Consumo consciente: 55% dos entrevistados vão esperar as coisas piorarem

E no Dia do Consumo Consciente, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ teve acesso a uma nova pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) que revelou (pasmem!) que APENAS 31% dos brasileiros são consumidores conscientes.

O Dia do Consumo Consciente foi instituído pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em 2009, para despertar a consciência do público para os problemas sociais, econômicos, ambientais e políticos causados pelos padrões de produção e consumo excessivos.

Embora 98% dos cidadãos considerarem importante adotar melhores hábitos de consumo, pouca gente está a fim de fazer algo de relevante no seu dia a dia. A pesquisa foi realizada em todas as capitais do país. E, para amenizar a própria situação, a maioria dos brasileiros (55%) se considera um ‘consumidor em transição’.

Oi? Como é que é? Consumidor em transição? É aquela pessoa que sabe o que precisa fazer mas não faz? heheh De acordo com o estudo, as pessoas enxergam o consumo consciente como um fator que pode fazer diferença na qualidade de vida, essa preocupação nem sempre se traduz em ações concretas.

De acordo com a economista chefe do SPC Brasil, Marcela Kawaut, o consumo consciente deve ser uma prática contínua. “Muita gente entende a importância de transformar boas intenções em bons hábitos, mas só toma alguma atitude quando a conta fica cara. E não basta ter um esforço de conscientização apenas em situações críticas. Essa prática deve ser contínua, além de estar claro que a escassez de recursos é uma realidade bem próxima”, reforça.

Não espere as coisas ficarem piores para agir. Não faça como mais da metade dos entrevistados (55%) que pensa em praticar o consumo consciente somente daqui a alguns anos, quando os problemas mais graves atingirem o meio ambiente. É assustador ler uma coisa dessas num resultado de pesquisa, não é pessoal?

O que posso fazer?

  • Pesquise preços e produtos similares e compre à vista: comprando à vista, você vai se controlar com a quantidade, por exemplo;
  • Planeje as compras em feiras e supermercados de acordo com o cardápio da semana: assim você evita o desperdício com alimentos que acabam se estragando;
  • Evite recorrer ao cheque especial ou ao limite do cartão de crédito para conseguir fechar as contas do mês: o ideal é planejar as suas despesas de acordo com a sua receita;
  • Ao invés de comprar, busque a reutilização, a troca, o aluguel, o conserto ou meios que não envolvam, exclusivamente, a decisão de jogar fora e comprar um novo bem;

Dentro de casa:

  • Consumo racional da água: banhos mais rápidos, utilizar a água da máquina para lavar o quintal, torneiras fechadas para lavar a louça ou escovar os dentes, por exemplo;
  • Não lave quintal ou calçada com a mangueira;
  • Apague as luzes dos cômodos vazios, junte uma quantidade de roupas para passar tudo de uma vez;

Se quiser saber como está a sua percepção sobre o assunto, clique aqui e acesse um teste do SPC Brasil.

Precisamos ter a consciência de que estamos por aqui de passagem. E, por conta disso, devemos fazer o nosso melhor, para garantir condições de vida para as próximas gerações. Que Deus NOS oriente, inspire e coloque oportunidades no nosso dia a dia para fazermos o que é certo! Seja consciente! Seja feliz! 😉

 

 

Faltam 300 longos dias…

Dia 65/365:

Faltam apenas 300 dias, ou seja, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’  já superou mais de 2 meses. E, neste tempo, as idas ao shopping para almoçar diminuíram drasticamente: para evitar a tentação e, consequentemente, o sofrimento.

E, apesar desta abstinência, estou feliz! Feliz por inspirar mais pessoas sobre o consumo consciente. Feliz por conseguir divulgar este desafio. E, até tenho uma ótima notícia: na próxima semana, estarei em Campinas, com estudantes de jornalismo, pra falar sobre este propósito…

Daqui para a frente são 300 longos dias… Longos, porque, não estão sendo fáceis. Não posso mentir pra vocês. Não posso fazer média e dizer que estou bem e tirando de letra: não está sendo fácil! Nossa relação deve ser de transparência e dolorosa sinceridade.

Sinceridade sem medo de ser julgada. Sim. E sabe por quê? Por que estou firme com minha decisão, convicta deste desafio e consciente da minha responsabilidade de falar a verdade. De orientar, dar bronca, aconselhar e ser sincera…

E tá difícil, por que são mais de dois meses renegando o que eu fazia de mais divertido: comprar! 65 dias é um tempo razoável se comparado com outras situações. Imagina, com dois meses, um bebê já começa a sorrir para as pessoas. Olha só que tempo significativo! Incrível!

Esta comparação do bebê sorrindo com a minha situação fica até engraçada quando me lembro que eu saía das lojas com o sorriso aberto, balançando a cabeça, feliz da vida. Hoje, 65 dias depois, eu continuo sorrindo… Mas tá quase de nervoso… hahaha

Estou direcionando minha atenção ao blog, às pesquisas, aos estudos e ao trabalho. E encontrando diversão em meio a tudo isso. E o Espírito Santo tem me orientado neste sentido. Que DEUS continue NOS inspirando a aproveitar melhor cada oportunidade, cada dia, cada situação.

E, com relação às lojas, eu não entrei mais. Em frente às vitrines, paro, cobiço e passo… 😉