Primeira compra (para pagar em novembro)

Não, gente, não parcelei no cartão de crédito, não! Fiquem tranquilas, mas fiz minha primeira compra! Aconselhada, elaborei uma lista das peças que preciso comprar por conta do desgaste de tempo e uso. E só vou comprar isso! Lingerie estava no topo! Comprei 6 novas calcinhas: dois pacotinhos de 3 calcinhas cada heheh

Como comprei da minha amiga (que pega em consignação na loja de lingerie), posso pagar até novembro. Ou seja, dá pra guardar R$ 35,00 este mês e R$ 35,00 em outubro e pagar os R$ 70,00 em novembro…  Estava precisando de calcinhas. Ela não tinha sutiã, quer dizer, tinha, mas fazia conjunto com um modelo de calcinha que não gosto muito, então… Não comprei!

Agora, preciso de pelo menos dois sutiãs bege (chocolate, avelã ou similares). Porquê 2? Porque enquanto lava um, veste o outro hehehe Estou pesquisando os preços. Por enquanto, a Riachuelo está ganhando nos valores! Marisa e Renner: muito caro! Tô fora!

Bege não é sexy?

Nós, mulheres, sabemos que a lingerie bege não é nada sexy. Mas é preciso que os homens entendam que a calcinha bege é um item indispensável no guarda-roupa feminino, assim como um par de meias pretas no guarda-roupa masculino.

Vale lembrar também que a gente não quer estar sexy 100% do tempo e quando o assunto é lingerie, conforto vem sempre em primeiro lugar! E, vocês homens, têm que entender que o conforto, muitas vezes, só vem na cor bege heheheh

Mas para convencê-los de uma vez por todas, o principal motivo das calcinhas beges serem dessa cor e de nós as incluirmos na gaveta de lingerie é porque o bege (ou chocolate, ou avelã, como as marcas chamam o tom que pode ser um pouco mais escuro) são os tons que não aparecem e nem marcam sob a roupa clara ou até mesmo escura. Então são usadas sob vestidos e blusas de tecidos finos ou claros.

Que Deus me ajude a não perder o controle nas compras! Que Ele continue NOS abençoando, protegendo, guardando TODOS os dias em TODOS os momentos. Seja feliz! 😉

 

A foto é de uma loja de lingerie… Quem dera ter um armário de lingerie desse jeito (arrumadinho) hehehe

Elas deixaram um legado

Dia 345/365:

Dinheiro não dá em árvore. Quando você pagar a conta, você deixa a luz acesa. Pensa que meu dinheiro é capim? Quantas vezes a gente ouviu isso durante nossa infância e adolescência, não é?

Com o “Obrigada, estou apenas olhando” venho percebendo o quanto os ensinamentos da minha mãe e minha avó deveriam ter sido apreendidos e colocados em prática.

Elas são sábias, disso a gente não duvida, mas porque será que é tão difícil ouvir, aceitar e incorporar pra vida os conselhos de nossas mães e avós?

Acredito que, no fundo, a gente finge que não escuta, mas esses aprendizados ficam enraizados. Tanto que, quando ouvimos alguma frase que elas também usavam, voltamos no tempo no mesmo instante!

Sou muito grata a Deus pela família que tenho: minha avó Benedicta, uma mulher sábia, assim como minha mãe, a Eva, pessoa incrível, alegre e feliz e que se realizava ajudando as pessoas.

Ontem jantei com minhas primas e seus esposos. A Marilza, que hoje vive na Itália, está no Brasil, junto com seu marido, o Gil. O encontro foi no apartamento da Ana Paula, do Ricardo e do pequeno Lucca que não aguentou e dormiu…

Estar com elas traz toda essa herança dos antigos para os dias atuais… Que Deus me permita honrar esse legado! Que Deus NOS permita honrar o legado de nossos pais e avós! Que eles sintam orgulho do que nos tornamos! Amém 😉

“Não boto o chapéu onde a mão não alcança”

Dia 287/365:

A relação com o dinheiro é uma coisa curiosa. Com o ‘Obrigada, estou apenas olhando’, a cada dia percebo que as pessoas sabem o que precisa ser feito para não cair em armadilhas de bancos, de compras por impulso e em dívidas… Mas, simplesmente, não fazem…

E a questão é por quê? Porque será que as pessoas não tomam a decisão de viver melhor e mais tranquilas, financeiramente, falando? Sim, porque ter uma vida financeira saudável é uma escolha, é uma decisão!

Hoje participei de uma palestra com o nosso educador financeiro Pedro Braggio, na Construtora Santa Angela. “Com esta ação, a Santa Angela está mostrando que se preocupa com os seus colaboradores dentro e fora da empresa”, comentou. “Se o funcionário está feliz fora da empresa, ele leva esse sentimento bom pra o seu trabalho também”, explicou o educador.

E foi muito legal ver que a simplicidade dos trabalhadores escondia uma sabedoria incrível, uma sabedoria que vem da vivência do dia a dia; dos erros e acertos e de suas escolhas…

Um dos colaboradores da empresa, seo Pedro, xará do educador, explicou que não tem dívidas. E se orgulha disso. Mas o que são dívidas? Dívida é toda conta que já venceu e você não teve condições de pagar. Ou seja, a principal característica da dívida é a inadimplência.

Casado, ele tem uma filha de 6 meses. “O dinheiro não falta”, conta orgulhoso, certo de que está fazendo o que é certo para sua família. “Temos uma pequena reserva financeira”, completa. A esposa também trabalha e, juntos, os dois salários, cobrem todas as despesas da casa e dá pra viver com tranquilidade.

O segredo do seo Pedro? Não gastar mais do que ganha. Usando de um provérbio português – “Não boto o chapéu onde a mão não alcança” – seo Pedro, sabiamente, explicou que é preciso ir até onde podemos. Ir além, muitas vezes, pode ser falta de sabedoria.

Hoje, a palestra foi do Pedro Braggio, mas acredito que até ele aprendeu muito com as pessoas que estavam ali para ouvi-lo. Eu também aprendi muito. E falei também… heheh Sabe, gente, eu não consigo ficar quieta, tenho que participar, interagir… E faz um bem danado poder ajudar.

Que Deus continue NOS dando novas oportunidades para aprender onde menos esperamos. E que possamos estar atentos aos ensinamentos e assimilá-los para o NOSSO próprio bem. Seja feliz! Vá até onde você pode. Ir além, em determinado momento, pode não ser o que Deus quer pra você. Tudo ao seu tempo. Há tempo pra tudo: tempo de plantar (planejar) e tempo de colher (comprar). Pense nisso! 😉