Compartilhe comida, roupas, orações…

Dia 364/365:

As lições que aprendemos com nossos pais e avós são para a vida, mesmo! Nossos queridos sabiam mesmo das coisas… E de vez em quando precisamos nos lembrar destes ensinamentos… E o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai ajudar nisso hoje…

Lembra quando íamos almoçar na casa dos avós no domingo e sempre levávamos uma marmitinha de comida? Pois é… isso é fantástico, faz a gente economizar e compartilhar. Compartilhar é o segredo desta lembrança. O ato de compartilhar demonstra carinho, atenção e preocupação de um lado, e de outro, o reconhecimento por aquilo que aquela pessoa fez… No meu caso, lembro que minha avó sempre fazia bolo e pães e no fim de tarde, quando saímos da escola, eu e minhas amigas passávamos lá pra tomar café, comer bolo… Ela ficava encantada…

Hoje fui almoçar na casa de uma senhora muito especial (ela surgiu na minha vida pouco depois de minha mãe partir e posso dizer que essa amizade e carinho mútuos me faz muito bem)… Levei os limões do meu quintal. Ela adora e sempre pede, dizendo: ‘na feira e no mercado tá muito caro. Tem limão na sua casa?’ hehehe

Voltei pra casa com uma marmitinha de carne com batata. Ela fez porque sabe que eu gosto. E a carne com batata que ela faz fica igualzinha da minha mãe… Aliás, carne com batata é uma receita de mãe mesmo não é?

Compartilhe! O que você tem no quintal? Frutas? Colha e divida com os vizinhos, amigos ou familiares. Vai fazer um bolo? Faça uma receita maior e leve um pedaço para a sua sogra, para os amigos do trabalho… Compartilhe roupas e calçados que estão parados no armário, mas que  estejam em bom estado para que outras pessoas possam usar. Compartilhe orações! Ore pelo seu irmão, pelos seus amigos, pelos seus familiares, pela conversão dos seus vizinhos e amigos… Ore pela prosperidade de todos! Ore por este país…

E que Deus continue abençoando as pessoas que entram em nossas vidas com muita saúde, paz, amor e disposição. Que Ele NOS proteja e NOS abençoe sempre! 😉

 

 

Anúncios

Continuar poupando, com certeza

Dia 363/365:

Digo sempre que aprendo todos os dias. E espero que vocês também: estar aberto para aprender é fundamental para crescer e evoluir… As pessoas que sabem deste propósito e acompanham o  ‘Obrigada, estou apenas olhando’, também sabem que ele está chegando ao fim. E a pergunta que vem é ‘e agora?’

Agora, vou continuar poupando, com certeza! Sempre que me encontro com um empresário jundiaiense do ramo imobiliário me surpreendo com sua serenidade com relação ao dinheiro e sua despreocupação com o tema.

Toda vez que nos encontramos ele, gentilmente, pergunta sobre o desafio, sobre as minhas economias e me pede dinheiro emprestado hahahah Eu? Emprestar dinheiro para o senhor? Não vou emprestar, quero ser sua sócia! heheheh Esta foi a última resposta que dei. Isso foi na semana passada e hoje ele se lembrou disso…

Como todo empresário bem-sucedido, ele está sempre vestido de maneira simples e não ostenta. Engraçado como as pessoas que SÃO não tem a necessidade de mostrar isso. Elas simplesmente são. E, por outro lado, como as pessoas que QUEREM SER exaltam a si próprias, ostentam e vivem uma vida fora do seu real padrão.

Este empresário é um exemplo de vida, de superação, de sucesso! Quem dera todos nós fôssemos assim –  simples  e de bem com a vida. Ele me lembra o criador do Facebook, Mark Zuckerberg, que está sempre com a mesma camiseta e calça jeans.

Fui pesquisar sobre esta maneira simples de viver a vida e descobri que empresários como Mark e Steve Jobs  são adeptos do ‘menos é mais’ em suas vidas.  Vestindo-se sempre da mesma forma, eles conseguem:

  • Gastar menos tempo e se poupam o estresse para se arrumar
  • Com menos roupas, mais qualidade em tecidos e padronagens
  • Transmitir estabilidade ao usar o mesmo estilo
  • Gastar menos com compras supérfluas de roupas que nem vai usar

Veja só que o estilo de Mark Zuckerberg, Steve Jobs e este empresário jundiaiense vai ao encontro da nossa ideia do Armário-Cápsula. Vamos fazer? Com o fim deste desafio na sexta-feira (7), vamos começar a falar disso. Que Deus continue NOS inspirando nestas ideias que edificam e promovem melhora em nossa qualidade de vida… Seja feliz 😉

Armário-Cápsula: por onde começar?

Dia 359/365:

Há quase um ano, a alternativa que escolhi para poupar foi fugindo do consumismo com todas as minhas forças. Difícil no início, mais fácil ao longo do tempo, o ‘Menos é mais’ deixou de ser clichê e passou a ser minha filosofia de vida. Com o ‘Obrigada, estou apenas olhando’ me deparo todos os dias com histórias, novas ideias e relatos de pessoas que, como eu, nem sabia o que estava fazendo e deu certo.

A ideia do Armário-Cápsula é fantástica e tenho certeza que pode inspirar muitas mulheres e homens (por quê não?) a diminuírem a quantidade de roupas em seus abarrotados armários. A ideia central do Armário-Cápsula é ter um guarda-rupas com peças curingas, que combinem (ou ornem… heheh isso é muito Jundiaí) e se complementem entre si.

Cápsula é uma palavra que sugere algo menor, reduzido, compacto… Então o seu armário passa a ter apenas aquelas peças básicas do velho e conhecido ‘tem-que-ter’…  Mas não é pra você abrir o guarda-roupas, doar tudo que tem lá dentro e começar do zero com peças novas. Nã na ni nã não… Você tem que começar com o que tem…

Simplificar a vida pode começar pela otimização do seu armário. E, de quebra, vamos aprender a controlar a impulsividade e usar muito mais o que você já tem e ama. Sim, vai na linha do minimalismo, ou seja, remover tudo aquilo que não agrega valor à sua vida e dar espaço para coisas que te edifiquem. De que adianta ter um armário cheio de roupas que você nem sabe quais são. Roupas com etiqueta ainda, roupas precisando de reparos, roupas que não lhe servem mais… A ordem é desapegar do que você não usa.

Então, o primeiro passo é tirar tudo que você tem no armário. Coloque em cima da cama e separe: o que sim e o que não.

Na pilha de SIM: verifique se existem peças que precisam de pequenos ajustes e já separe para levar à costureira.

Na pilha do NÃO: separe o que está em bom estado e pode ser doado. Se tiver roupas manchadas (de ficar guardada), rasgadas ou muito desgastadas (como aquelas jaquetas de couro que começam a descamar de tão velhinhas) e: jogue FORA. Não se doa para outra pessoa aquilo que você também não usaria…

Consumir menos e com mais consciência. Amanhã vamos falar sobre como montar as cápsulas de cada estação.  Quando fiz o meu primeiro guarda-roupa cápsula, por exemplo, selecionei as peças que tinha e comprei algumas peças-chave (especialmente básicos), aquilo que estava faltando pra tudo ficar mais harmônico. O restante, aquilo que não iria usar, coloquei em uma mala e numa arara longe do meu closet. Agora que montei o meu armário cápsula de primavera, busquei nessas peças guardadas aquilo que queria usar – num próximo post vou detalhar tudo isso, ok? Só pra deixar claro como funciona o processo.

Pense no seu uniforme:  sabe aquela roupa que você sempre acaba pegando de manhã na hora de se vestir? Então, esse é seu uniforme! Ele pode te ajudar a delimitar o número de peças que vai passear pelo seu armário. E como estamos no inverno ainda, pense numa calça skinny, camiseta, cardigan aberto, casaco por cima (sobretudo ou uma jaqueta de couro) e uma botinha ou scarpin.

O próximo passo é pensar em outras combinações que você quer adotar, além do seu uniforme. Por exemplo, no caso do inverno: saia + meia-calça + camisa + tricô + botinha ou calça skinny + camiseta + casaco + slip on ou calça + tricô + cachecol + sapatilha ou saia + meia-calça + scarpin + tricô + casaco. O Instagram tem muitas dicas de looks. Procure pela hashtag #DicadeEstilo ou #Fashion #ModaTrabalho ou qualquer outra que remeta às dicas de moda… Você vai encontrar muitas ideias.

Uma ajudinha para montar o seu armário-cápsula: confira a quantidade de peças que você pode ter para não ficar sem opções:

  • Calça skinny (uniforme) – 5
  • Camiseta (uniforme) – 5
  • Cardigan (uniforme) – 2
  • Casaco (uniforme) – 4
  • Bota (uniforme) – 3
  • Saia – 4
  • Camisa – 2
  • Tricô – 2
  • Cardigan – 2
  • Slip On – 1
  • Sapatilha – 2
  • Scarpin – 2

Você está gostando? Eu estou amando esta ideia. Ainda não comecei a mexer no meu. Estou apenas estudando e analisando as possibilidades. Mas estou muito animada. A coisa de tirar tudo de dentro do guarda-roupas vai dar trabalho e vai demandar tempo. Mas a gente consegue! Ah, se consegue! Que vocês sejam felizes hoje e sempre! Com muitas roupas ou não, mas sempre com a Graça de Deus NOS envolvendo! 😉

Uma loja ansiosa

Dia 338/365:

Desde que comecei este desafio com o “Obrigada, estou apenas olhando”, sinto, a cada dia que as pessoas e, principalmente, as lojas estão mais ansiosas que eu com a chegada dos 365 dias.

Hoje, fui ao salão (o Espaço da Beleza, comandado pela Joyce e pela Leticia, faz parte de uma parceria de troca de serviços que vem dando muito certo). Lá tem uma loja de roupas, a Piazzo Modas. A ideia é ótima né? A empreendedora está no lugar certo: salão de beleza está sempre repleto de mulheres e mulheres quando veem roupas….

Mas sempre que a Susiane, dona da Piazzo, me encontra pergunta: – E aí, já acabou o seu jejum? Tenho coisas lindas aqui! E, diante da minha resposta negativa, inconformada, ela questiona: – Não acabou ainda?

Eu dou risada e explico que está acabando. Mas o que as pessoas precisam entender que este desafio é mais que um ano sem compras: é um ano de muito aprendizado!

E como voltar a ser a mesma pessoa depois de tanta coisa na cabeça? Como voltar a ser a mesma pessoa depois de tanto aprendizado? Como voltar a ser a mesma pessoa depois de aprender a dominar minhas vontades e desejos em detrimento de um objetivo maior?

Outra loja que não se conforma com meu um ano sem compras é uma de lingerie: a vendedora me manda mensagem no WhatsApp todo mês, com fotos lindas dos produtos e sempre pergunta: – Já acabou? Pode comprar agora?

Entendo a vontade das lojas em vender e até agradeço a Deus por elas estarem me questionando, me procurando e me “tentando”: isso me ajuda a lembrar dos meus objetivos e me mantém longe do perigo e firme no propósito! Obrigada, Senhor! 😉

A foto da ampulheta ilustra bem a ansiedade das lojas e o meu resultado: saldo positivo! 💰💴

Três pares de sapato e duas bolsas: R$ 115,00

Dia 311/365:

Não, não comprei nada! Não cedi à tentação e nem quebrei o meu compromisso com o “Obrigada, estou apenas olhando”.

Há 15 dias fiz uma arrumação no guarda-roupas e encontrei roupas, sapatos e bolsas para doar, para consertar e para peças para jogar fora.

E qual foi a minha tristeza quando liguei no sapateiro e ele disse que uma bolsa que gostava muito não tinha conserto? Uma bolsa verde, linda, que havia ganhado num bingo hehehe Ela estava com o couro fake esfarelando. Diagnóstico: lixo!

Separei tudo que ia pro sapateiro: duas bolsas, três pares de sapato, que, por conta de precisarem de ajustes não os estava usando mais.

Ao sapateiro ajustou os botões da bolsa marrom; trocou o cabo da bolsa vermelha (que também estava esfarelando); trocou a borrachinha do saltos do sapato preto; fez um reforço no scarpin branco e cortou o salto da sandália vermelha. E tudo por R$ 115,00.

Uau! Resultado: mais três opções de sapato prontos para usar e duas bolsas! E você? Quando um produto quebra, rasga, você joga fora ou leva para arrumar? As lojas de consertos são importantes formas de economizar.

Até panelas já consertei: tem um senhor que passa aqui pelo meu bairro pelo menos uma vez a cada dois meses consertando panelas, trocando cabos ou se oferecendo pra trocar a borracha da panela de pressão.

A nossa tendência quando algo quebra é encostar o objeto e comprar um novo. Mas, mandar consertar e continuar usando é uma forma de economizar, ou seja, fará bem para o bolso e para o meio ambiente.

Da próxima vez que pensar em comprar algo, dê uma olhadinha no seu armário: eu garanto que vai encontrar algo que só precise de um ajuste para voltar a ser usado.

Economize por você, pelo seu bolso e pelo meio ambiente. Vamos cuidar deste planeta tão lindo que Deus NOS emprestou para morar! 😉

Sem nada para vestir? Você não está sozinha!

Dia 293/365:

Guarda-roupas cheio e você sem nada pra vestir? Hoje li no Instagram da minha amiga/irmã Simone, que ela está vivendo a crise do comprar roupas e, na semana seguinte, já não ter nada pra vestir.

O seu desespero inspirou o “Obrigada, estou apenas olhando”. Simone, queridona, fique tranquila, você não está sozinha! Nem no desespero, nem na vontade de comprar de novo! Hehehehe

Muitas mulheres passam pelo dilema de montar o look para enfrentar os compromissos do dia. A melhor forma de acabar com isso é descobrindo, exatamente o que você tem no armário!

  • Faça uma triagem, conte as peças;
  • Monte looks e fotografe-os para ter uma ideia do que usar em diversas ocasiões: isso vai agilizar também na hora de se arrumar para sair;
  • Desapega e passa pra frente: coloque como novo hábito que sempre que uma peça entrar no seu armário, outra deve sair;
  • Misture as roupas sem preconceito: esta vai ser divertida! Feche a porta do quarto, ligue o Spotify e divirta-se experimentando e misturando roupas, estilos, faça combinações malucas… Você vai acabar achando looks que vão dar certo e que nunca tinha pensado antes – e quando achá-las, não esqueça de fotografar também.

Todas essas ideias vão ficar mais divertidas se você tiver uma opinião sobre os looks. Chame uma amiga, garanto que vão até encontrar uma calça que não te serve mais pra trocar por uma saia que não serve mais para ela.

Depois de tudo isso, junte toda a sua confiança e saia por aí arrasando. Você vai ver que bem fará para a sua alma descobrir um novo mundo de possibilidades de aproveitamento de peças que temos dentro de casa e montar um guarda-roupa inteligente, econômico e funcional.

A Simone ainda pode aproveitar a companhia dos seus bebês peludos: a Lili e o Tigrão, um casal de maltês, lindo demais!

Que Deus NOS oriente sempre, até na hora de se vestir ( ou na hora de comprar roupas). Que Ele NOS inspire também para doar e desapegar e assim ajudar as pessoas que precisam! 😉

Desapegar é preciso

Dia 280/365:

Inspirada na história do Eduardo Gregori, meu amigo da faculdade e que hoje mora em Barreiro, em Portugal, o post de hoje do ‘Obrigada, estou apenas olhando’ vai falar sobre desapego.

Você costuma fazer isso? Quando comecei este desafio, fiz uma triagem no meu guarda-roupas para saber, exatamente, o que teria para dispor nos próximos 365 dias. Foi logo no início deste desafio: faziam nove longos (hehehe) dias que ele havia começado.

Naquela época, eu tinha muita coisa no guarda-roupas. Entre vestidos, sapatos, bolsas, camisas, saias, camisetas, blusinhas, blazer, casacos, jaquetas, shorts, blusas e calças eram mais de 150 peças.  Sem contar os conjuntos de lingerie e as roupas de academia. E hoje, mais de 270 dias depois, tenho muito mais roupas no armário. Sapato não ganhei nenhum: pouca gente calça o meu número (33) hehehe

Não precisa se desesperar, não cedi à tentação (que nem é mais tão tentação assim). Não, não estou ficando louca! E não, não comprei nenhuma peça. GANHEI muita coisa neste tempo: tenho os melhores amigos do mundo! Entre presentes e doações  – roupas das amigas que não lhes servem mais – (sorte a minha!) já são mais de 70 peças. Mas não ficou tudo pra mim não! Dividi muita coisa a Luciana, uma amiga/irmã.  O que não servia para mim, separava pra ela!

As últimas doações (gosto muito!) resultaram em 9 peças de roupas pra mim (7 calças, 1 camisa e um vestido) e outras 12 peças pra Lu. E o mais legal é que antes de avisá-la sobre as roupas, ela vem e comenta: “estou precisando comprar umas blusinhas para frio”. E voilá, Deus providencia. Pra ela, foram umas quinze peças e mais dois sapatos: entre as peças três tricôs e duas jaquetas (perfeitas para o inverno). Providência divina para o inverno que chega na próxima semana.

Até comentei hoje com o Pedro Braggio, amigo, educador financeiro e mentor deste desafio. E ele ficou feliz por mim e pela pessoa que fez a doação das roupas. “É bom porque você ganhou, é bom porque você não está comprando e é melhor ainda porque você pode incentivar os seguidores do blog a fazer a mesma coisa. Precisamos estimular o uso das roupas até o final: faz bem pro nosso bolso, pois, não gastamos, e para o meio ambiente”, analisou.

Pedro lembrou de uma coisa que acontecia quando eu era pequena. As roupas dos primos iam de um pro outro. “Essa prática é muito comum com roupas infantis: de um irmão ou primo que passam suas roupas uns pros outros”, disse. Ebaaaa, estamos no caminho certo, resgatando antigas práticas em prol da sustentabilidade e do consumo consciente e para ajudar o próximo.

Deus é maravilhoso mesmo. Ele sabe o que precisamos e providencia. Ele vem acompanhando este desafio e sabia que eu estava com vontade de ter uma coisinha “nova”, que apesar de vir de outra pessoa, está bem cuidada e é nova, sim, no meu armário.

Gostaria muito que você pudesse fazer isso hoje. Aproveita, é cedo ainda. Entra no quarto, separa umas roupas que você não use mais ou que não lhe sirva e separe para doar: igrejas,  prefeituras e associações de bairro, podem estar precisando de doações de agasalhos. Ou quem sabe uma amiga sua, pode estar precisando! O segredo de saber o que desapegar é olhar para a roupa e lembrar sobre a última vez que você usou. Se não usou este ano ainda, está na hora desta peça fazer a alegria de outra pessoa!

Experimente! Você vai se sentir ótima (o) depois que fizer isso. E se puder me contar a sensação depois, vou ficar muito feliz! 😉