Foi Deus que me fez puxar conversa com você!

A coisa mais difícil de nosso relacionamento com bancos é desabilitar algum serviço que eles tenham “gentilmente” nos oferecido. Com o “Obrigada, estou apenas olhando”, foi uma novela cancelar o título de capitalização, tá lembrado?

Ah, aproveitando se você tem um, melhor cancelar também: você está perdendo dinheiro. Mas, para entender melhor, clica aqui e descobre o motivo!

Voltando ao título deste post, essa semana fui ao banco e enquanto aguardava ser atendida por um dos gerentes, uma moça, senta-se ao meu lado e logo puxa conversa, reclamando justamente da relação com o banco.

“Aumentaram o limite do meu cheque especial e preciso cancelar”. Fiquei feliz por ela naquele momento, mostrava maturidade na atitude, mas depois fiquei preocupada com a próxima revelação: “Já estou usando esse novo limite, parcelei a fatura do cartão de crédito e estou com o nome ‘sujo’ por ficar devendo para outro banco”.

Aí pensei sobre a irresponsabilidade do banco em dar um cartão de crédito para uma pessoa que já estava negativada.

Tentei explicar – com todo o cuidado do mundo – que ela tinha que se controlar e gastar dentro do seu orçamento. Mas quando perguntei se ela sabia quanto gastava, a resposta foi negativa. “Mas meu marido sempre diz que compro muito”, revelou, envergonhada.

Se as pessoas estão percebendo, então deve ser verdade. Expliquei da importância de fazer um planejamento, de monitorar e controlar os gastos e, de repente, ela vira pra mim e diz: “você deveria dar aulas sobre isso!”

Foi o melhor elogio que poderia ter recebido. Contei pra ela sobre o meu desafio, sobre o “Obrigada, estou apenas olhando” e ela comentou: “Foi Deus que me fez puxar conversa com você”, sim, querida, foi mesmo!

Quando saí do banco, ela ainda conversava com o gerente e espero, do fundo do coração, que ela tenha conseguido resolver a sua situação. Orientei como ela deveria conversar com o gerente e tomara que tenha dado certo.

Pessoal, cuidado com o banco e os produtos que eles oferecem. E, lembre-se, o gerente é do banco e não seu! Ele sempre vai trabalhar para o que for melhor para o banco, fique atento e faça valer seus direitos.

Que Deus continue NOS orientando e inspirando a falar com as pessoas certas nos momentos cruciais da nossa vida e que possamos estar atentos para orientar, ouvir sem julgar e ajudar todos que precisarem! Seja feliz! 😉

Tenha sempre um bom motivo

Dia 353/365:

Poupar por poupar é sempre mais difícil. Este foi um dos ensinamentos que aprendi com o “Obrigada, estou apenas olhando”.

E fazendo uma retrospectiva, já vivi isso em 2012, quando decidi que iria aprender a dirigir e compraria meu carro à vista! Apesar de não saber ao certo, estava colocando em prática uma orientação de educação financeira.

Naquela época comecei a guardar 1/5 do meu salário e, e em 2015, consegui comprar o carro à vista. O meu erro foi parar de poupar quando consegui atingir meu objetivo.

Mas a vida me deu uma nova oportunidade de fazer o que é certo. Me assustei quando precisei de dinheiro para contornar um imprevisto e não tinha… E o choque me fez cair na real!

Passei a avaliar as minhas atitudes e os meus hábitos e percebi que estava fora de controle. Estudei, li muita coisa sobre o assunto e aprendi como organizar a minha vida financeira.

A meta desta vez era ter uma reserva financeira. Parar de comprar foi uma das estratégias para atingir o objetivo. E voilá, deu certo!

O desafio de não comprar acaba em 12 dias, mas a reserva financeira vai continuar ‘ad aeternum’, ou seja, para sempre! E porquê? Por que é a coisa certa a fazer. Por que é o propósito de Deus na minha vida: ter uma vida tranquila e feliz, por mim mesma…

Viver em paz e sem ansiedade por causa de dinheiro é algo que muitos desejam alcançar mas poucos conseguem. Mas eu digo que NÓS vamos conseguir!

Comece a poupar hoje mesmo! Se você ainda não tem um objetivo claro, faça por você e pela sua independência financeira: aquela tranquilidade que muitos buscam, mas só aqueles que se propõem a viver os sacrifícios é que conquistam!

Que Deus abençoe NOSSAS vidas em todos os momentos e que o Espírito Santo continue NOS inspirando a sempre tomar as melhores decisões para NÓS mesmos! Seja feliz! 😉

A foto com minha mãezinha é uma forma de agradecê-la por ser minha inspiração em muitos momentos da minha vida. Inclusive neste! Espero que ela esteja orgulhosa de mim! Te amo, mãe… Sinto sua falta! 🙏🏻❤️

Por onde começar?

Dia 351/365:

Planejamento financeiro leva tempo, não é da noite para o dia que você vai conseguir se organizar financeiramente, principalmente, se você tem muitas dívidas pendentes. Mas o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai te ajudar neste início. Afinal, nós temos experiência neste quesito hehehe

A relação entre os rendimentos mensais e gastos fixos tem que dar um saldo positivo e tem que sobrar. E porque sobrar? Porque além dos gastos fixos, tem que sobrar para o lazer e para a reserva financeira. Mas basta tomar a decisão que tudo é possível, com perseverança e dedicação.

O primeiro passo é tomar a decisão de colocar as suas finanças em dia. Pode ser hoje? Pode! Ou melhor, deve! Depois, anote tudo numa planilha, em papel ou no computador, tudo que vai entrar no próximo mês: salário, renda, rendimentos extras (como aluguéis, comissões…). E todas as despesas fixas: faça uma estimativa média das contas de água, luz, telefone e tv a cabo, condomínio, escola das crianças, transporte… E se tiver contas parceladas, aproveite também para relacionar os valores de acordo com os vencimentos das contas.

A planilha que nós divulgamos há algum tempo, desenvolvida por um profissional da área de finanças de um grupo empresarial de Jundiaí, pode te ajudar a ver todos esses gastos e, inclusive, os gastos futuros. Você conseguirá prever, por exemplo, por anos à frente. Isso vai te ajudar a notar se com o passar do tempo, você ficará no azul, com o fim de despesas sazonais (cartão de crédito, por exemplo).

Não esqueça de anotar todos os gastos do mês e a considerá-los no próximo mês, caso sejam gastos parcelados. O melhor desta planilha que divulgamos (só clicar no link que você a encontra para baixar no seu computador) é que se você preencher uma vez, o rendimento ou a despesa se repetirá nos próximos meses, só fazer as previsões. Assim, a primeira vez vai dar um pouco mais de trabalho, mas as próximas anotações ficarão mais fáceis, você só vai atualizando..

Mas, o mais importante de tudo isso é tomar a decisão. Decida! Por você, pela sua paz de espírito e, se for casado (a), pela sua família e filhos. Lembre-se, as crianças aprendem muito mais pelo exemplo do que pelas palavras…

Tomou a decisão agora? Parabéns! Que Deus TE abençoe e TE dê forças para continuar firme. Você vai conseguir! Seja feliz! 😉

E lá se vão 34 semanas do nosso Desafio

Dia 348/365:

O Desafio das 52 Semanas para criar uma reserva financeira, lançado pelo “Obrigada, estou apenas olhando” já está na Semana 34.

E você, está participando? Se você estivesse, já teria guardado uma boa quantia. Para quem começou com apenas R$ 2,00 já teria R$1.190,00 guardados.

Você sabia que apenas R$1,00 por semana já estaria fazendo a diferença na sua vida e na sua reserva financeira? Se tivesse começado com apenas R$1,00 já teria guardado quase R$600,00 sem contar os juros (sim, eu sei que os juros da poupança não são lá essas coisas, mas ainda assim é melhor do que guardar em casa).

Mas se você começou com R$5,00 na primeira semana e conseguiu acompanhar, gradativamente, os valores, semana a semana, hoje você já teria quase R$3 mil. Legal né?

Se interessou? Você pode começar agora, aproveitando planilha disponível no link e fazer o seu próprio desafio de 52 semanas. E em agosto do ano que vem já terá quase R$ 7 mil guardado.

Uma grana que você poderá manter investida ou fazer o que quiser: trocar o celular por um modelo mais moderno, viajar, renovar o seu guarda-roupas, trocar os móveis da casa…

As possibilidades são infinitas! Aproveite as orientações de Deus. Ele poderá te ajudar, tanto a guardar dinheiro, controlando sua vontade de gastar, quanto a encontrar um propósito: Ele vem me ajudando. E vai te ajudar também! 😉

Uma loja ansiosa

Dia 338/365:

Desde que comecei este desafio com o “Obrigada, estou apenas olhando”, sinto, a cada dia que as pessoas e, principalmente, as lojas estão mais ansiosas que eu com a chegada dos 365 dias.

Hoje, fui ao salão (o Espaço da Beleza, comandado pela Joyce e pela Leticia, faz parte de uma parceria de troca de serviços que vem dando muito certo). Lá tem uma loja de roupas, a Piazzo Modas. A ideia é ótima né? A empreendedora está no lugar certo: salão de beleza está sempre repleto de mulheres e mulheres quando veem roupas….

Mas sempre que a Susiane, dona da Piazzo, me encontra pergunta: – E aí, já acabou o seu jejum? Tenho coisas lindas aqui! E, diante da minha resposta negativa, inconformada, ela questiona: – Não acabou ainda?

Eu dou risada e explico que está acabando. Mas o que as pessoas precisam entender que este desafio é mais que um ano sem compras: é um ano de muito aprendizado!

E como voltar a ser a mesma pessoa depois de tanta coisa na cabeça? Como voltar a ser a mesma pessoa depois de tanto aprendizado? Como voltar a ser a mesma pessoa depois de aprender a dominar minhas vontades e desejos em detrimento de um objetivo maior?

Outra loja que não se conforma com meu um ano sem compras é uma de lingerie: a vendedora me manda mensagem no WhatsApp todo mês, com fotos lindas dos produtos e sempre pergunta: – Já acabou? Pode comprar agora?

Entendo a vontade das lojas em vender e até agradeço a Deus por elas estarem me questionando, me procurando e me “tentando”: isso me ajuda a lembrar dos meus objetivos e me mantém longe do perigo e firme no propósito! Obrigada, Senhor! 😉

A foto da ampulheta ilustra bem a ansiedade das lojas e o meu resultado: saldo positivo! 💰💴

Hábito e prioridade

Dia 331/365:

As pessoas que sabem que estou neste desafio de ficar um ano sem compras, com o “Obrigada, estou apenas olhando”, sempre me fazem duas perguntas.

A primeira sobre como estou conseguindo viver sem comprar. E quando digo que sim, a reação é de olhos arregalados e outra pergunta: “Nada mesmo?”, como se fosse impossível ficar sem comprar roupas, bolsas e sapatos. Eu também acreditava que era… hehehe

A segunda pergunta é sobre o resultado. Dinheiro investido: este é o resultado! No início o calor guardado era menor, até conseguir terminar de pagar os boletos a vencer que eu tinha. Agora, consigo guardar uma média de 35% da minha renda mensal.

E sempre que respondo isso, vem sempre uma observação: “Não consigo guardar. Como você faz?” Duas palavras conseguem dar conta de explicar: HÁBITO E PRIORIDADE!

Nossos hábitos são nosso ‘piloto automático’. A gente acaba gastando sem perceber, seja por situações emocionais (alegria, tristeza, estresse), seja pelas companhias. Os amigos saem para balada, e você não sabe como dizer não…

A solução está na mudança de seus hábitos. Como fazer isso? Conscientizando-se da sua real situação financeira. Aceitar que não pode ou não têm condições financeiras para acompanhar os amigos, por exemplo, é um grande passo rumo à sua estabilidade. E não desconte suas emoções em compras, nem em comida! Pratique exercícios físicos, como caminhada, por exemplo. Você se exercita e não gasta!

Qual a sua prioridade? Você tem um sonho? Quer realizar algo? Estudar, viajar, comprar um carro ou apartamento? Se não tem, encontre um! Realizar um sonho requer disciplina. E você também terá que abrir mão de algumas coisas para realizá-lo. Uma delas é parar de gastar com supérfluos. Acredite, é assim mesmo que acontece.

Busque os seus sonhos, defina suas prioridades e mude seus hábitos de consumo, principalmente. E tenho certeza de que vai conseguir! Hábitos e prioridades: o domínio sobre as suas vontades! Que Deus abençoe seus sonhos! 😉

Uma conversa com Warren Buffett

Dia 325/365:

Entre os meus amigos, aqueles que apoiam e torcem pelo meu propósito, estão sempre me mandando alguma foto, marcando em postagens que remetem ao objetivo do “Obrigada, estou apenas olhando”.

Esta semana recebi, via WhatsApp, uma imagem com os conselhos sábios de Warren Buffett. Talvez você nunca tenha ouvido falar dele, mas se você quer ter sucesso financeiro, seguir os conselhos dele pode ser uma boa estratégia.

Mas quem é Warren Buffett? Fundador da Berkshire Hathaway, ele tem uma fortuna avaliada em US$ 80,7 bilhões de acordo coma Forbes. Mas nem tudo foram cifras na vida de Buffett.

Mas uma coisa é certa, apesar da família humilde, ele sabe como construir riqueza: aos 30 anos, ele já tinha acumulado seu primeiro milhão de dólares.

Se estivéssemos na presença de Warren Buffett, certamente ele nos daria alguns conselhos:

  • Sobre Ganhos: nunca dependa de apenas a fonte de renda. Invista para ter uma uma segunda fonte.
  • Sobre Compras: se você comprar coisas que não precisa, logo terá que vender coisas que não precisa.
  • Sobre Economias: não economize o que lhe sobra dos seus ganhos, mas gaste o que sobra de suas economias.
  • Sobre Investimentos: não coloque todos os ovos dentro da mesma cesta.

Acabei de comprar uma trufa de um rapaz que veio até meu portão. O dinheiro das vendas, segundo ele, é para pagar a faculdade. Alegre, simpático, disse que tinha apenas 5. Não comprei todas, apenas uma para ajudá-lo. E, sem perder a fé e esperança, ele foi tentando vender as que sobraram. Espero que consiga!

Faça como o rapaz que nem sei o nome, mas estou orando e torcendo por ele! Essa é a essência da perseverança: não desistir jamais!

Aproveite o exemplo deste rapaz e persevere! Eu tenho certeza de que você vai conseguir superar sua situação financeira. 😘

Chega de gastar e nem perceber

Dia 324/365:

Não, a vida não está fácil pra ninguém e, por isso, não podemos bobear com os pequenos Bastos semanais! O “Obrigada, estou apenas olhando” sugere que você tenha uma semanada.

Sim uma semanada! Sim, de você para você mesma (o). Está é uma forma de controlar estes pequenos gastos que, muitas vezes nos fazem perder o controle das finanças.

Se conseguirmos dar mais atenção e foco para as finanças e não somente para pagar as contas, quem sabe não daria para diminuir os gastos à toa e, por que não, guardar uma graninha para as próximas férias, por exemplo!

Expressões como “dinheiro foi pelo ralo” ou “rasgando dinheiro” significam que você pode estar gastando sem perceber. Comprinhas pequenas, um cafezinho, almoços na rua, chocolatinho… Uma coisinha aqui, outra ali… Experimenta anotar todos esses pequenos gastos e vai ver quanto está indo para o ralo, todos os dias.

Experimente se dar uma semanada. Defina um valor para a semana. Saque o dinheiro na segunda-feira e programe-se para pagar esses pequenos gastos. Em dinheiro, o cuidado que você terá para não gastar vai aumentar (do que se você estivesse passando o cartão de débito ou de crédito).

E que Deus continue NOS orientando e protegendo do mal, do perigo e dos gastos excessivos. 😉

P.S.: o café do Starbucks foi pago pelo meu amigo. Detalhe, a moça não acertou ao tentar escrever o meu nome no copo heheheh

Casados? Dividam as despesas da família

Dia 318/365:

O “Obrigada, estou apenas olhando” já abordou sobre a divisão de finanças entre namorados; para noivos, com as despesas do casamento, e agora entre 4 paredes.

Preocupada (o) com as finanças do casal? Quando o assunto é vida a dois, diálogo, respeito e transparência têm que caminhar de mãos dadas, seja qual for a área do relacionamento.

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgou no primeiro semestre que apenas 39% dos entrevistados sabem quanto o cônjuge ganha.

A falta de informação e transparência pode ser o início dos problemas da vida a dois. Se o casal não conversa sobre isso, pode estar vivendo um estilo de vida que não condiz com a realidade financeira da família.

As conversas do casal sobre as finanças devem ser bem honestas em relação à situação monetária da família e às preocupações com o futuro: aquilo que vocês desejam alcançar e em quanto tempo.  Definam um projeto de vida juntos e entrem em sintonia para alcançar cada meta.

Além de saber quanto o outro ganha, as despesas também devem ser transparentes. Quando surge a dúvida, quem vai pagar o quê, vocês precisam sentar e conversar.

O livro do Gustavo Cerbasi, “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” (Editora Gente, 2004) me ajudou a escrever este post. Lá ele  ensina como casais apaixonados podem morar sob o mesmo teto sem desgastar a relação por causa de dinheiro (ou pela falta dele). Um dos alertas do autor é sobre competição: quem ganha quanto ou quem paga o quê… Encarar estas questões como competição pode trazer problemas. Com o passar do tempo, alerta Cerbasi no livro, um dos dois pode se tornar uma pessoa frustrada por não conseguir acompanhar o ritmo do outro.

Quem está começando a aventura a dois e não sabe como administrar esse assunto, Cerbasi aconselha  a estabelecer prazos para que o casal assuma níveis crescentes de união financeira. “Nos primeiros doze meses de união, todas as contas comuns são divididas meio a meio e o casal contribui igualmente para um fundo de escolhas (como férias, presentes a amigos e decoração da casa)”, sugere.

Decidam juntos sobre o orçamento e as despesas: decidir juntos, por exemplo, quanto gastar nas contas de consumo (como água, luz, telefone e gás) e quais outros serviços serão adquiridos (como internet, academia, faxineiros etc.), impede que haja frustrações quanto a um padrão de vida irreal ou desentendimentos quanto a gastos supérfluos. Coloquem em uma planilha todos os custos fixos do casal, como impostos, aluguel, condomínio ou prestações adquiridas, para que haja um melhor controle sobre o orçamento disponível para as compras mensais.

Façam uma reserva financeira: é impossível prever todos os percalços que podem aparecer. Ainda mais quando compartilha-se a vida com alguém — a probabilidade dobra. Portanto, é importantíssimo que haja uma reserva para qualquer problema que, no futuro, represente gastos ou queda no orçamento do casal.

Separem parte da receita para passeios e compras: separarem uma parte da receita para fazerem juntos o que gostam. A partir do momento em que vocês estão gerindo a renda familiar juntos, fica fácil decidir, com diálogo e transparência, quanto vai para o quê.

Importante, como disse no início, é ser o mais honesto possível com seu cônjuge sobre o assunto. Desta forma, um não correrá o risco de se endividar para fazer as vontades do outro e vice-versa. Além do que viverão de acordo com o padrão de vida condizente com a realidade financeira dos dois.

Este foi um dos temas mais difíceis de escrever. Mas acho que consegui hehehe E que o Deus que uniu o casal ajude-os a lidar com o dia a dia de maneira honesta, saudável e com amor. Respeito e carinho são fundamentais para manter um relacionamento saudável. Que Ele NOS ajude também a NOS mantermos firmes no caminho de poupar e buscar uma vida mais equilibrada e uma relação mais tranquila com as finanças. 😉

As pessoas ainda guardam dinheiro em casa!

Dia 315/365:

Pasmem, gente: as pessoas ainda guardam dinheiro em casa! O “Obrigada, estou apenas olhando” teve acesso a uma nova pesquisa do SPC Brasil que constatou que 25% dos poupadores preferem guardar dinheiro em casa a investir.

Outro dado divulgado pela pesquisa revelou que a Poupança ainda é a preferida por 60% dos brasileiros que possuem recursos guardados. Apenas 16% dos brasileiros conseguiram terminar o mês de maio com recursos para aplicar. Por outro lado, 46% dos poupadores resgataram dinheiro guardado.

Guardar dinheiro em casa está errado por pelo menos dois motivos: é uma opção arriscada por questões de segurança e um hábito negativo do ponto de vista da rentabilidade, uma vez que o dinheiro fica parado sem render juros.

O SPC Brasil sempre defende que “guardar dinheiro no final do mês não é um hábito comum do consumidor brasileiro”. Não concordo e não gosto deste tipo de orientação dos economistas. As pessoas não devem esperar chegar o fim do mês para guardar dinheiro.

Entre os tipos de investimento, a Caderneta de Poupança ainda é a modalidade de investimento mais conhecida pelos entrevistados: ao menos 81% das pessoas que possuem dinheiro guardado já ouviram falar a seu respeito. Em seguida aparecem os Títulos de Capitalização (48%), planos de Previdência Privada (45%), ações em bolsas de valores (39%), fundos de investimentos (33%) e o Tesouro Direto (24%).

Eu sei que as escolhas de investimento são influenciadas tanto pelo conhecimento escasso sobre as possibilidades de investir como pelo comodismo.

Não seja preguiçoso. Faça o melhor por você e sua família. Vá buscar informação sobre outras possibilidades. As oportunidades são infinitas e você só terá a ganhar se buscar conhecimento.

Faça o seu dinheiro render. Quem sabe não sobra até para você ajudar alguém que precisa! Já pensou? Que Deus te abençoe em todos os sonhos! Gente, pé de meia, a gente só faz de meia mesmo, mas sem guardar em casa hein! 😉