Principais gastos com cartão de crédito

Dia 333/365:

Hoje, publicamos um meme do Chapolin Sincero (adoro ele) no Facebook do ‘Obrigada, estou apenas olhando’ que brincava sobre os gastos do cartão de crédito.

Dizia o post: “Gente, eu não sabia que ficar passando 10, 30 reais no cartão, dava 900 reais”.

Pois é, dá mesmo! Sabemos o quanto é bom possuir um cartão de crédito com um bom limite. No entanto, devemos ser conscientes em utilizá-lo para não ficar com o nome “sujo” no mercado e não conseguir mais crédito ou financiamento para adquirir bens.

Você sabe quais os principais gastos que as pessoas têm com cartão de crédito? Em 2017, o SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) fizeram uma pesquisa que apontou que a maioria dos brasileiros usa para supermercados (62%) e em farmácias (49%).

Gente, a menos que vocês passem todos os gastos no cartão de crédito para ganhar em milhas e programas de fidelidade, não é bom usar no supermercado e em farmácias. Nestes estabelecimentos, os gastos são recorrentes, a menos que você jogue o crédito para o vencimento do cartão, ou seja, em apenas uma parcela. Este tipo de gasto não deve ser parcelado, pois vão acumular com os próximos e vira uma bola de neve.

O terceiro colocado é o abastecimento de veículos (30%), seguido da aquisição de roupas, calçados e acessórios (29%), idas a bares e restaurantes (28%) e recargas para celular pré-pago (20%). Importante lembrar que ao parcelar, faça o controle das parcelas para não ultrapassar o valor que tem de orçamento para o cartão de crédito. Assim, você não corre o risco de pagar o mínimo da parcela e encrencar de vez as suas finanças.

Você sabia que por falta de controle, 61% dos entrevistados já teve sua compra negada pelo estabelecimento, seja por inadimplência (9%), renda insuficiente (3%) e falta de comprovante de renda (3%).

Cuidado com os gastos do cartão de crédito para que você não fique com cara de ué quando chegar a fatura. A fatura do meu cartão, eu controlo pelo aplicativo do banco. Mas estou usando apenas para uma oferta que fiz na igreja e para pagar as aulas online de mkt digital. Fique atento hein, não deixe que a sua história com o cartão de crédito vire o próximo meme do Chapolin Sincero.

Deus abençoe sua vida financeira e te ajude a dominar suas vontades, como ele ajudou com as minhas. 😉

Hábito e prioridade

Dia 331/365:

As pessoas que sabem que estou neste desafio de ficar um ano sem compras, com o “Obrigada, estou apenas olhando”, sempre me fazem duas perguntas.

A primeira sobre como estou conseguindo viver sem comprar. E quando digo que sim, a reação é de olhos arregalados e outra pergunta: “Nada mesmo?”, como se fosse impossível ficar sem comprar roupas, bolsas e sapatos. Eu também acreditava que era… hehehe

A segunda pergunta é sobre o resultado. Dinheiro investido: este é o resultado! No início o calor guardado era menor, até conseguir terminar de pagar os boletos a vencer que eu tinha. Agora, consigo guardar uma média de 35% da minha renda mensal.

E sempre que respondo isso, vem sempre uma observação: “Não consigo guardar. Como você faz?” Duas palavras conseguem dar conta de explicar: HÁBITO E PRIORIDADE!

Nossos hábitos são nosso ‘piloto automático’. A gente acaba gastando sem perceber, seja por situações emocionais (alegria, tristeza, estresse), seja pelas companhias. Os amigos saem para balada, e você não sabe como dizer não…

A solução está na mudança de seus hábitos. Como fazer isso? Conscientizando-se da sua real situação financeira. Aceitar que não pode ou não têm condições financeiras para acompanhar os amigos, por exemplo, é um grande passo rumo à sua estabilidade. E não desconte suas emoções em compras, nem em comida! Pratique exercícios físicos, como caminhada, por exemplo. Você se exercita e não gasta!

Qual a sua prioridade? Você tem um sonho? Quer realizar algo? Estudar, viajar, comprar um carro ou apartamento? Se não tem, encontre um! Realizar um sonho requer disciplina. E você também terá que abrir mão de algumas coisas para realizá-lo. Uma delas é parar de gastar com supérfluos. Acredite, é assim mesmo que acontece.

Busque os seus sonhos, defina suas prioridades e mude seus hábitos de consumo, principalmente. E tenho certeza de que vai conseguir! Hábitos e prioridades: o domínio sobre as suas vontades! Que Deus abençoe seus sonhos! 😉

Um cheque (nada) especial

Dia 328/365:

Hoje fui até o banco e, ao acessar o caixa eletrônico, encontro o oferecimento de crédito. Olhei pro terminal e disse a nossa famosa frase “Obrigada, estou apenas olhando”.

Calma, não fiquei louca por conversar com a máquina hehehe mas precisei falar em voz alta para deixar bem claro pra mim mesma que não preciso disso!

Mas fico imaginando as pessoas que acabam cedendo à tentação por pura necessidade. Afinal, ninguém empresta dinheiro do banco porque é bonito.

Muitas vezes este tipo de crédito é concedido para que o cliente consiga pagar suas pendências com o próprio banco: as do cheque especial, por exemplo, ou melhor, do cheque (nada) especial!

Já falamos muito aqui que o dinheiro que está disponível em sua conta pelo cheque especial não é seu, nem meu! Não é nosso! É do banco e ele cobra muito bem por ele! Os juros ultrapassam 380% ao ano. É uma dívida que nunca terá fim, por isso, fuja dele e, consequentemente, ficará longe também dos empréstimos bancários.

Esclarecendo as coisas

Cheque Especial é o nome dado, pelo sistema financeiro brasileiro, ao crédito automático que o banco disponibiliza ao cliente caso ele necessite efetuar pagamentos ou transferências em sua conta, e não há saldo disponível.

O cheque especial é uma modalidade de crédito que permite a quem o contrata ter dinheiro rápido para cobrir eventuais débitos. Os juros cobrados são mais caros, pois o crédito fica sem movimento esperando futuras ‘emergências’ financeiras de seus clientes. Traduzindo, é uma armadilha!

Fuja dele! Talvez a expressão especial seja para fazer com que o correntista sinta-se desta forma, mas, acredito mesmo que tenha a ver com a felicidade do banqueiro heheh

Que cada vez mais possamos aprender e corrigir nossas pendências para que não precisemos disso! Que Deus continue NOS mostrando os melhores caminhos, sempre! 😉

Uma conversa com Warren Buffett

Dia 325/365:

Entre os meus amigos, aqueles que apoiam e torcem pelo meu propósito, estão sempre me mandando alguma foto, marcando em postagens que remetem ao objetivo do “Obrigada, estou apenas olhando”.

Esta semana recebi, via WhatsApp, uma imagem com os conselhos sábios de Warren Buffett. Talvez você nunca tenha ouvido falar dele, mas se você quer ter sucesso financeiro, seguir os conselhos dele pode ser uma boa estratégia.

Mas quem é Warren Buffett? Fundador da Berkshire Hathaway, ele tem uma fortuna avaliada em US$ 80,7 bilhões de acordo coma Forbes. Mas nem tudo foram cifras na vida de Buffett.

Mas uma coisa é certa, apesar da família humilde, ele sabe como construir riqueza: aos 30 anos, ele já tinha acumulado seu primeiro milhão de dólares.

Se estivéssemos na presença de Warren Buffett, certamente ele nos daria alguns conselhos:

  • Sobre Ganhos: nunca dependa de apenas a fonte de renda. Invista para ter uma uma segunda fonte.
  • Sobre Compras: se você comprar coisas que não precisa, logo terá que vender coisas que não precisa.
  • Sobre Economias: não economize o que lhe sobra dos seus ganhos, mas gaste o que sobra de suas economias.
  • Sobre Investimentos: não coloque todos os ovos dentro da mesma cesta.

Acabei de comprar uma trufa de um rapaz que veio até meu portão. O dinheiro das vendas, segundo ele, é para pagar a faculdade. Alegre, simpático, disse que tinha apenas 5. Não comprei todas, apenas uma para ajudá-lo. E, sem perder a fé e esperança, ele foi tentando vender as que sobraram. Espero que consiga!

Faça como o rapaz que nem sei o nome, mas estou orando e torcendo por ele! Essa é a essência da perseverança: não desistir jamais!

Aproveite o exemplo deste rapaz e persevere! Eu tenho certeza de que você vai conseguir superar sua situação financeira. 😘

Não confie na sua memória

Dia 319/365:

Hoje o alerta do “Obrigada, estou apenas olhando” é sobre a sua memória. Não confie nela? Ué, como assim?

Uma das regras da educação financeira é não confiar na memória. Muitas vezes as pessoas acham que estão com a vida financeira em ordem, mas, se vão colocar no papel todos os gastos e despesas mensais, percebem que estão gastando além do que poderiam.

A gente acha que consegue armazenar informações sobre contas, despesas, números de toda a ordem. Mas não dá: é impossível guardar tudo, e ainda mais lembrar de todos os dados, datas e tipos de despesa.

Ao comprar algo ou pagar o almoço, por exemplo, observamos o valor da conta e pensamos guardá-lo na memória. Minutos depois, aquele valor se perde em meio a outros pensamentos. Pronto, mais um pequeno número perdido na cabeça.

Imagine você no seu dia a dia se esquecendo de anotar as pequenas compras e despesas… No fim do mês os pequenos valores se transformaram em grandes somas e, pior, tudo descontado do seu orçamento.

Para não ser surpreendido todo mês com esses valores aparentemente “desconhecidos”, anote todos (sim, TODOS) os gastos feitos ao longo do dia. Ah, mas isso dá trabalho? Sim, mas controlando, você vai perceber, ao longo do tempo, onde estão os gargalos do seu orçamento e ficará mais fácil controlá-los.

Fique atento com suas coisas, suas finanças e seu dinheiro. Nós não somos doidos e nem estamos rasgando dinheiro para dar tanta sopa para o azar.

Busque encontrar alegria em fazer isso: controlar os gastos, poupar, economizar. Assim, você transfere a alegria de gastar em satisfação por poupar.

Que Deus continue abençoando nosso desafio e nossa trajetória! 😉

Casados? Dividam as despesas da família

Dia 318/365:

O “Obrigada, estou apenas olhando” já abordou sobre a divisão de finanças entre namorados; para noivos, com as despesas do casamento, e agora entre 4 paredes.

Preocupada (o) com as finanças do casal? Quando o assunto é vida a dois, diálogo, respeito e transparência têm que caminhar de mãos dadas, seja qual for a área do relacionamento.

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgou no primeiro semestre que apenas 39% dos entrevistados sabem quanto o cônjuge ganha.

A falta de informação e transparência pode ser o início dos problemas da vida a dois. Se o casal não conversa sobre isso, pode estar vivendo um estilo de vida que não condiz com a realidade financeira da família.

As conversas do casal sobre as finanças devem ser bem honestas em relação à situação monetária da família e às preocupações com o futuro: aquilo que vocês desejam alcançar e em quanto tempo.  Definam um projeto de vida juntos e entrem em sintonia para alcançar cada meta.

Além de saber quanto o outro ganha, as despesas também devem ser transparentes. Quando surge a dúvida, quem vai pagar o quê, vocês precisam sentar e conversar.

O livro do Gustavo Cerbasi, “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” (Editora Gente, 2004) me ajudou a escrever este post. Lá ele  ensina como casais apaixonados podem morar sob o mesmo teto sem desgastar a relação por causa de dinheiro (ou pela falta dele). Um dos alertas do autor é sobre competição: quem ganha quanto ou quem paga o quê… Encarar estas questões como competição pode trazer problemas. Com o passar do tempo, alerta Cerbasi no livro, um dos dois pode se tornar uma pessoa frustrada por não conseguir acompanhar o ritmo do outro.

Quem está começando a aventura a dois e não sabe como administrar esse assunto, Cerbasi aconselha  a estabelecer prazos para que o casal assuma níveis crescentes de união financeira. “Nos primeiros doze meses de união, todas as contas comuns são divididas meio a meio e o casal contribui igualmente para um fundo de escolhas (como férias, presentes a amigos e decoração da casa)”, sugere.

Decidam juntos sobre o orçamento e as despesas: decidir juntos, por exemplo, quanto gastar nas contas de consumo (como água, luz, telefone e gás) e quais outros serviços serão adquiridos (como internet, academia, faxineiros etc.), impede que haja frustrações quanto a um padrão de vida irreal ou desentendimentos quanto a gastos supérfluos. Coloquem em uma planilha todos os custos fixos do casal, como impostos, aluguel, condomínio ou prestações adquiridas, para que haja um melhor controle sobre o orçamento disponível para as compras mensais.

Façam uma reserva financeira: é impossível prever todos os percalços que podem aparecer. Ainda mais quando compartilha-se a vida com alguém — a probabilidade dobra. Portanto, é importantíssimo que haja uma reserva para qualquer problema que, no futuro, represente gastos ou queda no orçamento do casal.

Separem parte da receita para passeios e compras: separarem uma parte da receita para fazerem juntos o que gostam. A partir do momento em que vocês estão gerindo a renda familiar juntos, fica fácil decidir, com diálogo e transparência, quanto vai para o quê.

Importante, como disse no início, é ser o mais honesto possível com seu cônjuge sobre o assunto. Desta forma, um não correrá o risco de se endividar para fazer as vontades do outro e vice-versa. Além do que viverão de acordo com o padrão de vida condizente com a realidade financeira dos dois.

Este foi um dos temas mais difíceis de escrever. Mas acho que consegui hehehe E que o Deus que uniu o casal ajude-os a lidar com o dia a dia de maneira honesta, saudável e com amor. Respeito e carinho são fundamentais para manter um relacionamento saudável. Que Ele NOS ajude também a NOS mantermos firmes no caminho de poupar e buscar uma vida mais equilibrada e uma relação mais tranquila com as finanças. 😉

As pessoas ainda guardam dinheiro em casa!

Dia 315/365:

Pasmem, gente: as pessoas ainda guardam dinheiro em casa! O “Obrigada, estou apenas olhando” teve acesso a uma nova pesquisa do SPC Brasil que constatou que 25% dos poupadores preferem guardar dinheiro em casa a investir.

Outro dado divulgado pela pesquisa revelou que a Poupança ainda é a preferida por 60% dos brasileiros que possuem recursos guardados. Apenas 16% dos brasileiros conseguiram terminar o mês de maio com recursos para aplicar. Por outro lado, 46% dos poupadores resgataram dinheiro guardado.

Guardar dinheiro em casa está errado por pelo menos dois motivos: é uma opção arriscada por questões de segurança e um hábito negativo do ponto de vista da rentabilidade, uma vez que o dinheiro fica parado sem render juros.

O SPC Brasil sempre defende que “guardar dinheiro no final do mês não é um hábito comum do consumidor brasileiro”. Não concordo e não gosto deste tipo de orientação dos economistas. As pessoas não devem esperar chegar o fim do mês para guardar dinheiro.

Entre os tipos de investimento, a Caderneta de Poupança ainda é a modalidade de investimento mais conhecida pelos entrevistados: ao menos 81% das pessoas que possuem dinheiro guardado já ouviram falar a seu respeito. Em seguida aparecem os Títulos de Capitalização (48%), planos de Previdência Privada (45%), ações em bolsas de valores (39%), fundos de investimentos (33%) e o Tesouro Direto (24%).

Eu sei que as escolhas de investimento são influenciadas tanto pelo conhecimento escasso sobre as possibilidades de investir como pelo comodismo.

Não seja preguiçoso. Faça o melhor por você e sua família. Vá buscar informação sobre outras possibilidades. As oportunidades são infinitas e você só terá a ganhar se buscar conhecimento.

Faça o seu dinheiro render. Quem sabe não sobra até para você ajudar alguém que precisa! Já pensou? Que Deus te abençoe em todos os sonhos! Gente, pé de meia, a gente só faz de meia mesmo, mas sem guardar em casa hein! 😉