O que fazer com o 13º salário?

É gente, já estamos em outubro e, daqui a pouco, milhões de pessoas vão receber o 13º salário. E hoje, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ quer te ajudar se planejar para aproveitar essa renda extra da melhor forma possível, sempre com objetivo de que ela lhe traga alegrias e não dores de cabeça.

Eu não recebo 13º salário. Trabalho como profissional autônoma e não tenho esse direito concedido apenas para aqueles profissionais com carteira assinada. E se você é um deles, aproveite e use essa grana com sabedoria e prosperidade.

Cuidado com a empolgação. O 13º salário é um rendimento  que chega num momento bem propício para ser gasto, afinal teremos pela frente as festividades de Natal e Ano Novo, uma época que é sinônimo de compras. No entanto, o 13º só deve ser usado livremente para compras, presentes ou viagens se você tiver sido disciplinado durante o ano inteiro.

Se você estiver endividado, aproveite este salário extra para quitar suas dívidas. Faça disso sua prioridade para entrar em 2019 com as contas no azul. “Quem está endividado pode aproveitar o mês de outubro para negociar as dívidas, principalmente, com bancos. Nesta época do ano, os bancos fecham seus balanços e este é o melhor momento para negociar”, aconselhou o educador financeiro Pedro Braggio. Ele ainda explicou que os bancos oferecem ótimas condições de negociação para que possam fechar seus balanços anuais com o menor nível de inadimplência.

Mas se você estiver com suas finanças em dia, divida o 13º em três partes:

Para presentear: afinal, você é um filho de Deus e pode sim, comprar presentes para seus familiares e amigos e merece ganhar um também! Então, reserve uma parte do 13º para comprar os presentes de Natal. Lembre-se de fazer uma lista de pessoas que deseja presentear e comece a pesquisar os valores das lembrancinhas. Faça com que o valor caiba no orçamento reservado.

Para investir: se você aprendeu a se organizar, já sabe que uma parte do 13º salário precisa ser guardada para realizar um sonho ou garantir tranquilidade financeira na hora de algum imprevisto. Então, uma parte desta renda extra vai para o nosso COLCHÃO FINANCEIRO.

Para as despesas de início de ano: todo início de ano, as despesas vêm e você pode reservar uma parte do 13º salário para cobrir estes gastos extras com IPTU, IPVA, matrícula dos filhos e material escolar.

Independente destas dicas, peça orientação de Deus. Ele é e sempre será o seu melhor conselheiro e vai te orientar como agir. Que você use o seu 13º com amor, paz, saúde e sabedoria. E que mais do que quitar dívidas, que o 13º salário possa lhe trazer prosperidade. 😉

Doeu aprender que leva tempo…

Dia 362/365:

Palestras, cursos, textos, livros, dicas, pesquisas, orientação do Pedro Braggio… Nossa, quantas fontes de informação e aprendizado. Neste quase um ano, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ aprendeu de muitas formas… Até errando…

Sim, nem tudo foram flores por aqui. Colocar em prática o que aprendemos, não significa que vai dar certo na mesma hora. Acredito que o que mais doeu foi aprender que leva tempo!

Mas é matemática pura: para sobrar dinheiro, você tem que gastar menos do que ganha! Isso é incontestável. E somente sentindo na pele a dificuldade de fazer sobrar que aprendi o quão importante é tomar esta decisão.

Vocês se lembram bem que os primeiros três meses foram os mais críticos. Eu estava pagando as despesas que havia feito com cartão de crédito e cartão de loja em meses anteriores ao início do desafio. Daí, a demora em acertar tudo…

Mas depois que as despesas cessaram tudo ficou mais fácil. Sem as compras supérfluas, a cada mês sobrava mais para poupar. A cada mês aumentava mais a porcentagem do valor que seria guardado. E deu certo… Hoje, o valor que vai pra reserva financeira gira em torno de 35%, sem deixar de lado os meus gostos: cinema e almoços.

Tive alguns probleminhas de saúde neste período e nem estes gastos extras impactaram os valores poupados, pois, o restante estava em dia… Sem dívidas, sem um monte de boleto para pagar, as coisas ficam muito mais fáceis. Pode acreditar.

E não, não é um sonho impossível. Não, não é uma meta inatingível!

É possível! É atingível! Planeje-se, organize seus gastos, diminua as compras (lembre-se, você não precisa ficar um ano sem compras, como eu fiz), você pode diminuir suas compras, domine a sua vontade de gastar. Envolva toda a família em seu propósito, faça com que seja um desafio para todos! E, principalmente, viva de acordo com suas posses. Não ostente, não aparente o que não é, acredite, você vai sofrer menos.

Aprenda a dizer NÃO: para si mesmo, para seus filhos e cônjuges, para os amigos e colegas de trabalho! Não se endivide para seguir a galera, para mostrar para o vizinho… Ninguém tem inveja daqueles que estão endividados!

Que Deus continue NOS abençoando e NOS protegendo em todos os momentos de nossas vidas e em todas as áreas: finanças, pessoal, profissional, familiar… Seja feliz! 😉

 

 

Poupe para poder gastar (com sabedoria)

Dia 354/365:

Um ano sem compras, uma reserva financeira próxima da meta e mais de mil seguidores acompanhando este desafio… Fico muito feliz com os resultados do ‘Obrigada, estou apenas olhando’… Mas devo confessar que não pensei muito pra tomar a decisão.

Acho que se pensasse, analisasse prós e contras, talvez não entrasse nessa. Mas como decisões, a gente toma em segundos, estou aqui, quase um ano depois comemorando os resultados.

A ideia no início era ter uma reserva financeira. Com o blog percebi que poderia muito mais e depois do curso com o Pedro Braggio, aí o cenário se descortinou na minha frente e tive que corrigir a rota. Dicas sobre finanças pessoais, economia doméstica, educação financeira estão tão presentes no meu dia a dia que quando vejo me pego aconselhando alguém sobre isso ou levando o assunto para uma roda de conversa.

A tranquilidade financeira veio como consequência: deixei de comprar, diminui as idas ao cinema, os almoços fora, as pizzas à noite (pelo preço e pela dieta heheh). Percebo que quando o assunto finanças vira meme, normalmente, destacam o dilema entre guardar dinheiro ou aproveitar a vida (com o mantra ‘só se vive uma vez’).

O Indicador de Bem-Estar Financeiro mensurado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) também avaliou esse dilema e descobriu que 56% dos brasileiros reconhecem que não conseguem aproveitar a vida da maneira ideal em razão da forma com que administram seu dinheiro.

Bem-estar financeiro é o estado em que o indivíduo tem capacidade de honrar as suas obrigações financeiras, sente-se seguro com relação ao futuro financeiro e pode fazer escolhas que lhe permitam aproveitar a vida. E você sabe o que impacta o bem-estar financeiro do brasileiro? Pasme: a falta de preparo para lidar com gastos imprevistos!

Exatamente o que aconteceu comigo. Apenas 12% dos consumidores, segundo o estudo, teriam condições de cobrir uma despesa inesperada de valor expressivo, seja se utilizando recursos da própria renda ou de uma reserva financeira. A maioria (65%) não teria saídas práticas para enfrentar essa situação, segundo apurou o indicador.

Espero que NÓS estejamos entre os 12%. Depois do susto, a gente toma jeito, aprende com os erros e segue em frente, ajudando outras pessoas! Que Deus continue NOS orientando, abençoando e protegendo e que o Espírito Santo toque a NOSSA vida de uma maneira toda especial que resulte em TRANSFORMAÇÃO. Seja feliz! 😉

Você x Dinheiro: quem trabalha pra quem?

Dia 254/365:

O episódio da concessionária me ensinou mais uma coisa: o dinheiro trabalha pra mim! Sim, se fosse o contrário, hoje eu estaria com um carnê gigante de prestações para pagar. Não é hora de gastar, é hora de continuar planejando. E o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vem me ajudando a identificar estas situações e tirar muitas lições de tudo isso.

E que bom que posso dividir tudo com vocês. Espero que estejam aproveitando os aprendizados e, mesmo que já saibam sobre os assuntos que debatemos aqui, espero que as minhas experiências possam trazer para você um outro olhar, uma outra opinião, uma reflexão que você ainda não tinha feito.

Mas a nossa relação com o dinheiro é uma coisa muito séria. Quem controla quem é uma pergunta objetiva, mas, se pra você for difícil responder, sinal de que precisa parar para refletir. E eu vou te ajudar.  Se manter as finanças em dia tem sido uma tarefa cada vez mais descontrolada para você e a sua família, está na hora de mudar essa relação.

Depois do “Obrigada”, muita gente vem comentar comigo que o salário acaba em dois ou três dias. Cartões de crédito, empréstimo consignado, gastos supérfluos, despesas fixas:  tudo isso junto e misturado acaba virando uma bola de neve. Avalie os gastos que pode reduzir ou eliminar; portabilidade de empréstimos, telefonia móvel e fixa, internet são opções para reduzir despesas que talvez você não consiga eliminar.

Resolver sozinho a situação financeira é difícil, pois, muitas vezes as pessoas não sabem nem por onde começar.  O especialista vai te ajudar a transformar hábitos, definir prioridades, avaliar suas finanças (receitas x despesas), orientar como você pode aumentar sua renda e até encontrar, junto com você, alternativas eficazes para você se livrar das dívidas.

Procure uma motivação para resolver a sua situação. O que te move? Filhos, futuro, realização de sonhos? Planejamento é a resposta para transformar um sonho em meta e, esta, em realidade.

Deixe o dinheiro trabalhar pra você e, a partir daí, você vai entender o impacto que ele tem sobre sua vida, seus planos, seus relacionamentos e suas finanças. A gente sempre fala em Deus né? Espero que Ele seja presença constante na sua vida, assim como é na minha. Deixe que Ele te ajude, te oriente, mas esteja preparado para receber as bênçãos que virão, deixando Ele no controle da sua vida. Obedeça e tudo vem, ainda melhor do que você está imaginando. 😉

É possível reduzir as despesas?

Dia 226/365:

Chega o fim de semana a gente tem mais tempo pra pensar, né? E hoje o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai falar sobre despesas. Sabe quais são elas? Sabe a diferença entre fixas e variáveis? Então, vamos aproveitar o fim de semana para entender, avaliar a situação da sua casa e começar a colocar em prática já na segunda-feira, ou agora mesmo se quiser.

A principal diferença entre as despesas fixas e variáveis é a sua periodicidade. As fixas, como o próprio nome já diz, vêm, religiosamente, todo mês. Mas não tem um valor fixo, algumas despesas têm valor que pode variar de acordo com o consumo, como por exemplo, água, luz, telefone. Mas se você e a sua família consumirem com consciência, vão conseguir ficar nos valores mínimos de consumo. Aqui entra também os custos com aluguel, condomínio, transporte, supermercado.

Embora não possam ser evitadas, as despesas fixas podem ter seu valor reduzido. Já as variáveis podem ser evitadas, reduzidas ou até eliminadas (como no meu caso). Estas são os gastos com compra de roupas, sapatos, produtos de beleza, as idas ao salão de cabeleireiro. Se você precisa poupar, uma boa dica é reduzir ou até eliminar os gastos com as despesas variáveis.

Lembra que mudando de operadora de celular consegui reduzir o valor mensal em 50%? Pois é. Consumir conscientemente energia elétrica e água em casa fará com que você reduza os valores mensais (aquelas dicas básicas e que todo mundo conhece: apagar as luzes dos cômodos que não estão sendo usados, tomar banhos mais curtos, escovar os dentes com a torneira fechada e por aí vai… ).

Então antes que a falta de dinheiro aperte e te force a cortar despesas, faça isso porque você, conscientemente, quer fazer isso. Vai ser importante pra você, para as despesas da casa, para a sua família, que vai aprender sobre desperdício e, principalmente, para o meio ambiente, que agradece imensamente.

E no supermercado, é possível? Sim! Antes de ir ao supermercado, elabore uma lista de tudo o que você precisa. Desta forma, evitará gastos desnecessários. Fique atento à disposição dos produtos nas prateleiras: supérfluos e itens mais caros estão, normalmente, sempre ao alcance do seu olhar. Lembre-se de que as pessoas têm maior tendência a comprar supérfluos quando vão ao supermercado com fome. Se conseguir faça suas compras após as refeições e em horários alternativos, como no meio da manhã, da tarde, ou após às 20h.

Aluguel e condomínio – Procure não comprometer mais do que 1/3 de seu orçamento com o aluguel e condomínio. Pague sempre em dias essas despesas, evitando juros e multas. Participe regularmente das assembleias de condomínio para saber todos os valores que você está pagando. Lembre-se de usufruir de todos os benefícios que o seu condomínio oferece, afinal, você está pagando! Ah, impostos como IPVA, IPTU e outros devem ser considerados na elaboração de seu orçamento.

Hoje me lembrei desse assunto porque estava arrumando as contas da casa: apenas guardando a documentação paga do mês. E é tão engraçado, ainda acho que alguma coisa está faltando quando olho para a ausência de boletos. E está né? Os das lojas que, graças a Deus, estou livre heheh Esta sensação é muito boa.

Algumas amigas entraram no desafio de um ano sem compras e estou acompanhando o que elas chamam de ‘dor e sofrimento’. Logo passa, meninas, e tenham a certeza de que vão me agradecer heheheh Vai ser bom para vocês, para a família e para suas finanças. Que Deus continue NOS inspirando por caminhos que NOS levem para vivermos o melhor que Ele tem pra nós. Vai dar certo: TUDO vai dar certo! Disponha-se a ouvir a voz de Deus e deixe Ele agir na sua vida! Não tem como dar errado. 😉

E quando você descobre que está no vermelho?

Dia 175/365:

Hoje estava pensando nisso…Quando descobri que estava numa situação complicada, financeiramente, falando, fiquei desesperada. E foi aí que o ‘Obrigada, estou apenas olhando’, entrou em cena…

Lembro-me que a pessoa que estava comigo (quando o funileiro falou o valor do conserto do carro) disse que fiquei branca. A cor sumiu do meu rosto de pavor e por não saber de onde tiraria o dinheiro. Não tinha reserva financeira, não tinha poupança, não tinha nenhum centavo guardado.

Não estava no vermelho, mas também não estava no azul. Não tinha dívidas também (e nem as quero). E também não quero sentir o que uma pessoa que está no vermelho passa. Mas por que será que ela chegou nesta situação?

Um dos sintomas de pessoas que estão no vermelho são as contas para pagar mais altas do que o dinheiro a receber. E para chegar neste estágio, os motivos são os mais diversos: perda do controle, compulsividade, não saber dizer não, ter um padrão de vida que não condiz com a sua realidade. Pode ser qualquer coisa… O que não pode é continuar nesta situação.

Como sair?
1. Coloque no papel seus ganhos e despesas. Este é o ponto de partida para você conhecer sua situação financeira real. Com base nisso, é possível equilibrar suas contas e entrar no azul.

2. Seja moderado com o gasto supérfluo: se quiser fique #UmAnoSemCompras ou escolha gastar com aquilo que é importante para você, pesquise preços, pechinche, busque produtos similares e mais baratos, compre à vista, peça desconto.

3. Controle suas emoções. Tem gente que tá feliz, compra! Tá triste, compra! Tá nervoso, compra! Controle os apelos e impulsos de consumo.

Pense positivo, tudo vai se resolver. Agora é perseverar e sair dessa! Logo, logo, vamos rir de todo esse desespero. Com Deus, meus amigo, tudo é possível, aliás, ele é o Senhor dos Impossíveis: Ele resolve, pode acreditar! 😉