Ser feliz (inclusive, financeiramente falando) é uma escolha

Dia 125/365:

E como prometido ontem, hoje vamos falar sobre ser feliz!  O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ conversou com John Viudes,  coach especialista em inteligência emocional. E ele garante que é possível, ou melhor, ele garante que só depende da gente. “Ser feliz é uma escolha. Você pode escolher ser feliz a qualquer momento, de forma incondicional”, enfatiza.

Sobre a felicidade, John conta que muitas pessoas o procuram imaginando que encontrarão a felicidade em bens materiais, viagens ou no relacionamento perfeito. Ledo engano. “Estas pessoas estão esperando ‘ter para ser’ quando na realidade o meio mais eficiente é ‘ser para ter’. E nesse processo você consegue experimentar a felicidade durante a jornada e não apenas no final. Além disso, você passa a valorizar aquilo que você tem hoje e exerce o poder da gratidão na sua vida. A gratidão destrava as portas para que você tenha uma vida extraordinária”, aconselha.

Conheço a história dele, acompanhei pelas redes sociais o drama que John viveu há 3 anos e posso falar, sem demagogia, que ele é a personificação da superação. John sofreu um acidente causado por um motorista embriagado em alta velocidade na Rodovia Anhanguera. “Neste acidente minha noiva, na época, faleceu há menos de 30 dias para nosso casamento. Eu fiquei alguns meses ‘preso’ a uma cadeira de rodas, sem saber se voltaria a andar novamente e por muito pouco não perdi um braço. Entrei em um estado depressivo e sofri muito”, lembra.

Ele conseguiu superar a dor e o sofrimento a partir de um processo de coaching. “Consegui ressignificar muitas coisas relacionadas a este episódio e percebi que quando não é possível mudar uma situação temos que mudar a nós mesmos. E aí precisei fazer uma escolha: me entregar àquela situação e me manter preso a um estado depressivo ou criar uma nova realidade mesmo diante de tudo que aconteceu”, conta. A partir daí ele assumiu a responsabilidade pelos seus resultados e saiu desta postura de vítima para ser protagonista da sua história.

Mas isso só aconteceu porque John aceitou que precisava de ajuda. Você pode estar aí enterrado nas dívidas: sai dessa e comece hoje mesmo a mudar a sua história. Problemas financeiros impactam a vida das pessoas, destroem a autoestima, afastam pessoas, desarmonizam famílias. Pense bem, mudar, só depende de você e como John disse, só depende de você admitir que sozinho não consegue e pedir ajuda. Estamos juntos nessa, se precisa de ajuda, me procura…

John se especializou em programação neurolinguística (PNL) e foi treinado por Chris Gardner (do filme À Procura da Felicidade), Robert Kiyosaki (Pai Rico Pai Pobre) e Paulo Vieira (O Poder da Ação). Fundou a Mindset Academy e organizador do Seminário de inteligência Emocional Intensivo ‘Desperta!’, que será realizado, dia 27 de janeiro, em Jundiaí. Quem quiser mudar, tá aí uma oportunidade: no fim do post, vocês encontram o link para se inscrever e receber mais informações sobre o seminário.

Como o nosso bate-papo ficou extenso, vou dividir em duas postagens e aí você fica na expectativa para amana. Hoje ele fala sobre bem-estar financeiro e nos conta como lida com o dinheiro, uma vez que deixou um emprego com carteira assinada para ser empreendedor. Amanhã vamos falar mais sobre escolhas, mudança de vida e como transformar o nosso ano novo.

Confira uma parte da nossa conversa: aperitivo para o que vem amanhã, sempre com a certeza do que Deus pode fazer em NOSSAS vidas, se assim permitirmos. Que Ele continue NOS abençoando, NOS orientando em nossas escolhas e NOS fortalecendo em nossas decisões 😉

O bem-estar financeiro é importante para ser feliz? Acredito que estamos aqui para crescer, evoluir e ter a vida em abundância. Viver em meio a limitações e privações pode até ser comum, mas não é normal. Você não precisa ter dinheiro para ser feliz. Tem muitos milionários que se suicidam e muitas pessoas que têm tão pouco e carregam um brilho no olhar e um sorriso cativante no rosto. Mas eu tenho visto que muitas pessoas desejam ter condições melhores na vida financeira e não conseguem ter o estilo de vida que desejam por causa de crenças limitantes que carregam. Aprendi pessoalmente com T. Harv Eker, o maior treinador financeiro do mundo, que a falta de dinheiro nunca é o problema, mas sim o efeito de uma programação mental limitante.

E você pode em um treinamento de alto impacto emocional buscar a causa dessa crença e dar um novo significado, reprogramar seu modelo mental para o dinheiro. A pergunta é: o que você viu, ouviu e sentiu na sua infância que criou o modelo mental de dinheiro que você tem hoje?

Muitas pessoas cresceram ouvindo que dinheiro é sujo, que pessoas ricas são gananciosas, que é mais fácil um camelo entrar num buraco de uma agulha do que um rico no reino dos céus (e interpretaram de forma equivocada essa passagem bíblica). Ou então assistiram inúmeras brigas entre seus pais por causa do dinheiro e então associaram inconscientemente o dinheiro a coisas ruins. E é assim que o nosso cérebro aprende, por meio de associações. Então por mais que na idade adulta essa pessoa deseje conscientemente ter uma condição financeira melhor as suas crenças mais enraizadas e inconscientes a impedem de ter mais dinheiro.

Agora, como empreendedor, como você lida com o dinheiro?Eu levo meu trabalho como uma missão de vida e tenho como propósito treinar e inspirar pessoas para viverem uma vida extraordinária. E enxergo o dinheiro como um meio para que eu possa levar esta mensagem para mais pessoas, impactar mais vidas. Quando você tem mais dinheiro é possível ajudar e contribuir muito mais com a sociedade. Conheço pessoas com um coração gigante. Elas amam ajudar e poderiam contribuir muito mais se tivessem melhores condições financeiras.

O dinheiro vai potencializar aquilo que você é. Tanto para o bem quanto para o mal. Funciona como uma lente de aumento. Não é o dinheiro que corrompe as pessoas. Existem pessoas que já possuem algum tipo de desvio que ficam evidenciados quando elas começam a ganhar mais.

Seminário de Inteligência Emocional, dia 27 de janeiro, em Jundiaí: O Seminário de Inteligência Emocional Intensivo é um treinamento avançado de alto impacto emocional. Ele vai acontecer no Hotel Serra Jundiaí:  um dia inteiro dedicado a ensinar às pessoas como reprogramar suas crenças e desenvolver inteligência emocional para fazer 2018 ser o melhor ano de suas vidas.

Para receber mais informações sobre o seminário, acesse o link e preencha o cadastro: http://bit.ly/promo-ie2017

 

 

Que tipo de consumidor você é?

Dia 80/365:

Uau, como o tempo passa, o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ está quase completando três meses. Que alegria! A cada dia, mais e mais pessoas curtem a página e se tornam propagadores desta ideia de consumir com mais consciência, de pensar antes de comprar e, principalmente, de poupar.

Ontem, percebi que este propósito está me transformando de verdade. Eu explico: conversando com um amigo, descobri que temos pontos do cartão de crédito para resgatar. Ele já sabe o que vai resgatar, eu ainda estou pensando. E por que estou pensando? Porque eu não preciso comprar! Uau! Nunca imaginei que diria isso hehe  Vasculhei o site do Programa de Pontos e descobri que tudo que tem ali não me interessa. E olha que tem muita coisa lá: viagens (mas não tenho pontos suficientes pra isso, que pena 😦 heheh), moda, beleza, celulares, eletrodomésticos e por ai vai..

Fiquei muito feliz com esta descoberta… Pra não dizer que nada me chamou a atenção, eu gostei de uma sapateira, mas fui comparar com o valor na loja e descobri que não vale tão a pena assim resgatá-la. Então vou pensar um pouco mais. Os meus pontos expiram em 60 dias. Então tenho um tempo mais para pensar o que fazer ou o que resgatar. Pedir inspiração pra Deus… Ele é o melhor conselheiro…

Mas voltando à pergunta título deste post, descobri que estou caminhando para ser uma consumidora mais consciente. E, buscando informações sobre consumo consciente, descobri o site do Instituto Akatu, criado no dia 15 de março de 2001, data em que comemora-se o Dia Mundial do Consumidor. Ironia? Não! Oportunidade para conscientizar as pessoas para o consumo consciente.

E, como expliquei quando falamos sobre Lowsumerism, consumir de maneira consciente não é parar de consumir, mas sim, fazê-lo sem excessos para que todos vivam bem hoje e no futuro, principalmente, no futuro.

Tem muita informação bacana no site do Akatu (o link tá no fim deste post). E o que me chamou a atenção foi o Teste do Consumo Consciente.  O convite para fazer o teste vem com uma frase poderosa: “o seu poder de consumidor pode influenciar a sua vida e de todo o planeta”. Isso é muito forte, meus queridos, pois, a nossa forma de consumir impacta diretamente na vida dos nossos amigos, dos nossos familiares e de pessoas que a gente nem conhece…

Você teria coragem de fazer este teste e descobrir que tipo de consumidor você é? As perguntas já vão te fazer refletir sobre os seus hábitos e atitudes. Entra no site e faça o teste e não tenha vergonha de responder com a verdade. Ninguém vai ver as suas respostas, mas você está vendo. Tenho certeza que você vai começar a se conscientizar e repensar muita coisa na sua vida.

E eu daqui, sigo pedindo a Deus que continue NOS abençoando, NOS inspirando e NOS ajudando a pensar antes de escolher. 😉

 

 

 

Links: Instituto Akatu / Teste do Consumo Consciente