Pense de forma abundante e atraia a prosperidade

Dia 199/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ recebeu um e-book com seis passos para acertar a vida financeira. E esse material fala muito em pensar de forma abundante.

Lembrei-me do coaching, John Viudes, que falou sobre ressignificação, quebra de paradigmas e mudança de crenças. E tudo isso está ligado à decisão. Nós temos que decidir pensar diferente, agir diferente para ter uma outra relação com o dinheiro. Mais tranquila, mais saudável, sem estresse, sem dor e, principalmente, sem apertos.

Ninguém quer passar a vida correndo atrás do prejuízo não é mesmo? Por isso, se você está vivendo desta forma, está na hora de fazer algo pela sua vida para alcançar as mudanças que esperam por você logo ali.

Segundo o autor, Paulo Vieira, o primeiro passo para começar a criar prosperidade financeira na sua vida é pagar a si mesmo pelo menos 5% de toda sua renda mensal antes de honrar qualquer compromisso. Uma ideia diferente né? Ele orienta a pegar 5% da sua renda para começar a se familiarizar com o dinheiro, criar intimidade, para que ele seja algo normal e natural na sua vida.

O que ele quer dizer é que a gente tem que olhar para o dinheiro e controlar aquela ansiedade de gastar. ‘Nossa, tenho 100,00 na carteira! Preciso gastar! O que vou fazer com ele?’ Calma, é possível ter dinheiro no bolso, na carteira ou em casa e só! Se o dinheiro é o motivo da sua ansiedade, você precisa mesmo conviver mais com ele para poder domar esta vontade. Afinal, é o dinheiro que te serve e não o contrário. Não seja escravo!

Outra coisa interessante que Paulo destaca é sobre a importância de pagar todas as suas contas. Sim, todo mundo sabe que pagar as contas é uma obrigação. Mas quanta gente vive com as contas atrasadas, todo santo mês? Muita gente.

E aí está o início do caos. Contas atrasadas refletem em falta de organização e falta de controle: organização com as suas finanças e controle da sua vida. Se você tem mais contas do que consegue honrar, veja se não está gastando além do seu padrão de vida. Aprenda a dizer não, para você mesmo e para a sua família. Se você não pode comprar, fazer uma viagem de férias, trocar o smartphone dos filhos, explique com todas as letras que não pode fazer isso.

Lembra da regra 50/30/20? Então, você tem que conseguir pagar suas contas com 50% da sua renda. Faça as contas agora: reúna todos os boletos e avalie. Se o valor das suas despesas superou 50% está na hora de reorganizar sua vida e seus gastos para que se adeque a essa porcentagem.

Não é fácil. Mas também  não é impossível. Avalie os seus gastos. Uma boa dica é preencher a planilha que já apresentamos aqui. Ela vai te ajudar a organizar as contas, enxergar seus gargalos e projetar o futuro.

Vai dar certo, eu tenho certeza. Eu consegui! Estou vencendo a corrida pela vida financeira nos eixos. Até o meu sono melhorou, com a graça de Deus. Vem também, acertar as suas finanças e, se quiser ficar um ano sem compras, eu te ajudo! Te apoio e peço desde já que Deus continue NOS orientando, NOS abençoando e NOS indicando os melhores caminhos daqui para a frente, e que possamos aproveitar nossa vida (com as contas em dia) com saúde e sabedoria. 😉

Seja firme e diga não!

Dia 161/365:

Gente, lembra que ontem comentei que iríamos falar sobre aprender a dizer não? Na hora de dizer não precisamos de toda a ajuda possível e, por isso, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ foi buscar orientações com um profissional especialista na área de persuasão e em como falar em público.

Jornalista, radialista e palestrante (além de meu amigo hehehe), Carlos Cunha, lida o tempo todo com pessoas que frequentam os seus cursos e palestras com dificuldade de se expressar. E essa é um problema que pode impactar todas as áreas da sua vida.

Uma pessoa que tem dificuldade para se expressar, pode, por exemplo, alegar medo ou vergonha de pedir desconto, de reclamar seus direitos ou simplesmente de dizer não para uma vendedora simpática e compra, o que muitas vezes não queria, para conseguir sair de uma situação constrangedora. Quem nunca?

Mas, fique tranquilo, nem tudo está perdido para você, meu amigo (a) que já passou por isso. Você pode aprender a posicionar-se, de acordo com Carlos Cunha. “É possível deixar claro o seu posicionamento diante das mais diferentes situações: você só precisar utilizar-se dos próprios argumentos para esclarecer, informar e eliminar dúvidas e mal-entendidos. Sempre se utilizando das palavras certas e do momento certo”, explicou o especialista.

Ah, gente, mas uma coisa que ele fez questão de deixar muito claro é que o ato de posicionar-se nada tem a ver com omitir informação ou até mesmo mentir. “Muita gente acredita nisso, confunde e se utiliza deste artifício para sair de alguma situação, infelizmente”, alerta.

Carlos explicou que a maioria das pessoas que o procuram, em palestras, cursos ou treinamentos (gente, ele ajuda todo mundo que precisa aprender, não só a falar em público, como se expressar melhor, #FicaADica) está em busca de clareza na hora de se comunicar, na hora de tomar uma posição. “As pessoas se sentem inseguras, se preocupam em não ofender e, com isso travam até quando estão em ambientes pequenos, como uma reunião, por exemplo”, reforça. Tá vendo, gente, isso é mais comum do que a gente imagina.

A timidez deve piorar toda essa dificuldade de se comunicar. Mas, amigos, tenho a dizer que NÃO é resposta sim! Pode não ser a resposta que a pessoa queria ouvir, mas é uma resposta. E que muitas vezes precisa ser dita! Carlos explica que para muita gente dizer NÃO é uma tarefa das mais complicadas. “É necessário ter tato e saber para quem iremos negar alguma coisa. Caso contrário, ao invés de passarmos uma imagem de pessoa objetiva e bem resolvida, acabamos sendo vistos como omissos”, explica.

Isso é verdade, as pessoas podem enxergar isso  como grosseria ou má vontade, mas, na verdade, você está apenas se defendendo e se posicionando. Depois de um NÃO deve vir uma explicação bem argumentada sobre o por quê da negativa. “Numa loja, seja polido e explique ao vendedor a razão de não levar, de não comprar naquele momento. Até o ‘obrigado, estou apenas olhando’ é um NÃO, de maneira educada (risos!)”, argumenta Carlos. Uia, gente, ele usou nosso mantra heheh Estamos ganhando o mundo!

Uma das mais importantes perguntas que fiz pra ele foi sobre como se posicionar diante da família. Por exemplo, quando o pai ou a mãe não tem condições de comprar algo ou de bancar uma viagem de férias. Carlão, como é conhecido pelos amigos, explicou que saber dizer não é super importante para ter uma vida financeira saudável.

“Dizer não em casa dói na alma. A sensação de impotência que isso dá, principalmente em questão de finanças, é insuportável e tira o sono. Nesta hora, cabe o bom senso e a aplicação das palavras certas”, aconselha. “Escolha um momento que não vá causar tanta turbulência e um ambiente tranquilo pra falar sobre o assunto. Pense, avalie e discuta com o seu cônjuge se não é possível criarem juntos um plano B”, alertou.

Carlão explica também (e isso já falamos muito aqui) que é melhor adiar algum projeto para não se apertar financeiramente depois. “Essa disposição em ter um plano B para a situação deve ficar muito clara na hora de falar e expor o assunto e as implicações do NÃO para o seu cônjuge. Lembre-se, a apresentação de argumentos claros, ajuda na compreensão da mensagem”, completa.

Viu só gente, não é um bicho de sete cabeças. Aprenda a falar NÃO e se proteja! É isso mesmo: se posicionar vai te ajudar a viver melhor, sem preocupação de ter que honrar uma dívida que sabe que vai atrapalhar o seu planejamento. !

Espero que estas dicas ajudem você a se posicionar melhor no seu dia a dia, em casa, no trabalho, na rua, no shopping hehehe Se você precisa falar não, tome coragem e diga exatamente o que está sentindo. Não confunda com grosseria. Não tem nada a ver ser sincero com ser sem educação. E como diz o Carlão, é isso!

Que Deus continue NOS abençoando e colocando em nosso caminho pessoas que só fazem acrescentar. 😉

 

 

Se você se interessou pelo trabalho do Carlos Cunha e quer saber mais sobre Falar em Público, acesse o site e conheça um pouco mais do trabalho dele: lá também tem artigos e dicas. Aprenda a dizer não, você vai ser uma nova pessoa! Eu garanto!

5 hábitos para prosperar financeiramente

Dia 160/365:

Ah, a prosperidade. Você já deve ter desejado prosperidade para a sua vida. Mas hoje o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai te ajudar a conquistá-la.

Este é um desejo constante de homens e mulheres desde que o mundo é mundo! Mas, prosperidade financeira é resultado de bons hábitos, tanto com relação às finanças, quanto com relação às nossas próprias emoções.

Assim, a prosperidade financeira é resultado de um conjunto de habilidades, leis espirituais, hábitos e inteligência financeira. Tudo junto e misturado compactuando para que você atinja seus objetivos.

Você sabia que todos têm um potencial de abundância prestes a ser explorado? Esse potencial está intimamente ligado às nossas emoções, ou melhor, à educação de nossas emoções, ou seja, ao domínio de nossos sentimentos, vontades ou impulsos.

Gerir nossas emoções, aliando a pequenas mudanças de hábitos, com certeza, vão te aproximar mais da prosperidade, não só financeira, mas da vida como um todo. Para ter bons resultados:

1- Tenha um propósito: ter um objetivo torna as coisas muito mais fáceis. Se ainda não sabe, descubra o mais rápido possível o que quer, o que deseja para a sua vida e o seu futuro. Viajar, adquirir bens como carros, casas, estudar… Vale tudo, desde que seja pro bem, claro!

2- Defina prioridades: quando você deixa de ir à balada com os amigos e escolhe não gastar para poder realizar o seu sonho de viajar à Europa, por exemplo, você está dando prioridade para os seus objetivos. Não que você não gosta dos amigos ou de estar na presença deles. Mas precisamos focar em  nossos objetivos.

3- Saiba exatamente quanto gasta por mês: mais importante do que ganhar um ótimo salário (isso é muito bom, diga-se de passagem) é saber quanto e como está gastando. Anote tudo e avalie semanalmente, mensalmente. Uma forma de incluir alguns gastos no seu dia a dia como cafés, almoços fora de casa é definir um valor para estes pequenos prazeres.

4- Aprenda a dizer não: vamos falar mais sobre isso quem sabe amanhã. Vai ser um post especial sobre isso. Vamos conversar com um mestre no assunto e trago para logo, logo. Mas para despertar a curiosidade, temos que aprender a dizer não para as coisas que não temos condições de bancar. Pense nisso.

5- Pesquise antes de comprar: aqui acrescentaria também parar e pensar. Quando for comprar, pare, pense e avalie se precisa mesmo daquele produto ou só está comprando por impulso. Pergunte-se com o que vai usar (no caso de roupa, bolsa ou sapatos) e em que ocasiões, isso ajuda a rever a compra. Mas não tome a decisão sem antes pesquisar o menor preço e as melhores condições: lembre-se também de pagar à vista e pedir desconto. Sempre desconto.

É tão engraçado como os textos ganham vida própria. Comecei falando sobre prosperidade, passei pelo domínio da vontade e terminamos falando em comprar à vista. Sempre vou defender a compra à vista e o uso racional do cartão de crédito. Lembre-se o dinheiro do cartão de crédito não é seu, por mais que você acredite que é… Você está apenas ‘tomando’ emprestado e o banco cobra muuuuuito por isso!

Que Deus continue NOS oferecendo sempre as melhores oportunidades de aprender, de crescer e de NOS desenvolver. Peça sempre a orientação dEle, que sabe o melhor para todos nós! Que Ele continue NOS abençoando e NOS livrando de todo o mal. 😉

 

 

30 dias sem compras…

Dia 29/365:

Hoje, o “Obrigada, estou apenas olhando” está completando um mês! Siiiiim, isso significa que são 30 dias sem compras!

30 dias sem novas bolsas, roupas, sapatos e afins (por afins entenda-se bijoux, maquiagem, acessórios e todos os supérfluos, dos quais a gente pode muito bem viver sem heheh)

E estou me saindo melhor do que imaginava. Acho que já estou na fase da aceitação! Como diria um amigo: “aceita que dói menos” heheheh E a cada “pois não, posso ajudar”, fica mais fácil responder “Obrigada, estou apenas olhando”.

Hoje, conversando com a Viviane Quiessi, falamos sobre essa desculpa e a dificuldade em dizer para uma vendedora simpática que não vamos comprar nada. Para tuuuudo! Gente, não precisamos nos sentir constrangidos em dizer que não queremos comprar um produto!

Vivi, querida, você pode sim continuar usando sua desculpa de chamar o marido para ajudar na escolha ou, simplesmente, dizer para a vendedora: “Obrigada, estou apenas olhando”!

Hoje em dia, como estou apenas olhando mesmo (literalmente, falando), só o passeio pelas lojas está me satisfazendo. Ainda bem né? Peloamor…. heheheh

Quando você enfrentar a vendedora, sem inventar uma desculpa qualquer, vai se sentir mais confiante! Gente, precisamos aprender a dizer não! Agir desta forma vai te ajudar em muitas outras áreas da sua vida, evitando assim, ser explorado pelos amigos, parentes, colegas de trabalho….

Aprender a dizer não vai te ajudar também a não se endividar e isso, meus amigos, é a melhor coisa! Vai por mim e que Deus NOS ajude.