O dinheiro do cheque especial não é seu!

Dia 298/365:

Quando você tira um extrato no caixa eletrônico da sua agência vai aparecer o valor do cheque especial incorporado ao seu saldo. Mas não se engane: este dinheiro não é seu! É do banco, que ele malandramente coloca pra você, como se estivesse sacudindo uma isca para o peixinho.

As novas regras do cheque especial entraram em vigor ontem, dia 1/7, e começaram a valer em todo o território nacional. Por conta disso, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgaram uma pesquisa sobre o uso deste recurso que o banco disponibiliza para ajudar? Talvez, mas, na minha opinião é para atrapalhar a vida financeira das pessoas.

De acordo com o SPC Brasil e o CNDL, 17% dos consumidores recorreram ao cheque especial nos últimos 12 meses (29% destes eram das classes A e B). E quase a metade destes consumidores (46%) possui o hábito de usar esse valor todos os meses. O principal erro das pessoas que utilizam o cheque especial todos os meses foi ter incorporado esse valor à sua renda mensal. Desta forma, não conseguem sair desta situação.

Quando você não consegue cobrir o cheque especial, ou seja, quitá-lo, você pode acabar com o nome na lista de inadimplentes e aí, você pode dar um tchau para crediário e empréstimos. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) acredita que essa situação vai acabar com as novas regras do Cheque Especial.

Com as mudanças que entraram em vigor nesse domingo, a tendência é acabar essa farra de incorporar o cheque especial à sua renda mensal. A partir de agora, as instituições financeiras passarão a entrar em contato com os clientes que usarem mais de 15% do limite da conta por 30 dias consecutivos. Pela nova regra, os bancos deverão oferecer como alternativa um financiamento pessoal mais barato, com a possibilidade de parcelar a dívida.

Apenas cuidado, pois, você estará saindo de uma dívida para entrar em outra mais longa. E se você tem o hábito de usar o cheque especial poderá ter a dívida do financiamento e mais o cheque especial para pagar. Os bancos também deverão orientar as pessoas sobre o uso correto do cheque especial, que deveria ser de forma emergencial e temporária.

Vale lembrar que o cheque especial é uma das mais caras modalidades de crédito no país. Em maio, os juros tiveram queda, mas seguem em um patamar considerado bastante elevado: 311,9% ao ano. É de deixar qualquer um de cabelos em pé. Por isso, evite ao máximo usar o limite do seu cheque especial, mas, se o fizer, pague o valor integral para não rolar a dívida.

Os leitores do ‘Obrigada, estou apenas olhando’ já sabem disso. Mas não custa lembrar. O assunto foi tema do post por conta das novas regras do cheque especial que já estão valendo em todo o país. Por isso, fiquem atentos às orientações de todos os dias. E que Deus continue NOS orientando, protegendo e mostrando os caminhos sem dívidas e inadimplência. Honre suas despesas,  faça planejamento financeiro, controle suas finanças, peça inspiração de Deus, glorifique SEU nome que Ele vai te honrar e te ajudar. Eu creio! 😉

Para limpar o nome: 16% recorreram ao empréstimo

Dia 284/365:

O ‘Obrigada, estou apenas olhando’ anunciou há dois dias que 63,29 milhões de brasileiros deixaram de pagar suas dívidas a ponto de ter o nome negativado. Destes, 16% que estão tentando ‘limpar o nome’ recorreram ao empréstimo.

TV, jornal e internet bombardeiam todos os dias propagandas que oferecem sempre as melhores taxas de juros e os prazos mais estendidos para pagar…  Alguns até sinalizam com ‘crédito para negativados’…

Agora, por outro lado, imagine a situação de uma pessoa neste mar de 60 milhões: contas em atraso, ameaças de credores por falta de pagamento, sem dinheiro para comprar o básico para o cônjuge e filhos. Não deve ser fácil. Estas pessoas são presas fáceis destas propagandas. Uma pesquisa rápida no Google, com a expressão “empréstimo pessoal”, é possível encontrar mais de 9 milhões de resultados.

Imagina isso martelando na cabeça de uma pessoa que está inadimplente. A internet ainda facilita a contratação de empréstimos sem a chateação de olhar para a cara do analista (e ter que explicar o motivo de tal empréstimo. É humilhante, já passei por isso a long time ago).

Mas não pense que é somente a classe C e D que recorrem ao empréstimo. De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) o  percentual de inadimplentes sobe para 21% entre os consumidores das classes A e B.

As pessoas inadimplentes, no desespero de resolver a situação, não avaliam que os empréstimos para negativados, apesar de serem concedidos de forma ágil e com o mínimo de burocracia, cobram juros altíssimos. Cuidado, pois você está contraindo uma nova dívida para quitar outra. Avalie o valor das parcelas (se cabem no seu orçamento) e os prazos de pagamento, se vai conseguir honrar este novo compromisso, ou vai contrair uma dívida que pode se tornar praticamente impagável.

Independente da forma que contrair o empréstimo, pesquise sobre a idoneidade da empresa a fim de evitar fraudes ou golpes: busque informações sobre a empresa, busque informações em bancos a respeito da financeira, cheque o CNPJ e busque informações no Reclame Aqui.

Depois do empréstimo, busque negociar suas dívidas com seus credores. Mas, se durante as negociações você ficar com alguma dúvida, não decida na hora. Peça uma cópia da proposta e um tempo para avaliar. Leve pra casa e converse com a família. Avalie se a quitação desta dívida não vai impactar o dia a dia da sua família. Faça uma contraproposta e boa sorte!

Vai dar tudo certo. E pense bem antes de fazer uma nova compra que pode te complicar lá na frente. As próximas compras? Não faça! heheheh Vou ficar aqui torcendo para que você consiga quitar suas dívidas para poder dormir tranquilo (a) como a moça da foto que até esquece o relógio tocando heheh Tenha fé e confie, pois, o Deus que servimos não NOS desampara. Nunca… 😉

 

Fuja dos cartões das lojas

Dia 74/365:

Lembra quando fui entrevistada pela TV Educativa de Jundiaí e o repórter quebrou o meu cartão? Melhor coisa que ele poderia ter feito para a minha saúde financeira! Doeu, fiquei com dó do bichinho, mas foi melhor assim… heheh

Na semana passada, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgou um estudo realizado em todas as capitais que mostrar que os cartões de loja e os empréstimos são os principais causadores da inadimplência dos brasileiros. A gente já falou de empréstimos e do perigo de endividar os seus avós né (não faça isso!), mas a história dos cartões de loja me chamou a atenção…

Eu tinha dois cartões de loja e um de crédito. Até o repórter brincou comigo achando que eu tinha uns 15 cartões e estava perdida na vida. Perdida eu estava, mas agora me encontrei heheh Graças a Deus! Agora, só tenho um cartão de loja, cuja última fatura pago em janeiro e depois disso, vou quebrar também. É que não dá pra pagar a fatura sem o bendito cartão. A loja do cartão quebrado me permite pagar no banco a fatura, ainda bem né? E bem melhor assim, pois, evito a tentação… hehe

Mas os números do SPC assustam: em cada dez inadimplentes que possuem cartões de loja, oito (80%) se encontram em atraso com as faturas. 😮 Do ano passado pra cá, esse percentual era menor: em 2016 esses números estavam em 73%. Atrasar a gente sempre atrasa os pagamentos, mas nunca deixei uma fatura sem pagar. E apesar disso, sei bem porque a gente se enrola com os cartões das lojas:

1º) A gente pensa que não é cartão de crédito. Fala a verdade. No curso de Reeducação Financeira, quando o Pedro Braggio perguntou quantos cartões de crédito os alunos tinham, eu respondi toda orgulhosa “apenas 1”. Ledo engano. Eu tinha três, pois, dois eram de lojas. E eu nem considerava esses cartões como de crédito.

2º) Quando a gente entra na loja e vê uma blusa por R$ 89,90 pode achar até caro. Mas se na arara estiver escrito 5 x R$ 17,98, a gente já acha que é possível pagar e até esquece o valor total e lá vai passar no cartão da loja. Não é assim?

Ah, gente, entendo tanto esta situação, pois eu padecia deste mal. Outro vilão divulgado pelo SPC Brasil é o Cartão de Crédito, 65% dos entrevistados ou deixam de pagar a fatura ou entram no rotativo. Não faça isso também. Não pague o mínimo da fatura, pois você rola a dívida como uma bola de neve que nunca terá fim… Cuidado.

Depois que quitar as faturas que tenho a vencer dos cartões das lojas, vou até lá para cancelá-los. Já fui verificar e as duas lojas que tenho cartão aceitam o cartão de crédito do banco, apenas autorizam um parcelamento menor. Ao invés de 5 (sem juros) ou 8 (com juros), no cartão de crédito do banco, podemos parcelar em até três. O que vai aumentar o valor de cada parcela e ajudar a rever a compra hehehe

Tá vendo, gente, o universo conspira para que a gente não gaste, ou no mínimo, compre com mais consciência. Tá doendo, tá! Mas vai valer a pena. Está valendo, na verdade, só ver o meu colchão financeiro sendo recheado, já fico feliz!  E que Deus continue NOS inspirando e NOS orientando sobre os nossos direitos, mas, principalmente, NOS lembrando dos nossos deveres. 😉