O dinheiro do cheque especial não é seu!

Dia 298/365:

Quando você tira um extrato no caixa eletrônico da sua agência vai aparecer o valor do cheque especial incorporado ao seu saldo. Mas não se engane: este dinheiro não é seu! É do banco, que ele malandramente coloca pra você, como se estivesse sacudindo uma isca para o peixinho.

As novas regras do cheque especial entraram em vigor ontem, dia 1/7, e começaram a valer em todo o território nacional. Por conta disso, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgaram uma pesquisa sobre o uso deste recurso que o banco disponibiliza para ajudar? Talvez, mas, na minha opinião é para atrapalhar a vida financeira das pessoas.

De acordo com o SPC Brasil e o CNDL, 17% dos consumidores recorreram ao cheque especial nos últimos 12 meses (29% destes eram das classes A e B). E quase a metade destes consumidores (46%) possui o hábito de usar esse valor todos os meses. O principal erro das pessoas que utilizam o cheque especial todos os meses foi ter incorporado esse valor à sua renda mensal. Desta forma, não conseguem sair desta situação.

Quando você não consegue cobrir o cheque especial, ou seja, quitá-lo, você pode acabar com o nome na lista de inadimplentes e aí, você pode dar um tchau para crediário e empréstimos. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) acredita que essa situação vai acabar com as novas regras do Cheque Especial.

Com as mudanças que entraram em vigor nesse domingo, a tendência é acabar essa farra de incorporar o cheque especial à sua renda mensal. A partir de agora, as instituições financeiras passarão a entrar em contato com os clientes que usarem mais de 15% do limite da conta por 30 dias consecutivos. Pela nova regra, os bancos deverão oferecer como alternativa um financiamento pessoal mais barato, com a possibilidade de parcelar a dívida.

Apenas cuidado, pois, você estará saindo de uma dívida para entrar em outra mais longa. E se você tem o hábito de usar o cheque especial poderá ter a dívida do financiamento e mais o cheque especial para pagar. Os bancos também deverão orientar as pessoas sobre o uso correto do cheque especial, que deveria ser de forma emergencial e temporária.

Vale lembrar que o cheque especial é uma das mais caras modalidades de crédito no país. Em maio, os juros tiveram queda, mas seguem em um patamar considerado bastante elevado: 311,9% ao ano. É de deixar qualquer um de cabelos em pé. Por isso, evite ao máximo usar o limite do seu cheque especial, mas, se o fizer, pague o valor integral para não rolar a dívida.

Os leitores do ‘Obrigada, estou apenas olhando’ já sabem disso. Mas não custa lembrar. O assunto foi tema do post por conta das novas regras do cheque especial que já estão valendo em todo o país. Por isso, fiquem atentos às orientações de todos os dias. E que Deus continue NOS orientando, protegendo e mostrando os caminhos sem dívidas e inadimplência. Honre suas despesas,  faça planejamento financeiro, controle suas finanças, peça inspiração de Deus, glorifique SEU nome que Ele vai te honrar e te ajudar. Eu creio! 😉

Endividamento cíclico, você padece desse mal?

Dia 292/365:

Vira e mexe você está endividada (o)? Consegue pagar as contas atrasadas, guarda dinheiro, e depois de um tempo, se descuida e volta tudo à estaca zero? Antes do “Obrigada, estou apenas olhando” passei por isso e vou te contar como sai!

Se isso já aconteceu com você ou está acontecendo neste momento, você sofre de um mal conhecido como endividamento cíclico.

Imagine a situação: não importa o quanto faz ou se esforça, você acaba cedendo à tentação e usando a reserva financeira para uma compra supérflua, mas aí acontece um imprevisto que acaba te endividando.

Lei de Murphy? Não! Falta de prioridade, planejamento e foco! Você se descuidou do controle financeiro, deixou seus sentimentos falarem mais alto e se deixou levar pelo impulso, pela emoção.

Muitos podem ser os fatores que te levam a isso, mas uma coisa é certa: você só vai encontrar uma saída quando quebrar esse ciclo!

E como fazer para quebrar esse círculo vicioso? Mudando seus hábitos! O medo de cair me rondou, logo no início deste desafio. Cheguei a pensar “E se eu não aguentar? Vou voltar a ser como era antes?” Me agarrei à minha fé para afastar a insegurança e foquei em ter uma reserva financeira. Deu certo!

Hoje há poucos meses do fim deste desafio, a meta está quase cumprida. E estou orgulhosa do meu propósito, da força de vontade e da resiliência que me acompanhou neste tempo de mudança e transformação.

Você só precisa de foco e determinação. Abra mão de alguns gastos, tenha consciência do que pode fazer e, principalmente, do que não deve fazer. Assuma para os outros e para você mesma (o)! Fale em voz alta: ouça a sua determinação e Deus vai te abençoar porque conhece a sua vontade de vencer! Xô, dívidas! Xô, vida financeira capenga! Que venha vida nova! Que venha prosperidade! 😉

Para limpar o nome: 16% recorreram ao empréstimo

Dia 284/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ anunciou há dois dias que 63,29 milhões de brasileiros deixaram de pagar suas dívidas a ponto de ter o nome negativado. Destes, 16% que estão tentando ‘limpar o nome’ recorreram ao empréstimo.

TV, jornal e internet bombardeiam todos os dias propagandas que oferecem sempre as melhores taxas de juros e os prazos mais estendidos para pagar…  Alguns até sinalizam com ‘crédito para negativados’…

Agora, por outro lado, imagine a situação de uma pessoa neste mar de 60 milhões: contas em atraso, ameaças de credores por falta de pagamento, sem dinheiro para comprar o básico para o cônjuge e filhos. Não deve ser fácil. Estas pessoas são presas fáceis destas propagandas. Uma pesquisa rápida no Google, com a expressão “empréstimo pessoal”, é possível encontrar mais de 9 milhões de resultados.

Imagina isso martelando na cabeça de uma pessoa que está inadimplente. A internet ainda facilita a contratação de empréstimos sem a chateação de olhar para a cara do analista (e ter que explicar o motivo de tal empréstimo. É humilhante, já passei por isso a long time ago).

Mas não pense que é somente a classe C e D que recorrem ao empréstimo. De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) o  percentual de inadimplentes sobe para 21% entre os consumidores das classes A e B.

As pessoas inadimplentes, no desespero de resolver a situação, não avaliam que os empréstimos para negativados, apesar de serem concedidos de forma ágil e com o mínimo de burocracia, cobram juros altíssimos. Cuidado, pois você está contraindo uma nova dívida para quitar outra. Avalie o valor das parcelas (se cabem no seu orçamento) e os prazos de pagamento, se vai conseguir honrar este novo compromisso, ou vai contrair uma dívida que pode se tornar praticamente impagável.

Independente da forma que contrair o empréstimo, pesquise sobre a idoneidade da empresa a fim de evitar fraudes ou golpes: busque informações sobre a empresa, busque informações em bancos a respeito da financeira, cheque o CNPJ e busque informações no Reclame Aqui.

Depois do empréstimo, busque negociar suas dívidas com seus credores. Mas, se durante as negociações você ficar com alguma dúvida, não decida na hora. Peça uma cópia da proposta e um tempo para avaliar. Leve pra casa e converse com a família. Avalie se a quitação desta dívida não vai impactar o dia a dia da sua família. Faça uma contraproposta e boa sorte!

Vai dar tudo certo. E pense bem antes de fazer uma nova compra que pode te complicar lá na frente. As próximas compras? Não faça! heheheh Vou ficar aqui torcendo para que você consiga quitar suas dívidas para poder dormir tranquilo (a) como a moça da foto que até esquece o relógio tocando heheh Tenha fé e confie, pois, o Deus que servimos não NOS desampara. Nunca… 😉

 

É possível parcelar sua dívida do cartão com juros mais baixos

Dia 245/365:

Depois de falar tanto sobre cartão de crédito esta semana, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ quer ajudar você a parcelar suas dívidas do cartão com juros mais baixos do que as opções oferecidas pelo gerente do seu banco.  Sim, é possível!

Por ser popular, o cartão de crédito é uma das modalidades mais usadas pelos consumidores para parcelar suas compras. O perigo está no limite. Quanto mais você usa o cartão, mais limite o banco vai oferecer, enrolando as pessoas cada vez mais. Dependendo do dia da compra, é possível ter até 40 dias para começar a pagar. A promessa é fantástica, mas TEM que pagar!

E com tantas facilidades, é melhor usar com sabedoria, não? Os juros rotativos podem chegar até 340% ao ano. Então, é melhor tomar cuidado ao resolver utilizar esta modalidade de crédito. É muito fácil se enrolar. Basta pagar uma vez o valor mínimo da fatura para perder o controle de tudo.

E para aquela pessoas que já estão enroladas com as faturas do cartão, nosso conselho é: encontre uma forma de negociar sua dívida, antes que seja tarde demais. O banco da sua conta vai te oferecer empréstimo com juros altíssimos. Melhor encontrar outras linhas de crédito mais baratas:

– Analise a fatura e descubra quanto a empresa emissora do seu cartão está cobrando de juros na opção de pagamento parcelado;

– Você sabia que pode fazer a portabilidade da sua dívida? Sim, pode manter o pagamento parcelado em outra instituição que te ofereça juros mais baixos.  Quando o cliente faz a portabilidade da dívida, o novo banco quita o valor com o banco anterior e tem início uma nova dívida. Por isso, pesquise as instituições que ofereçam taxas mais baixas para, por exemplo, fazer um empréstimo para quitar a sua dívida;

– Empréstimo pessoal x crédito consignado: você sabe a diferença? O empréstimo pessoal é mais fácil de tomar, geralmente, há um limite pré-aprovado para cada correntista do banco. Suas taxas são menores do que as do cartão. Segundo o Banco Central, rodam em torno de 126% ao ano. Já o crédito consignado tem desconto em folha de pagamento, ou seja, diretamente no holerite. O consignado tem uma taxa bem menor 26% ao ano, pois o banco tem uma segurança maior de que você vai pagar sua dívida.

– E na hora de negociar a sua dívida, pechinche com o banco!  Converse com seu gerente e mostre a ele que você sabe que outros bancos oferecem taxas menores e que está disposto a ir até eles para negociar (não custa tentar, né?) Dependendo do tempo que você tem a conta no banco, pode ser que esta tática funcione hehehe

–  Informe-se não apenas sobre o valor da parcela que será paga mensalmente – questione o gerente sobre a taxa de juros mensal e anual que a dívida significa. Não aceite uma parcela maior do que a que pode pagar por mês, pois isso, apenas lhe deixará sem credibilidade para novas negociações, caso você não consiga pagar a parcela no mês seguinte. Se nenhuma das opções oferecidas pelo banco couberem em seu orçamento, a dica é procurar em outra instituição mesmo;

–  Cuidado com o período em que estiver quitando sua dívida: não assuma novas responsabilidades. O ideal seria me seguir no propósito sem compras heheh ou se não der, aposente o seu cartão pelo período que durar o parcelamento da dívida ou até que retome o controle da sua vida financeira. Melhor não correr riscos.

Fácil não é, mas também não é impossível! Você vai conseguir: seja honesto e sincero com o gerente do banco. Fale a verdade, não minta sobre suas possibilidades e, principalmente, não minta para você (e nem pra Deus). Converse com Ele, mostre a sua disposição em resolver, com sinceridade no coração, a sua situação e tenho certeza de que Ele vai te ajudar. Vai te abençoar, assim como tem NOS abençoado esse tempo todo em que estamos juntos. 😉

Cuidado com as novas regras do cheque especial

Dia 221/365:

Hoje, o post é de alerta sobre um das mais caras modalidades de crédito no Brasil: o cheque especial e o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ já alertou aqui sobre os perigos do cheque especial que tem a maior taxa de juros ao ano. Só pra você ter uma ideia, em fevereiro, a taxa média chegou a 324,1% ao ano.

Na semana passada, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) anunciou as mudanças nas regras do cheque especial. O nosso alerta é para que você fique atento e não se endivide ainda mais.

As novas regras foram aprovadas por todos os bancos e passam a valer a partir de 1º de julho. A gente já falou aqui que o dinheiro do cheque especial não é seu. Tem gente que usa como dinheiro em conta e vai aproveitando como se fizesse parte do seu saldo bancário, durante o mês todo. Está errado! Para estes ‘espertinhos’, o banco vai, a partir de julho, oferecer um financiamento pessoal mais barato como alternativa para liquidar o limite utilizado.

De onde veio essa ideia? O governo já vinha sinalizando a possibilidade de adotar medidas para forçar a queda dos juros do cheque especial (já era tempo, não) como aconteceu com o cartão de crédito. As mudanças, segundo a Febraban, vão no sentido de orientar o consumidor sobre o uso adequado de produtos e serviços bancários. O que eles estão fazendo é forçando você a entender que este dinheiro não é seu.

Mas, por outro lado, a federação está com medo de que o camarada que não conhece sua situação financeira adquira o financiamento num mês e no mês seguinte use o cheque especial de novo. E isso não é difícil de acontecer, hein. Se sem o financiamento para pagar, a pessoa já usava o cheque especial, imagina com uma conta a mais para pagar?

Superendividamento – Já ouviu esta expressão? Esse é o risco que os consumidores que não têm controle de suas finanças correm a partir de agora. Suponhamos que o correntista tenha 4 mil de limite de cheque especial e utiliza o limite ao longo do mês. O banco vai cobrar esse dinheiro e mais os juros. Quando você usa o limite do cheque especial a sua dívida com o banco vira uma bola de neve que só vai crescendo. Suponhamos também que em três meses, você não conseguiu pagar a dívida e pede um financiamento no banco para quitá-la.

Se você não conseguir pagar, a dívida com o cheque especial só vai aumentando e agora, você tem também um financiamento para honrar. Se continuar usando o limite para, por exemplo pagar as parcelas do financiamento, com os juros do cheque especial em mais de 300% ao ano, em um ano, a sua dívida que era de 4 mil passa para 40 mil. Estes números são reais e estou usando aqui para te assustar mesmo e não entrar nessa de usar o limite do cheque especial. Repito: ESSE DINHEIRO NÃO É SEU!

O Superendividamento é o nome que se dá para a pessoa que tem mais de 50% de sua renda comprometida com débitos. Normalmente essas pessoas têm mais de um financiamento e quando o salário “cai” na sua conta, o banco vai lá e ‘come’ tudo, literalmente.

Campanha do Sapo – 

A FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) lançou em março a campanha “Chega de engolir sapo” contra os altos juros dos bancos. Eles usam um exemplo bem fácil para entender como funciona de maneira desproporcional com que os bancos cobram os juros:

“Se uma pessoa tivesse ido a um banco para depositar R$ 100,00 na caderneta de poupança há dez anos, teria hoje na conta R$ 198,03. Se essa mesma pessoa tivesse usado o MESMO VALOR DE R$ 100,00, no cheque especial, na mesma data, teria hoje, no mesmo banco, uma dívida de R$ 4.394.136,97!! (QUATRO MILHÕES, TREZENTOS E NOVENTA E QUATRO MIL, CENTO E TRINTA E SEIS REAIS E NOVENTA E SETE CENTAVOS)”

Absurdo né, gente? Por isso é importante não nos deixarmos levar pelo dinheiro do cheque especial que está lá como alternativa para ser utilizado. Cuidado! O banco não deixou esse dinheiro lá porque ele é bonzinho. Ele deixou esse dinheiro lá, à sua disposição, por conta destes valores aí em cima. Não caia nessa!

Até eu fiquei assustada com tudo isso. Não dá mesmo para termos um país melhor se as pessoas estão endividadas. E a solução para isso não é ganhar mais hein. Em nenhum momento eu falei que você precisa ganhar mais, você precisa gastar menos do que ganha. Aprender a dar valor para o dinheiro, aprender a conversar com a sua família sobre isso: saber, exatamente qual é a receita familiar e planejar os gastos.

Que Deus NOS ajude e NOS afaste de mais esta armadilha. Ele não quer que nos endividemos, ele quer que tenhamos uma vida próspera. E você já entendeu isso né? Que Ele continue NOS abençoando e NOS protegendo. E até puxando a NOSSA orelha se entrarmos no cheque especial. Seja em Deus 😉

Filmes ensinam, mas a gente só aprende quando está preparado

Dia 180/365:

Já perdi a contas de quantas vezes assisti ao filme “Os delírios de consumo de Becky Bloom”. Mas encarava como uma comédia romântica e agora, depois do ‘Obrigada, estou apenas olhando’, pude assistir o filme com outros olhos…

Foi como se uma venda fosse tirada da minha frente… Sempre vi o filme fascinada pela forma como a personagem principal, Rebecca Bloomwood, se veste. E nem me ligava no consumismo… Você já assistiu? Senão, aproveite: faça um balde de pipoca, aprenda e divirta-se.

É uma comédia, mas traz um profundo ensinamento sobre consumismo e sobre os apelos das campanhas de marketing e vitrine atraentes e sedutoras. Becky é vítima deste consumismo e, por não conseguir se conter, ela vê sua vida pessoal, profissional, financeira e psicológica de cabeça para baixo.

Desvio psicológico: ela mente. A personagem é uma graça, divertida, atrapalhada, mas mente  para os credores, descaradamente, inventando a cada cobrança uma desculpa mais absurda e esfarrapada. Mente para os amigos para conseguir dinheiro, ter dívidas perdoadas (a amiga de quem é inquilina). Mente para conseguir comprar algo e até “mata” pessoas da família em suas estórias.

Ela nos mostra a diferença entre querer e precisar. Ela tem um guarda-roupas entulhado de coisas, mas passa o filme comprando roupas e acessórios em todas as oportunidades que aparecem.  E o fato de não saber diferenciar necessidade de desejo é que ela se enrola e provoca todo o descontrole em suas finanças. Se ela conhecesse o Pedro Braggio, ela saberia a diferença entre precisar, querer ou estar surtando.

Ela prioriza os gastos, ao invés de quitar as dívidas. Becky gasta mais do que ganha e prefere gastar (sempre que tem dinheiro na mão ou um cartão de crédito aceito) do que pagar suas dívidas. Não controla suas faturas e vai, ao longo do filme, acumulando dívidas. Ela tem vários cartões de crédito: uma carteira cheia deles e vai usando desenfreadamente. Se você nos acompanha, já sabe que o cartão de crédito é um dinheiro que não é seu! Faça suas compras à vista!

Ela consegue se livrar das dívidas. A dívida de Becky é gigante: 16 mil dólares. Depois de perder o emprego, ela fica num mato sem cachorro e, com a ajuda da amiga, ela assiste vídeo-aulas sobre educação financeira, entra num grupo de compradores compulsivos anônimos, mas nada dá certo. E, depois de perder o amor e a amiga, por conta de suas mentiras para sustentar o vício de comprar, Becky tem a ideia de fazer um leilão com suas roupas para conseguir quitar suas dívidas. E o que ela nos ensina com isso? Que mesmo que a sua situação for a pior possível, você consegue sair dela, com determinação e foco. Ela aprende que o importante é ser e não ter. Consegue se reconciliar com a família e o namorado, mas, o melhor de tudo, é que ela passa a investir nela mesma, volta a estudar e vai aprender um novo idioma…

Ela deu a volta por cima. E se teve seu final feliz, nós também podemos. Acredito em mim, assim como acredito em você que está lendo este texto agora. Vamos conseguir, aliás, estamos conseguindo. A cada dia, mais próximo do fim deste desafio, as dificuldades vão se amenizando, não é?

É a certeza de que Deus cuida de NÓS, abençoando, olhando, protegendo, livrando e, acima de tudo, NOS inspirando para aproveitar todas as oportunidades com saúde e sabedoria. 😉

Foto: reprodução/divulgação

CPF negativado: saiba como resolver

Dia 158/365:

Em pleno Carnaval e o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ está falando sobre dívidas. É que uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgada na sexta-feira de Carnaval (9) revelou que  metade da população entre 30 e 39 anos está com o CPF negativado.

Triste notícia para um início de ano, né gente? Isso significa dizer que esse pessoal, um total de 17,3 milhões de consumidores, começou o ano de 2018 com o nome inscrito em alguma lista de devedores. CPF negativado inviabiliza crediário e empréstimos.

Mas os números não assustam somente na faixa entre 30 e 39 anos, não! 13,4 milhões de pessoas entre 40 e 49 anos também estão na mesma situação. Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, “é nessa fase da vida em que a corrida ao crédito acaba sendo inevitável, pois muitos já constituíram família, possuem filhos e assumem mais compromissos financeiros. Em um momento de crise, pode ser difícil equilibrar o orçamento se não houver controle e disciplina”, explica a economista.

O SPC Brasil orienta como você deve proceder para ‘limpar’ o seu nome:

– Se você recebeu uma notificação, verifique qual foi a empresa que te mandou o comunicado;

– Se você não sabe qual a empresa te negativou, você pode obter essas informações entrando em contato diretamente com um posto de atendimento do serviço de proteção ao crédito, na sua cidade. Leve sua carteira de identidade e CPF;

– Peça um demonstrativo de todas as pendências registradas e procure a empresa para fazer as devidas negociações.  Um primeiro contato que sinaliza a sua intenção de pagar sua dívida é muito importante no processo de negociação;

– Seja sincera (o) e deixe clara a sua real situação financeira e o quanto de fato pode pagar. Lembre-se que o credor tem tanto interesse em receber a dívida quanto você tem em quitá-la;

– Se tiver uma poupança ou outro investimento, esta é a hora de utilizar o dinheiro guardado para ajudá-lo a sair das dívidas! Quanto mais tiver para mostrar, mais facilmente conseguirá uma boa negociação;

– Se o problema for um cheque sem fundo, procure a agência bancária na qual você tem conta. “Cubra” o cheque com o valor devido. Caso não saiba onde ou para quem deu o cheque, o banco poderá te disponibilizar uma cópia microfilmada dele;

– Após acertar suas contas com a empresa, ela mesma irá retirar seu nome da lista de devedores dos serviços de proteção ao crédito.

E enquanto isso, fico aqui na torcida para que você não seja um dos 17,3 milhões de pessoas! Mas, se for, fique em paz, que a sua decisão de resolver as coisas vai contar pontos a seu favor. E que Deus continue NOS ajudando e NOS protegendo das dívidas, dos serviços de proteção ao crédito e de todo o mal. 😉

 

Não endivide seus avós!

Dia 70/365:

Estamos às vésperas das festas de fim de ano e o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ precisa te alertar para se conter em presentes e festas se as suas finanças não estão lá essas coisas.

Se você chegou até esta altura do campeonato (mês de novembro) e está cheia de dívidas: cartão de crédito, despesas com a casa atrasadas. Pare, pense e avalie as opções para resolver as suas pendências antes de contrair mais dívidas.

Quem não quer uma graninha extra num momento de aperto? E as financeiras sabem disso e apertam o cerco neste período do ano. Fuja dos anúncios do tipo: “Empréstimo pessoal, agora” ou ainda “Dinheiro fácil sem burocracia”… Fuja sempre que oferecer facilidades fora da realidade.

Digo isso por que você assiste a tevê e está vendo que os juros estão nas alturas. E não adianta pedir para o avô aposentado fazer no nome dele e depois deixar o coitadinho pagando a dívida por você. O seu avô pode fazer o empréstimo consignado, que já vem descontado no benefício que ele recebe do governo. Não faça isso! Para sair do sufoco, não coloque outra pessoa.

Outra dica: não contraia um empréstimo para comprar um supérfluo, como um novo aparelho celular, por exemplo. Mas se você estiver com dívidas mais caras, como cartão de crédito, IPTU atrasado, trocar estas mais altas por uma mais barata, como o crédito pessoal, pode ser uma boa opção.

Fuja das financeiras (pra você e pro seu avô). Elas emprestam dinheiro sem muita burocracia, é verdade, mas os juros são próximos aos do cheque especial ou cartão de crédito, ou seja, são exorbitantes. Quanto mais desesperado você estiver, mais longe passe das financeiras.  Agiotas então? Não vou nem entrar nesse assunto… Você já sabe que não é pra fazer isso!

Se não tiver outra alternativa a não ser pedir um empréstimo, não se esqueça de planejar como sair dele. Lembre-se, é uma nova dívida que você terá que honrar. Negocie o pagamento de modo que as parcelas mensais não ultrapassem 15% da sua renda mensal: você está saindo do atoleiro e não vai querer se afundar ainda mais.

Meu desejo é que você consiga quitar suas dívidas o quanto antes, para que não pague muito juros. Vá se livrando das dívidas mais caras. E, por favor, planeje e controle as suas finanças. Gaste de acordo com as suas posses, ou seja, menos do que você ganha e não mais!

Eu daqui sigo torcendo para que você encontre o seu caminho, como eu encontrei o meu. E que Deus continue NOS inspirando a buscar sempre as melhores oportunidades, fazendo o bem. Sem olhar a quem… 😉

 

Dívidas e despesas: vilãs do planejamento?

Dia 12/365:

A sua renda, seja ela pessoal ou familiar, lhe permite honrar todos os seus compromissos? Se a resposta é não, tá na hora de rever suas dívidas e despesas. Mas você sabe a diferença entre estas duas palavras que podem ser as vilãs do seu planejamento?

Dívida e despesa, do ponto de vista do desembolso financeiro podem ser consideradas como a mesma coisa. Mas não são. A temida palavra dívida se caracteriza pela falta de pagamento, sim o que vulgarmente chamamos de caloteiro. Mas, quem nunca atrasou um pagamento que atire a primeira pedra… Alguém por aí? Oi?

Para que fique bem claro: quando você paga o mínimo do cartão de crédito e rola o restante para outros meses, você está fazendo uma dívida (acredita em mim, esta é a pior de todas: não adie suas dívidas, pagando o mínimo das faturas, sai dessa enquanto é tempo).

O Serviço de Proteção ao Crédito divulgou na semana passada que para 40% dos consumidores, a vida financeira está ruim. Ah, não diga? Tá vendo, gente, não somos só nós! Lembrando que a população brasileira gira em torno de 200 milhões, nós estamos falando de 80  milhões de pessoas (meu Deus, isso é preocupante). A pesquisa revela ainda que o orçamento apertado e a dificuldade de pagar as contas são as principais razões para esta afirmação.

E é nesta tecla que a gente vem batendo! Orçamento apertado, gastar mais do que ganha, se endividar… Chega, você pode se libertar das suas dívidas e repensar suas despesas!

Quais são as suas despesas?

E despesa, o oque é? Despesa é o que nós gastamos! Ah tá, e não é a mesma coisa? Não! Despesa é aquilo que você gasta e paga. Ela pode ser dividida em fixas e variáveis. As fixas são aquelas que são essenciais e não podem ser cortadas do orçamento. Essas despesas são as mais importantes, como gastos com aluguel ou parcela de imóvel, condomínio, alimentação básica, gás, escola dos filhos (no caso das particulares), passagem de ônibus ou combustível, remédios de uso contínuo, dentre outras.

Já as despesas variáveis, por sua vez, podem ser dividas entre aquelas que podem ser reduzidas e as descartáveis. É aqui que o nosso rico dinheirinho se esvai… heheh Entre as que podem ser reduzidas estão os gastos com roupas, sapatos, bolsas (nãoooooo heheheh), cabeleireiro, produtos de beleza, TV por Assinatura, água, luz, telefone…

Aqui em casa, água e luz já pago o mínimo, mas, a conta do celular vinha alta. O que fiz? Uma semana antes de começar este desafio, migrei minha conta da Vivo para a Claro por conta do valor oferecido pela segunda operadora. Pasme, a redução foi de 50%.

Na sua casa você pode ainda sentar e conversar com toda a família para reduzir os custos com luz  e água, por exemplo. Assim, além de baixar o valor dos boletos, você ainda contribui com o meio ambiente *.

Agora que você já sabe a diferença entre dívida e despesa, você pode ficar mais atenta às suas próximas compras. Quando vir uma bolsa linda, um sapato maravilhoso ou aquela blusinha que custa só R$ 49,99 (custa mais, eu sei heheh),  peço que você se faça as seguintes perguntas: “Eu posso pagar?”; “Eu preciso ter?”; “Eu devo comprar?”  ou ainda “Existe uma opção mais barata?”

Esta mudança de postura diante das compras vai te ajudar. Eu tenho certeza. Eu mesma já estou fazendo isso e vem dando certo. Tá lembrada daquele espremedor de frutas, do post do dia 8/365? Encontrei um perto de casa, com uma qualidade melhor e mais barato que o mais barato do shopping.

Obrigada por estar aqui me acompanhando e que Deus NOS ajude.

*Se você acessar o site da Viva Mais Verde, você vai encontrar umas dicas bacanas para economizar água e energia na sua casa.