Chega de gastar e nem perceber

Dia 324/365:

Não, a vida não está fácil pra ninguém e, por isso, não podemos bobear com os pequenos Bastos semanais! O “Obrigada, estou apenas olhando” sugere que você tenha uma semanada.

Sim uma semanada! Sim, de você para você mesma (o). Está é uma forma de controlar estes pequenos gastos que, muitas vezes nos fazem perder o controle das finanças.

Se conseguirmos dar mais atenção e foco para as finanças e não somente para pagar as contas, quem sabe não daria para diminuir os gastos à toa e, por que não, guardar uma graninha para as próximas férias, por exemplo!

Expressões como “dinheiro foi pelo ralo” ou “rasgando dinheiro” significam que você pode estar gastando sem perceber. Comprinhas pequenas, um cafezinho, almoços na rua, chocolatinho… Uma coisinha aqui, outra ali… Experimenta anotar todos esses pequenos gastos e vai ver quanto está indo para o ralo, todos os dias.

Experimente se dar uma semanada. Defina um valor para a semana. Saque o dinheiro na segunda-feira e programe-se para pagar esses pequenos gastos. Em dinheiro, o cuidado que você terá para não gastar vai aumentar (do que se você estivesse passando o cartão de débito ou de crédito).

E que Deus continue NOS orientando e protegendo do mal, do perigo e dos gastos excessivos. 😉

P.S.: o café do Starbucks foi pago pelo meu amigo. Detalhe, a moça não acertou ao tentar escrever o meu nome no copo heheheh

Casados? Dividam as despesas da família

Dia 318/365:

O “Obrigada, estou apenas olhando” já abordou sobre a divisão de finanças entre namorados; para noivos, com as despesas do casamento, e agora entre 4 paredes.

Preocupada (o) com as finanças do casal? Quando o assunto é vida a dois, diálogo, respeito e transparência têm que caminhar de mãos dadas, seja qual for a área do relacionamento.

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgou no primeiro semestre que apenas 39% dos entrevistados sabem quanto o cônjuge ganha.

A falta de informação e transparência pode ser o início dos problemas da vida a dois. Se o casal não conversa sobre isso, pode estar vivendo um estilo de vida que não condiz com a realidade financeira da família.

As conversas do casal sobre as finanças devem ser bem honestas em relação à situação monetária da família e às preocupações com o futuro: aquilo que vocês desejam alcançar e em quanto tempo.  Definam um projeto de vida juntos e entrem em sintonia para alcançar cada meta.

Além de saber quanto o outro ganha, as despesas também devem ser transparentes. Quando surge a dúvida, quem vai pagar o quê, vocês precisam sentar e conversar.

O livro do Gustavo Cerbasi, “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” (Editora Gente, 2004) me ajudou a escrever este post. Lá ele  ensina como casais apaixonados podem morar sob o mesmo teto sem desgastar a relação por causa de dinheiro (ou pela falta dele). Um dos alertas do autor é sobre competição: quem ganha quanto ou quem paga o quê… Encarar estas questões como competição pode trazer problemas. Com o passar do tempo, alerta Cerbasi no livro, um dos dois pode se tornar uma pessoa frustrada por não conseguir acompanhar o ritmo do outro.

Quem está começando a aventura a dois e não sabe como administrar esse assunto, Cerbasi aconselha  a estabelecer prazos para que o casal assuma níveis crescentes de união financeira. “Nos primeiros doze meses de união, todas as contas comuns são divididas meio a meio e o casal contribui igualmente para um fundo de escolhas (como férias, presentes a amigos e decoração da casa)”, sugere.

Decidam juntos sobre o orçamento e as despesas: decidir juntos, por exemplo, quanto gastar nas contas de consumo (como água, luz, telefone e gás) e quais outros serviços serão adquiridos (como internet, academia, faxineiros etc.), impede que haja frustrações quanto a um padrão de vida irreal ou desentendimentos quanto a gastos supérfluos. Coloquem em uma planilha todos os custos fixos do casal, como impostos, aluguel, condomínio ou prestações adquiridas, para que haja um melhor controle sobre o orçamento disponível para as compras mensais.

Façam uma reserva financeira: é impossível prever todos os percalços que podem aparecer. Ainda mais quando compartilha-se a vida com alguém — a probabilidade dobra. Portanto, é importantíssimo que haja uma reserva para qualquer problema que, no futuro, represente gastos ou queda no orçamento do casal.

Separem parte da receita para passeios e compras: separarem uma parte da receita para fazerem juntos o que gostam. A partir do momento em que vocês estão gerindo a renda familiar juntos, fica fácil decidir, com diálogo e transparência, quanto vai para o quê.

Importante, como disse no início, é ser o mais honesto possível com seu cônjuge sobre o assunto. Desta forma, um não correrá o risco de se endividar para fazer as vontades do outro e vice-versa. Além do que viverão de acordo com o padrão de vida condizente com a realidade financeira dos dois.

Este foi um dos temas mais difíceis de escrever. Mas acho que consegui hehehe E que o Deus que uniu o casal ajude-os a lidar com o dia a dia de maneira honesta, saudável e com amor. Respeito e carinho são fundamentais para manter um relacionamento saudável. Que Ele NOS ajude também a NOS mantermos firmes no caminho de poupar e buscar uma vida mais equilibrada e uma relação mais tranquila com as finanças. 😉

As pessoas ainda guardam dinheiro em casa!

Dia 315/365:

Pasmem, gente: as pessoas ainda guardam dinheiro em casa! O “Obrigada, estou apenas olhando” teve acesso a uma nova pesquisa do SPC Brasil que constatou que 25% dos poupadores preferem guardar dinheiro em casa a investir.

Outro dado divulgado pela pesquisa revelou que a Poupança ainda é a preferida por 60% dos brasileiros que possuem recursos guardados. Apenas 16% dos brasileiros conseguiram terminar o mês de maio com recursos para aplicar. Por outro lado, 46% dos poupadores resgataram dinheiro guardado.

Guardar dinheiro em casa está errado por pelo menos dois motivos: é uma opção arriscada por questões de segurança e um hábito negativo do ponto de vista da rentabilidade, uma vez que o dinheiro fica parado sem render juros.

O SPC Brasil sempre defende que “guardar dinheiro no final do mês não é um hábito comum do consumidor brasileiro”. Não concordo e não gosto deste tipo de orientação dos economistas. As pessoas não devem esperar chegar o fim do mês para guardar dinheiro.

Entre os tipos de investimento, a Caderneta de Poupança ainda é a modalidade de investimento mais conhecida pelos entrevistados: ao menos 81% das pessoas que possuem dinheiro guardado já ouviram falar a seu respeito. Em seguida aparecem os Títulos de Capitalização (48%), planos de Previdência Privada (45%), ações em bolsas de valores (39%), fundos de investimentos (33%) e o Tesouro Direto (24%).

Eu sei que as escolhas de investimento são influenciadas tanto pelo conhecimento escasso sobre as possibilidades de investir como pelo comodismo.

Não seja preguiçoso. Faça o melhor por você e sua família. Vá buscar informação sobre outras possibilidades. As oportunidades são infinitas e você só terá a ganhar se buscar conhecimento.

Faça o seu dinheiro render. Quem sabe não sobra até para você ajudar alguém que precisa! Já pensou? Que Deus te abençoe em todos os sonhos! Gente, pé de meia, a gente só faz de meia mesmo, mas sem guardar em casa hein! 😉

Três pares de sapato e duas bolsas: R$ 115,00

Dia 311/365:

Não, não comprei nada! Não cedi à tentação e nem quebrei o meu compromisso com o “Obrigada, estou apenas olhando”.

Há 15 dias fiz uma arrumação no guarda-roupas e encontrei roupas, sapatos e bolsas para doar, para consertar e para peças para jogar fora.

E qual foi a minha tristeza quando liguei no sapateiro e ele disse que uma bolsa que gostava muito não tinha conserto? Uma bolsa verde, linda, que havia ganhado num bingo hehehe Ela estava com o couro fake esfarelando. Diagnóstico: lixo!

Separei tudo que ia pro sapateiro: duas bolsas, três pares de sapato, que, por conta de precisarem de ajustes não os estava usando mais.

Ao sapateiro ajustou os botões da bolsa marrom; trocou o cabo da bolsa vermelha (que também estava esfarelando); trocou a borrachinha do saltos do sapato preto; fez um reforço no scarpin branco e cortou o salto da sandália vermelha. E tudo por R$ 115,00.

Uau! Resultado: mais três opções de sapato prontos para usar e duas bolsas! E você? Quando um produto quebra, rasga, você joga fora ou leva para arrumar? As lojas de consertos são importantes formas de economizar.

Até panelas já consertei: tem um senhor que passa aqui pelo meu bairro pelo menos uma vez a cada dois meses consertando panelas, trocando cabos ou se oferecendo pra trocar a borracha da panela de pressão.

A nossa tendência quando algo quebra é encostar o objeto e comprar um novo. Mas, mandar consertar e continuar usando é uma forma de economizar, ou seja, fará bem para o bolso e para o meio ambiente.

Da próxima vez que pensar em comprar algo, dê uma olhadinha no seu armário: eu garanto que vai encontrar algo que só precise de um ajuste para voltar a ser usado.

Economize por você, pelo seu bolso e pelo meio ambiente. Vamos cuidar deste planeta tão lindo que Deus NOS emprestou para morar! 😉

Para conquistar o poder do dinheiro

Dia 309/365:

Por conta do “Obrigada, estou apenas olhando”, comecei a pesquisar livros que falem sobre educação financeira e, recentemente, participei do lançamento do livro do Tiago Brunet “O Maior poder do mundo”.

No livro, tem um capítulo com questionamentos sobre dinheiro. Não precisa responder pra mim, avalie e responda pra você mesmo (a):

1) Você tinha alguma resistência à teoria de que o dinheiro é um dos poderes que regem o mundo?

2) Se você entende a importância de ter recursos financeiros enquanto vivemos esta vida terrena, o que fará a partir de hoje para conquistar esse poder?

3) Os livros que você lê e as pessoas com as quais você convive são assertivos para a aquisição desse poder?

4) Em sua opinião, o que esse poder não consegue ou não pode comprar?

5) Vice já se deu conta de que quem tem o poder do dinheiro consegue potencializar tudo aquilo que for a a vida extraordinária?

6) Qual a criptonita do dinheiro?

Reflita sobre essas questões. Tenho certeza de que poderão ajudar você a mudar sua relação com o dinheiro. E que Deus abençoe NOSSAS reflexões e NOSSO modo de encarar a vida! Nada é para sempre e você pode pisar a sua forma de ver o mundo e encarar seus problemas. 😉

Compras da semana com economia

Dia 303/365:

Faz três semanas que venho economizando nas compras do supermercado. Demorei para comentar com vocês porque queria ter certeza de que daria certo! O “Obrigada, estou apenas olhando” quer saber: com que frequência você vai ao supermercado?

Todo dia? Hehehe Brincadeira! Nas últimas três semanas fui apenas duas vezes. E consegui reduzir em 50% os gastos no supermercado por conta das mudanças que fiz.

Frutas, verduras e legumes agora só na feira! Sim, feira livre é tudo de bom. E mesmo lá tem que pesquisar, pechinchar e andar de barraca em barraca. Os preços e a qualidade dos produtos variam há poucos metros de distância.

Com R$32,00 consegui trazer as frutas, verduras e legumes para a semana toda! Gosto muito de frutas: nos lanches da manhã e da tarde e, às vezes, também elas substituem o jantar! SEM leite condensado, hein, gente! Hehehe

Mas precisei comprar macarrão, leite, bolachas e queijo (este último estava mais barato no supermercado do que na feira). No supermercado, busque sempre as marcas que estão na parte de baixo das prateleiras: normalmente, os preços dos produtos estão mais baixos do que aqueles que estão na altura dos olhos.

A gente sabe de todas essas coisas. Mas deixa pra lá por conta da correria do dia a dia: entrar e sair do supermercado com pressa resulta em compras sem pesquisa.

Mas, independente do que comprei na feira e no mercado, as compras vêm ficando 50% mais baratas nas últimas três semanas. E o melhor, na feira, a gente leva dinheiro né? É só compra enquanto tem dinheiro! Heheheh

Hoje fui numa feira em outro bairro. O mais engraçado das feiras são os maridos andando atrás das mulheres carregando as sacolas de um lado para o outro, enquanto elas pesquisam, pechincham e fazem suas escolhas.

Muita gente comendo pastel também. Pastel é tudo de bom, né gente? Só o cabelo que fica com aquele cheiro de óleo hehehe

Mas vamos seguir economizando, poupando e fazendo o dinheiro render. Hoje perdi o cartão do banco. Fiquei chateada. Não por ter perdido (esqueci no caixa eletrônico), mas pelo fato da pessoa que o encontrou não ter tido a decência de deixá-lo lá)!

Que Deus perdoe essa pessoa e continue NOS inspirando e protegendo em todos os momentos, sob todos os aspectos! Ele é grande e quer cuidar de você também. 😉

Foto da PMJ

Vamos conversar sobre finanças lá em casa

Dia 263/365:

Conversar sobre finanças deveria ser tão tranquilo e transparente como conversamos sobre filmes, novelas… Política, religião e futebol não, porque dá briga heheheh

O “Obrigada, estou apenas olhando” já orientou sobre a importância de conversar com sua família sobre as finanças: maridos e esposas precisam saber quando ganha um e outro. Só assim será possível dividir as despesas de maneira que não sobrecarregue um ou outro.

Por outro lado, homens e mulheres têm medo de abrir para o seu cônjuge quanto ganham por mês por medo de ser cobrado ou ainda ser monitorado.

Não sou casada, mas fico aqui pensando na parceria entre marido e mulher e a questão financeira precisa fazer parte desta parceria. A mulher, sem medo do marido vigiar seus gastos extras em lojas ou no salão; e o homem, sem medo da esposa ou dos filhos pedirem dinheiro.

Pare com esse medo e envolva todos da família no planejamento financeiro da sua casa. Assim, você conseguirá viver, sem dúvida, com mais qualidade e reduzirá, sensivelmente, os níveis de estresse.

Evite crises conjugais! Esse é um pequeno passo para estabelecer a confiança. Vamos derrubar essa barreira!

Conversar sobre finanças em família vai deixar o ambiente mais saudável!

E a harmonia no lar é tudo que Deus quer para as nossas vidas! Se ficar apreensivo (a) na hora de iniciar esta conversa, peça a orientação de Deus: Ele vai te ajudar! Assim como nos defende, orienta e inspira todos os dias, em todos os momentos. 😉