Fomos citados em Portugal

Meu amigo e jornalista Eduardo Gregori mudou-se para Portugal o ano passado, de mala e cuia. E, como fiel seguidor do nosso “Obrigada, estou apenas olhando”, ele até já foi tema de um de nossos posts sobre as suas descobertas além mar…

No post “Aprendizado que vem do outro lado do Atlântico“, Eduardo me contou de como o blog o ajudou a desapegar de suas coisas antes da mudança e o quanto ele aprendeu com isso, valorizando o que realmente importa…

E agora ele retribui (não que precisasse retribuir) falando do nosso blog em seu programa “Eu Por aí” para seus seguidores portugueses e brasileiros também, porquê não? No programa, ele lembra das nossas dicas sobre comprar ou não um carro e sobre tudo que vem aprendendo nesta experiência em terras lusitanas.

Eduardo Gregori é meu amigo desde a época de faculdade. Estudamos jornalismo juntos. De lá para cá, um vem seguindo o outro e acompanhando seus progressos e sucessos, suas alegrias e vitórias e, mesmo à distância, chorando junto nos momentos tristes…

Fica aqui a gratidão pela nossa amizade e respeito mútuos. Se quiser ouvir o programa e passar a acompanhá-lo pelas redes, fiquem à vontade. Seus programas são divertidos e falam sobre Viagem e Turismo de Portugal e do Brasil. Aproveitem.

Que Deus nos permita viver e experimentar novas experiências, trocar gentilezas e fazer novos amigos. Beijos, Edu! 😉

 

Sem nada para vestir? Você não está sozinha!

Dia 293/365:

Guarda-roupas cheio e você sem nada pra vestir? Hoje li no Instagram da minha amiga/irmã Simone, que ela está vivendo a crise do comprar roupas e, na semana seguinte, já não ter nada pra vestir.

O seu desespero inspirou o “Obrigada, estou apenas olhando”. Simone, queridona, fique tranquila, você não está sozinha! Nem no desespero, nem na vontade de comprar de novo! Hehehehe

Muitas mulheres passam pelo dilema de montar o look para enfrentar os compromissos do dia. A melhor forma de acabar com isso é descobrindo, exatamente o que você tem no armário!

  • Faça uma triagem, conte as peças;
  • Monte looks e fotografe-os para ter uma ideia do que usar em diversas ocasiões: isso vai agilizar também na hora de se arrumar para sair;
  • Desapega e passa pra frente: coloque como novo hábito que sempre que uma peça entrar no seu armário, outra deve sair;
  • Misture as roupas sem preconceito: esta vai ser divertida! Feche a porta do quarto, ligue o Spotify e divirta-se experimentando e misturando roupas, estilos, faça combinações malucas… Você vai acabar achando looks que vão dar certo e que nunca tinha pensado antes – e quando achá-las, não esqueça de fotografar também.

Todas essas ideias vão ficar mais divertidas se você tiver uma opinião sobre os looks. Chame uma amiga, garanto que vão até encontrar uma calça que não te serve mais pra trocar por uma saia que não serve mais para ela.

Depois de tudo isso, junte toda a sua confiança e saia por aí arrasando. Você vai ver que bem fará para a sua alma descobrir um novo mundo de possibilidades de aproveitamento de peças que temos dentro de casa e montar um guarda-roupa inteligente, econômico e funcional.

A Simone ainda pode aproveitar a companhia dos seus bebês peludos: a Lili e o Tigrão, um casal de maltês, lindo demais!

Que Deus NOS oriente sempre, até na hora de se vestir ( ou na hora de comprar roupas). Que Ele NOS inspire também para doar e desapegar e assim ajudar as pessoas que precisam! 😉

Desapegar é preciso

Dia 280/365:

Inspirada na história do Eduardo Gregori, meu amigo da faculdade e que hoje mora em Barreiro, em Portugal, o post de hoje do ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai falar sobre desapego.

Você costuma fazer isso? Quando comecei este desafio, fiz uma triagem no meu guarda-roupas para saber, exatamente, o que teria para dispor nos próximos 365 dias. Foi logo no início deste desafio: faziam nove longos (hehehe) dias que ele havia começado.

Naquela época, eu tinha muita coisa no guarda-roupas. Entre vestidos, sapatos, bolsas, camisas, saias, camisetas, blusinhas, blazer, casacos, jaquetas, shorts, blusas e calças eram mais de 150 peças.  Sem contar os conjuntos de lingerie e as roupas de academia. E hoje, mais de 270 dias depois, tenho muito mais roupas no armário. Sapato não ganhei nenhum: pouca gente calça o meu número (33) hehehe

Não precisa se desesperar, não cedi à tentação (que nem é mais tão tentação assim). Não, não estou ficando louca! E não, não comprei nenhuma peça. GANHEI muita coisa neste tempo: tenho os melhores amigos do mundo! Entre presentes e doações  – roupas das amigas que não lhes servem mais – (sorte a minha!) já são mais de 70 peças. Mas não ficou tudo pra mim não! Dividi muita coisa a Luciana, uma amiga/irmã.  O que não servia para mim, separava pra ela!

As últimas doações (gosto muito!) resultaram em 9 peças de roupas pra mim (7 calças, 1 camisa e um vestido) e outras 12 peças pra Lu. E o mais legal é que antes de avisá-la sobre as roupas, ela vem e comenta: “estou precisando comprar umas blusinhas para frio”. E voilá, Deus providencia. Pra ela, foram umas quinze peças e mais dois sapatos: entre as peças três tricôs e duas jaquetas (perfeitas para o inverno). Providência divina para o inverno que chega na próxima semana.

Até comentei hoje com o Pedro Braggio, amigo, educador financeiro e mentor deste desafio. E ele ficou feliz por mim e pela pessoa que fez a doação das roupas. “É bom porque você ganhou, é bom porque você não está comprando e é melhor ainda porque você pode incentivar os seguidores do blog a fazer a mesma coisa. Precisamos estimular o uso das roupas até o final: faz bem pro nosso bolso, pois, não gastamos, e para o meio ambiente”, analisou.

Pedro lembrou de uma coisa que acontecia quando eu era pequena. As roupas dos primos iam de um pro outro. “Essa prática é muito comum com roupas infantis: de um irmão ou primo que passam suas roupas uns pros outros”, disse. Ebaaaa, estamos no caminho certo, resgatando antigas práticas em prol da sustentabilidade e do consumo consciente e para ajudar o próximo.

Deus é maravilhoso mesmo. Ele sabe o que precisamos e providencia. Ele vem acompanhando este desafio e sabia que eu estava com vontade de ter uma coisinha “nova”, que apesar de vir de outra pessoa, está bem cuidada e é nova, sim, no meu armário.

Gostaria muito que você pudesse fazer isso hoje. Aproveita, é cedo ainda. Entra no quarto, separa umas roupas que você não use mais ou que não lhe sirva e separe para doar: igrejas,  prefeituras e associações de bairro, podem estar precisando de doações de agasalhos. Ou quem sabe uma amiga sua, pode estar precisando! O segredo de saber o que desapegar é olhar para a roupa e lembrar sobre a última vez que você usou. Se não usou este ano ainda, está na hora desta peça fazer a alegria de outra pessoa!

Experimente! Você vai se sentir ótima (o) depois que fizer isso. E se puder me contar a sensação depois, vou ficar muito feliz! 😉

Aprendizado que vem do outro lado do Atlântico

Dia 279/365:

Minha mãe sempre dizia que as pessoas aprendem pela dor ou por amor. “Feliz daquele que aprende por amor”, alertava ela com sabedoria. E é verdade né, gente? Quanto aprendi nestes últimos meses e foi tudo por amor. Amor à minha paz e tranquilidade…

E o que venho aprendendo tem ajudado as pessoas aqui no Brasil e no exterior. Uia, que legal né? Minha prima Marilza, que mora na Itália, é uma das acompanhantes assíduas do blog. A amiga Djanira Rosseto que mora na Alemanha, também acompanha, diariamente os meus aprendizados. E no domingo, descobri que um querido, da época da faculdade de jornalismo, na PucCampinas, o Eduardo Gregori, também vem acompanhando.

E olha só a declaração dele: “Aprendo muito” e emendou, me deixando mais feliz ainda: “Pensei tanto em você, querida! Nunca seu blog fez tanto sentido pra mim!”, deixou como resposta num post. Ah, gente, é pra explodir de felicidade né?

Greg, como é carinhosamente conhecido pelos amigos, mudou-se, recentemente, para Portugal. E, por amor também (graças a Deus, né, Greg?) descobriu que não precisa de tanto para viver e, o melhor, está feliz da vida! “Não tenho carro aqui em Portugal, mas vou para todos os lados de barco, trem ou metrô: são muitas opções”, enumera. “Precisei sair da minha cidade (Campinas), e do meu país para descobrir que a gente pode ter uma vida mais simples, viver com menos e ser ainda mais feliz”, analisa.

Em Portugal, Greg está mantendo seu blog Eu por aí e discotecando na noite. Ele é DJ, gente! Só festa, que maravilha hehehe. “Ando muito a pé, conhecendo a cidade, os lugares e reconhecendo a cidade como minha”, conta, orgulhoso.

Ele e o marido moram em Barreiro, na margem Sul do Rio Tejo e, de barco, em 15 minutos estão no centro de Lisboa. “Escolhemos viver em Barreiro para economizar. Mas, aqui, desfrutamos da tranquilidade de morar fora de um grande centro, mas com as facilidades de transportes é como se estivéssemos lá”, garante.

Consumo consciente – Além da economia para morar, ele contou que vem economizando nas compras no supermercado também.  “Fazemos compras com nossas próprias sacolas e aqui, fica muito claro o desperdício de alimentos, por exemplo, que temos no Brasil. Hoje, vivemos num país com uma economia estável e que não precisa estocar alimentos em casa por medo dos preços, da inflação…”, compara.

Para a viagem Greg teve que desapegar de parte do seu guarda-roupas. Escolheu o que levar e doou o restante, os eletroeletrônicos, principalmente. E, para o Velho Mundo levou, basicamente, roupas, calçados e documentos. “Saiu com a roupa do corpo”, como diria minha avó heheh

Esta é a segunda vez que ele se desapega de suas roupas. A primeira foi quando emagreceu 60 kg. Sim, minha gente, ele é um case de sucesso e superação. E agora para a viagem. “A gente consegue viver com menos: a gente só precisa decidir! Aqui, a casa funciona, a vida funciona e estou muito feliz em descobrir isso: parei de sofrer pelo que não tinha e comecei a aproveitar tudo o que tenho”.

Ah que orgulho, gente! Fico feliz em ver que o “Obrigada, estou apenas olhando” está ajudando de alguma forma. Também foi uma oportunidade para conversarmos, a entrevista foi via WhatsApp. Santo, WhatsApp hehehe

Hoje, Greg está ocupando seu espaço e se sente a cada dia mais confiante e certo de sua escolha. E, andando como morador pelas ruas de Barreiro ou Lisboa, ele se sente parte da cidade que escolheu viver por amor.

Este é o segredo, gente! Quando a gente aprende a viver com menos, descobre que a vida pode ser menos estressante, mais simples e melhor aproveitada. Você passa a valorizar as pequenas coisas como andar pelas ruas, e até deixa de se importar porque não tem um lustre bacana na sala. Coisas de quem atinge um outro patamar de vida… Espero que a história do Eduardo Gregori possa te inspirar de alguma forma. Espero também que possa sorrir ao ler este post, tendo a certeza de que ele venceu!

Obrigada, Greg por compartilhar conosco sua história e este novo momento. Desejamos que Deus continue abençoando esta nova fase com amor e muito trabalho e que vocês possam aproveitar tudo com sabedoria e saúde. 😉

Todo dia pode ser dia de Natal…

Dia 107/365:

Amigo Secreto, Ceia de Natal, família reunida, presentes, celebrações nas igrejas… A tradição do Natal compreende tudo isso… Mas o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai propor uma nova tradição que você já pode fazer a partir deste ano.

A ideia vem hoje, na véspera da véspera de Natal (existe esta expressão? véspera da véspera hehehe) pra dar tempo de você se organizar. Eu sei que independente da Ceia de Natal ser na sua casa ou não, todo mundo está na correria. Mas que tal incluir no seu dia uma forma de ajudar as pessoas?

A solidariedade é um valor que faz parte do espírito natalino. E pensando nisso, uma pessoa me vem à mente, a Ciça Capobianco. Sim, ela é uma pessoa que deixa aflorar este sentimento e coloca em prática.  O que ela faz pode te ajudar a ser uma pessoa melhor neste Natal. Acompanhe as cinco lições para viver o verdadeiro espírito de Natal que aprendi com a Ciça:

1) Empatia: pratique a capacidade de colocar-se no lugar do outro. A empatia é que vai fazer você se doar…

2) Desapegue em 3, 2, 1: na semana entre o Natal e o Ano Novo, muitas pessoas estão de folga no  trabalho. É a época ideal para você fazer uma limpa no seu guarda-roupas. Veja o que pode doar não somente em roupas, bolsas e sapatos, mas qualquer item que você tenha dentro da sua casa e não use mais… O que não serve mais pra você pode ajudar outras pessoas. Garanto que a Ciça pode encontrar alguém ou alguma família para receber o que você tem aí na sua casa e não usa mais…

3) Seja positivo:  a gente sabe que a vida não está fácil pra ninguém. Seja positivo e solidário, reclamar não adianta e não vai mudar nada. Só vai conseguir frustrar quem estiver perto de você. Participe das comemorações, brinque com as crianças, ouça as histórias da sua avó… Doe-se mais neste Natal…

4) Elogie: aproveite que está chegando na casa de alguém para a Ceia e elogie: fortaleça a autoestima das pessoas, deixe-as seguras do seu afeto. Sinta-se feliz pelas pequenas coisas…

5) Todo dia é dia de Natal: pratique estes sentimentos todos os dias e não só na época de Natal. Leve estes valores para a sua vida e faça o bem, sem olhar a quem. Já ouviu esta expressão né? Então, mãos à obra.

O maior sentimento do Natal é a solidariedade. Jesus abriu mão de sua forma divina, veio ao mundo como homem, sofreu e morreu para NOS salvar. Esta é a maior lição do Natal: a doação, a solidariedade, a compaixão…

A Ciça, me ensinou cada um destes pontos e acredito que ela nem saiba disso (agora já sabe e vocês também). Na foto, com sua filha e ao lado da minha mãe e do Harry, ela é isso: sorriso, amor e doação àqueles que precisam, valores que ela deixa de legado para sua filha Giovanna. Neste dia da foto (em 2013) eu precisei dela para conseguir visitar minha mãe e ela foi. Se um dia você precisar de ajuda que possa encontrar uma Ciça pra te socorrer… Hoje ela está com o pé imobilizado, mas garanto que dando um jeitinho de fazer algo por alguém.

Este texto é pra homenageá-la neste Natal, por tudo que fez por mim, por tudo que fez e faz pelos outros… Que Deus possa continuar NOS abençoando e NOS inspirando a sermos pessoas cada vez melhores. 😉