bem o modelo

Não leve em consideração apenas a beleza ou o conforto do carro. Mais uma confissão a fazer: estava namorando o carro novo pela beleza e modernidade, pois o meu oferece tudo que este tem (menos o rádio hehehe). Considere também todas as despesas que ele vai lhe trazer: valor do seguro, manutenção e a desvalorização do modelo. Vale lembrar uma coisa que aprendi hoje que modelos mais luxuosos desvalorizam mais e são mais difíceis de vender. O vendedor me confidenciou que o meu carro é muito procurado (pela baixa manutenção e economia).

Pelo jeito, você já sabe qual a minha decisão né? Vou comprar um rádio para o meu carro e ficar com ele mais um pouco ehhehehe Continuar poupando e comprar à vista como fiz em 2015.  Depois de tantas informações na concessionária, cheguei em casa, fiz as contas e decidi que não vou comprar mesmo. Vou esperar. 

Deus sabe de todas as coisas. E acredito que foi Ele que me orientou a fazer todas essas contas para me mostrar que não vale a pena. Este post foi inspirado por ele também. Para que eu pudesse alertar vocês a não cometerem o erro que eu QUASE cometi. Que Deus continue NOS orientando e NOS protegendo, NOS inspirando e NOS mostrando os melhores caminhos, abrindo NOSSOS olhos e a NOSSA mente para entendermos sempre, o que é melhor! Obrigada, Senhor 😉

 

Antes de comprar, responda estas três perguntas

Dia 86/365:

Hoje me questionaram: ‘Como está a vida sem compras? Fácil? Difícil?’ Não e sim! Não está fácil e sim, está sendo difícil. Mas temos que aprender a dominar as nossas vontades e o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ quer te ensinar como. Responder apenas três perguntas pode te  ajudar a controlar o seu desejo de comprar.

Recebo este tipo de pergunta quase todos os dias, na sexta-feira, uma jornalista paulistana me questionou como estou conseguindo e emendou: “eu nunca conseguiria”. É uma questão de escolha e prioridades. Talvez ela não precise fazer este tipo de escolha, mas já vou adiantando: parar de comprar não é só uma questão de economizar dinheiro. Vai além. Estamos falando sobre consumo consciente, ou seja, é um conceito bem  mais amplo.

Mas quando você está nas ruas ou  nos shoppings e ao passar em frente a uma loja, a vitrine te chama a atenção e você entra: este tipo de compra é caracterizada pelo impulso. Você não precisava, mas mesmo assim comprou, sugestionado pelo apelo.

E se ideia é começar a trabalhar o domínio da vontade, antes de entrar na loja, pare: pense, avalie e responda três perguntas básicas. Dessa forma, acredito que suas compras poderão ser reduzidas pela metade. Para o professor de Economia da Puc-Campinas, Roberto Brito, essas três perguntas vão te ajudar a lidar com as armadilhas que, diariamente, incentivam o consumo.

1- Eu realmente preciso comprar isso? Quando se fizer esta pergunta, tente se lembrar de quantas blusas, casacos, calças, sapatos, bolsas você já tem. Não use desculpas como ‘ah, desta cor eu não tenho’ heheh (Já fiz muito isso).

2- Preciso comprar agora? Pode ser que ao se decidir pela compra, sem ter dinheiro, você opte pelo parcelamento no cartão de crédito. Se for este o caso, não compre neste momento. Prefira guardar um pouquinho por mês e comprar à vista daqui um tempo. Você pode até pedir desconto.

3 – Eu tenho condições de comprar isso? Sempre que a gente escolhe fazer uma compra a prazo, crediário ou cartão de crédito (acho que nem existe mais a modalidade crediário né?). Mas enfim, sempre que optar pelo parcelamento, você tem que pensar em todas as despesas que você já tem nos meses subsequentes. Assim, você não corre o risco de ficar sem condições de honrar MAIS UMA dívida.

Prepare-se psicologicamente para sair às ruas. Pode parecer uma piada, mas saber lidar emocionalmente com esse tipo de situação é essencial. Se você ainda não se sente forte o bastante para resistir, deixe o cartão de crédito em casa. Saia apenas com o de débito, pois, assim se você não tiver dinheiro na sua conta, não correrá o risco de passar o outro cartão.

Você já conhece todas as artimanhas das lojas que te influenciam para a compra. Seja mais forte que tudo isso. Fuja dos vendedores insistentes e bem treinados. Aprenda a dominar a sua vontade e viva tranquilo e sem dívidas. E daqui, sigo, (quase) tranquilamente, pedindo a Deus que continue NOS orientando e NOS inspirando em todas as nossas escolhas. 😉

Compre sempre à vista!

Dia 60/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ segue em êxtase. Continuo encantada e agradecida com a repercussão das entrevistas que concedi para três veículos de comunicação de Jundiaí (TV Educativa, Siga Jundiaí e Rádio Cidade). Mas chega de falar de mim, vamos falar sobre as nossas economias, as nossas finanças e tudo que continuo aprendendo com a reeducação financeira e que tenho o maior prazer em dividir com vocês.

O título deste post já dá a dica sobre o que vamos falar. Com a aproximação das promoções da Black Friday, ou no bom português, Sexta-feira Negra, os meus esforços em orientação precisam ser redobrados hehehe Não ceda à tentação! Cuidado com as compras a prazo e as infinitas 10, 12 parcelas no cartão de crédito.

Mas antes de falarmos dela, deixa eu explicar a origem deste termo, que foi criado nos Estados Unidos para impulsionar as vendas anuais que acontecem na sexta-feira, após o feriado de Ação de Graças. Este feriado é comemorado na quarta quinta-feira do mês de novembro.  A ideia já foi adotada em outros países como Canadá, Austrália, Reino Unido, Portugal, Paraguai e Brasil. Este ano, a Black Friday será dia 24 de novembro.

E as lojas já começaram o bombardeio de promoções. E do lado de cá, eu alerto novamente: calma, não ceda à tentação! Mas, se para você é impossível não participar, pois, você já planejou, separou a grana e já está pesquisando sobre os seus sonhos de consumo, vá em frente. Sem medo de ser feliz. Apenas insisto para ter cuidado com os parcelamentos. Compre à vista ou no máximo jogue para o vencimento do cartão, ou seja, em apenas uma vez. Lembre-se, estamos no fim do ano e tenho certeza de que você não vai querer entrar com dívidas em 2018, já com as anuais IPTU, IPVA e material escolar  acenando pra você, não é?

O primeiro mandamento do consumidor consciente deveria ser: ‘Não comprarás a prazo!” Sim, meus amigos, não devemos parcelar nossas compras. Endividamento pessoal, crediários sem fim e as compras a prazo acabam com a nossa condição: minam relacionamentos, destroem casamentos e você ainda corre o risco de viver para trabalhar e pagar contas.

Já escrevi aqui que 75% da população brasileira está endividada. Somos, por natureza um povo que vive pendurado, na corda bamba: gastamos mais do que ganhamos, poupamos pouco, investimentos menos ainda. Com essa inversão de valores, trabalhar – que deveria ser um prazer, pois, você está fazendo aquilo que gosta –  se torna um fardo.

Além de todos os juros que você paga e que estão embutidos nos valores dos produtos, existe também a atitude de alguns comerciantes inescrupulosos que se aproveitam da boa fé do povo. Portanto, se você já decidiu que vai comprar no dia 24 de novembro, comece a pesquisar os produtos agora. Vá acompanhando a evolução dos preços, principalmente, se você for comprar numa loja física. Se a compra for pela internet, redobre os cuidados. Faça prints das telas, caso precise usar como prova.

Muitas lojas aumentam os preços dos produtos antes da Black Friday e, quando chega o grande dia, baixam o valor, que acaba voltando para o preço anterior. Entendeu a sacanagem? Pois é, eu já vi isso acontecer em uma loja de calçados, como não poderia deixar de ser né heheh Não seja enganado. Não pague juros. Programe-se para o próximo ano: poupe de maio a outubro, por exemplo, e compre à vista em novembro.

Outro risco das compras a prazo é o sentimento de superioridade que ela provoca, fazendo com que você imagine que tem um enorme poder de compra e aí você corre o risco de perder as rédeas da sua vida financeira. Então, para sua felicidade e de sua família, incorpore um 11º mandamento à sua vida: “Não comprarás a prazo”. hehehe

Ainda bem que nunca fui de esperar estas promoções. Nunca me liguei nisso, então, uma preocupação a menos para mim nestes 365 dias sem compras. Espero que você consiga se segurar ou comprar parcelado o menos possível.

Se você não quer quebrar o cartão de crédito como o repórter fez comigo naquela entrevista, esconda ele! Tire da carteira, ande somente com o de débito… Não tenha medo de tomar atitudes que podem mudar sua vida e tenho certeza de que Deus vai continuar NOS ajudando a resistir às tentações e nos inspirando, a cada dia, a sermos mais persistentes e determinados em nossas decisões. Seja feliz com as suas.: por você, pela sua família! 😉