Uma experiência incrível

Hoje vivi uma experiência incrível. E não poderia deixar de dividir com o “Obrigada, estou apenas olhando”.

Venho acalentando o sonho de tocar bateria há algum tempo. Até estou buscando informação sobre aulas, valores e horários.

Mas sempre que vejo um baterista tocando logo imagino “não tenho coordenação motora pra fazer isso”. E sem querer, vinha sabotando a mim mesma.

Nesta tarde, acompanhando uma palestra sobre “Comportamentos e atitudes seguras no ambiente de trabalho” me deparei com a oportunidade de provar pra mim mesma que eu tenho coordenação motora pra tocar bateria!

Crenças limitantes, o palestrante falou! E eu logo me identifiquei. Mas quando ele perguntou quem queria experimentar. Não o deixei nem terminar a sua frase e já fui logo levantando a mão!

Medo de pagar um micão na frente das pessoas, coração acelerado, vergonha, quase infartei ao me sentar na atrás da bateria, de frente para a plateia…

Paciente, Cláudio Maroto, o palestrante, me ensinou o que eu tinha que fazer. A respiração foi acalmando e consegui aproveitar os meus três minutos de show! Foi incrível!

Nunca deixe ninguém e nem você mesma (o) dizer que não pode fazer alguma coisa! Aproveite todas as oportunidades de viver algo incrível! Prefira sempre uma vida extraordinária a uma vida comum.

Viva tudo que há para se viver! Deus espera isso de você: ele nos deu uma vida incrível para a vivermos em plenitude! Honre esse dom maravilhoso e seja feliz! 😉

Cláudio Maroto, obrigada pela oportunidade e por me mostrar que sou capaz!

Como eu era antes de você…

Amo este filme! Me lembro muito da minha mãe e isso não me entristece. Pelo contrário, me deixa em paz… Sempre choro, é claro, mas são lágrimas que lavam a alma e acalmam…

O desafio do “Obrigada, estou apenas olhando” acabou, mas, este talvez seria o título de um livro sobre esta experiência…

Como eu era antes de você… Eu era perdulária, sim! Confesso que sempre que passava no shopping para almoçar ou ir ao banco, saía com uma sacola…

O engraçado é que a sensação boa fica com a gente até chegar em casa… heheheh Depois vem a preocupação sobre como pagar e, algumas vezes, você olha para a sacola e de pergunta: porquê fiz isso?

Estou aqui lembrando de quando fazia isso… Realmente é como se passasse um filme pela minha cabeça. Lembro-me que eu NUNCA experimentava as roupas na loja… Talvez fosse para não mudar de ideia e, consequentemente, desistir da compra…

Eu gostava de comprar, do ato da compra, da sensação… E devo confessar que estou vivendo o “é agora?” E, se você está curiosa (o), fique tranquila (o)! Eu não fui às compras!

E não fui, não tive vontade, mas também tive medo… Medo de me descontrolar e, apesar de estar precisando de lingerie, vou esperar mais um pouco…

Esperar para entender todo esse turbilhão de sensações! E, com a graça de Deus, tudo vai se encaixando…. Como eu era antes de você, desafio? Não sei bem! Mas, agora, sou, divertidamente, uma mulher que para, pensa e consegue tomar a melhor decisão, graças a Deus! Seja feliz! Seja financeiramente, consciente! Sinta-se abençoado! 🙏🏻❤️😉

A foto do post mostra a alegria da personagem Louisa Clark ganhando seu presente de aniversário: as enigmáticas meias listradas! Ah as mulheres e sua paixão por roupas… hehehe

Pare de reclamar

Dia 346/365:

A contagem regressiva que começamos há quase um ano está chegando ao fim e, nesse tempo, com o “Obrigada, estou apenas olhando”, ouvi muita reclamação.

Além das reclamações ouvi muito desdém, piadas e senti o descrédito das pessoas (amigos ou não).

Mas hoje, quando as pessoas ouvem que estou próxima da minha meta de reserva financeira (colchão), ficam impressionadas e começam a entender o porque disso tudo.

Não tinha dívidas, pois pagava em dia as minhas contas. Mas não tinha uma reserva financeira e foi isso que me motivou a ficar um ano sem comprar as bolsas, sapatos e supérfluos que eu adorava comprar semana sim e a outra também heheheh

Mas sabe o que percebi também? As pessoas querem ter uma reserva financeira, mas não querem pagar o preço. As pessoas querem diminuir suas contas, mas não querem parar de comprar….

Aí fica difícil, né, gente? O que você acha? Como vai conseguir parar de reclamar da fatura do cartão, se você não para de comprar?

Os esforços, a dedicação e a perseverança, mesmo quando parece que não vai conseguir, precisam ser mantidos firmes.

O começo não foi fácil, mas agora, perto do fim, parece que a vida inteira fui assim e já estou pensando em continuar por mais um ano… Quem sabe!? Quem vem comigo!? Podemos trocar experiências sobre este período!

Quem sabe Deus não toca o seu coração lendo este post e você não decide me acompanhar! 😉

Chega de dívidas!

Dia 343/365:

Tá acabando. Hoje respondi mais uma vez que faltam 20 e poucos dias para o fim do desafio com o ‘Obrigada, estou apenas olhando’.  As pessoas estão mesmo, mais ansiosas que eu. E a pergunta que vem na sequência é: o que você vai fazer no dia 366??

Nada: esta é a resposta! Nada mesmo! Não vou sair gastando igual louca! Não vou voltar a comprar e fazer dívidas. Neste um ano pude experimentar uma sensação de SEM DÍVIDAS que agora é chega, não quero mais isso.

Hoje fui tirar um extrato e me espantei. Sabe quando você vê  mais dinheiro do que estava imaginando e logo pensa: ‘que conta esqueci de pagar?’ hehehe Já aconteceu isso com você?

Comigo foi hoje. Eu esqueci de fazer um lançamento na minha planilha, então os valores não batiam, por isso o susto. Mas foi até um bom susto: dinheiro a mais na conta.

Mas ele não ficou lá por muito tempo. Saiu e foi pra outra conta, do investimento. Isso é bom, né, gente? Eu espero, do fundo do coração, que você sinta isso também. A tranquilidade e a satisfação em atingir o objetivo é uma coisa fantástica.

Vamos continuar juntos. Faltam poucos dias para o fim do desafio, mas o blog vai continuar, com certeza! Vai continuar até que todo mundo, com a graça de Deus, esteja de bem com suas finanças, poupando, investindo e, acima de tudo, sem dívidas. Chega de dívidas! Que Deus abençoe a NOSSA vida, NOSSA determinação e NOSSOS sonhos! Que Ele permita que todos se realizem! 😉

Uma loja ansiosa

Dia 338/365:

Desde que comecei este desafio com o “Obrigada, estou apenas olhando”, sinto, a cada dia que as pessoas e, principalmente, as lojas estão mais ansiosas que eu com a chegada dos 365 dias.

Hoje, fui ao salão (o Espaço da Beleza, comandado pela Joyce e pela Leticia, faz parte de uma parceria de troca de serviços que vem dando muito certo). Lá tem uma loja de roupas, a Piazzo Modas. A ideia é ótima né? A empreendedora está no lugar certo: salão de beleza está sempre repleto de mulheres e mulheres quando veem roupas….

Mas sempre que a Susiane, dona da Piazzo, me encontra pergunta: – E aí, já acabou o seu jejum? Tenho coisas lindas aqui! E, diante da minha resposta negativa, inconformada, ela questiona: – Não acabou ainda?

Eu dou risada e explico que está acabando. Mas o que as pessoas precisam entender que este desafio é mais que um ano sem compras: é um ano de muito aprendizado!

E como voltar a ser a mesma pessoa depois de tanta coisa na cabeça? Como voltar a ser a mesma pessoa depois de tanto aprendizado? Como voltar a ser a mesma pessoa depois de aprender a dominar minhas vontades e desejos em detrimento de um objetivo maior?

Outra loja que não se conforma com meu um ano sem compras é uma de lingerie: a vendedora me manda mensagem no WhatsApp todo mês, com fotos lindas dos produtos e sempre pergunta: – Já acabou? Pode comprar agora?

Entendo a vontade das lojas em vender e até agradeço a Deus por elas estarem me questionando, me procurando e me “tentando”: isso me ajuda a lembrar dos meus objetivos e me mantém longe do perigo e firme no propósito! Obrigada, Senhor! 😉

A foto da ampulheta ilustra bem a ansiedade das lojas e o meu resultado: saldo positivo! 💰💴

Hábito e prioridade

Dia 331/365:

As pessoas que sabem que estou neste desafio de ficar um ano sem compras, com o “Obrigada, estou apenas olhando”, sempre me fazem duas perguntas.

A primeira sobre como estou conseguindo viver sem comprar. E quando digo que sim, a reação é de olhos arregalados e outra pergunta: “Nada mesmo?”, como se fosse impossível ficar sem comprar roupas, bolsas e sapatos. Eu também acreditava que era… hehehe

A segunda pergunta é sobre o resultado. Dinheiro investido: este é o resultado! No início o calor guardado era menor, até conseguir terminar de pagar os boletos a vencer que eu tinha. Agora, consigo guardar uma média de 35% da minha renda mensal.

E sempre que respondo isso, vem sempre uma observação: “Não consigo guardar. Como você faz?” Duas palavras conseguem dar conta de explicar: HÁBITO E PRIORIDADE!

Nossos hábitos são nosso ‘piloto automático’. A gente acaba gastando sem perceber, seja por situações emocionais (alegria, tristeza, estresse), seja pelas companhias. Os amigos saem para balada, e você não sabe como dizer não…

A solução está na mudança de seus hábitos. Como fazer isso? Conscientizando-se da sua real situação financeira. Aceitar que não pode ou não têm condições financeiras para acompanhar os amigos, por exemplo, é um grande passo rumo à sua estabilidade. E não desconte suas emoções em compras, nem em comida! Pratique exercícios físicos, como caminhada, por exemplo. Você se exercita e não gasta!

Qual a sua prioridade? Você tem um sonho? Quer realizar algo? Estudar, viajar, comprar um carro ou apartamento? Se não tem, encontre um! Realizar um sonho requer disciplina. E você também terá que abrir mão de algumas coisas para realizá-lo. Uma delas é parar de gastar com supérfluos. Acredite, é assim mesmo que acontece.

Busque os seus sonhos, defina suas prioridades e mude seus hábitos de consumo, principalmente. E tenho certeza de que vai conseguir! Hábitos e prioridades: o domínio sobre as suas vontades! Que Deus abençoe seus sonhos! 😉

O futuro a Deus pertence, mas honre sua vida até lá

Dia 323/365:

Viver como se não houvesse amanhã ou deixar a vida te levar não é um bom conselho financeiro. E o “Obrigada, estou apenas olhando” vai te explicar o porquê.

O brasileiro esquece que vai envelhecer e, por isso, não consegue guardar dinheiro ou investir. As pesquisas apontam que poucos têm o hábito de “pensar no futuro”.

Quando as pessoas começam trabalhar e a gerar renda, elas não conseguem se organizar na ansiedade de gastar tudo agora, sem pensar ou se imaginar lá na frente. Pensam de forma imediata.

Não se esqueça de adaptar-se à cada nova realidade de vida. Mudar de emprego e ganhar menos, não significa que você deve continuar mantendo o mesmo padrão de vida, uma vez que a sua renda diminuiu. nova realidade de vida. Ou então uma família de 3 filhos com uma casa grande: quando esses filhos se saem de casa, o casal não precisa mais de uma casa grande. O ideal seria se mudar para uma casa menor e diminuir seus gastos para aproveitar melhor a renda.

Estão entendendo que se adaptar é fundamental para a saúde financeira agora e no futuro.

Já foi o tempo que uma pessoa com 60 anos era considerada velha. Hoje, essa geração cuida da saúde, do corpo e continua ativa. Aproveite também para se enriquecer por dentro. Fuja da armadilha de se achar velho e inapropriado para o mundo atual; ou, ao contrário, achar-se o senhor da verdade. Procure colaborar e ser útil para o mundo, ensinando o que sabe e aprendendo com as novas gerações. Essa também é uma maneira de se manter dinâmico e usufruir tudo o que conseguiu economizar.

Vamos viver o hoje sim, mas não nos descuidemos do futuro. Mantenhamos pelo menos um rabinho de olho daqui a 20 ou 30 anos. A partir do momento que nos imaginarmos lá, vamos conseguir definir como queremos chegar. Então pense e faça acontecer. Planeje!

O futuro a Deus pertence sim, mas temos que honrar este futuro e fazer o melhor a cada dia! Com fé Nele e a certeza de que Ele cuida de nós! 😉